Latim na Alemanha: a lição das raízes

Vale a pena ler esta reportagem sobre a importância que o estudo do Latim tem na Alemanha. Há quem confunda recomendações dessas com caturrices  ou interesses em encontrar um nicho de mercado para as próprias habilitações. A verdade é que há muitos e variados argumentos a favor do estudo do Latim.

Relembre-se que a língua alemã não é uma língua novilatina como o português. Portugal, ao contrário dos alemães, prefere continuar a cultivar o esquecimento, apagando as bases históricas que estão na origem da sua própria língua e, portanto, do próprio pensamento.

No fundo, é uma questão de coerência, pois seria estranho que agisse de outra maneira um país que atira sobre as escolas programas de Português que desprezam os clássicos da literatura, terminologias linguísticas mal concebidas e um acordo ortográfico desnecessário e prejudicial. Com tanta gente a encher a boca com o prestígio internacional da língua, a morte do Latim é mais um degrau descendente em direcção ao desprestígio nacional da língua.

 

Comments


  1. Não só destruição da lingua mas da cultura já que está na base da formação e manifestalção do pensamento e mesmos gestos até no quotidiano
    O país é governado por uma ciganagem ignorante e predadora

    em menina do ensino média aprendi os rudimentos de grego e de latim para perceber a construção de palavras mas também de “juízos” e já agora para ler os lusíaddas Inteito e não apenas o canto” que tão galhradamente os deputados de vez em quando arrotam – Além diss o latim permitiu-me aprender g«francês e espanhol como aprendi a aminha lingua e mesmo parte do alemão e as suas difíceis declinações – além disse tinha a vantagem de ser um ferramente para educar a memória e a lógica de construção de mais e mais pensamentos – ser inteligente e não ter “bagagem e informação” que até estimula a leitura de mais e mais, de que serve a inteligência – só para se ser ministro do PSD – Mas entretanto querem-nos impingir o BRASILÊS que nada tem a ver com a estruturação das lingi«uas europeias pois os bresileiros fizeram ao português o mesmo que o primeiro mnistro fez à estrutura económica – mas não me interessa o brasil para nada é lá com eles – Aliós de onde vira a facilidade de queluqre prtuguês falar qualquer lingua mesmo com baixa escolaridade – está na memória genómica – se a estupidez fosse analizada pela euribor ou outra metodologia portugal ficaria em primeiro lugar
    Manuema Ferrira Leite – 21H esá na SIC a dizer que com este Orçamento Portugal não vai a lado nenhum e o mesmo disse a seguir Adriano Moreira que em toda a sua longa vida nada disto viu – mas esses que nos deterioram o quaotidiano e as mentes nem isso vêem e o pior é que se se diz que o pior cego é o que não quer ver eu acho que les não vêem porque são mais bussros e maldosos do que o mais repelente animal – são criminosos de lesa-pátria – até a idiota Lagarde já o diz (ontem creio – a cabrona que suporta a nazista merkel) – e como se costuma dizer depreciativamente, oara as duas senhoras o país é latim omo foi em 1986 quando destruiram o sector peimário a base do nosso desenvolvimento total de onde tudo vinha – cabronas que enquanto tiravam daqu o melhor tudo bem e agora que já não podem mamar mais somos pigs – e elas são pigas

Trackbacks


  1. […] matérias no ensino secundário e a recuperação do ensino das Humanidades constituem factores de enriquecimento de qualquer país desenvolvido. O desprezo dessas áreas é um dos sintomas do nosso subdesenvolvimento educativo. Saúda-se, […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.