O discurso das Caldas de Aguiar Branco

Aguiar Branco decidiu contestar os destaques da imprensa ao seu discurso no dia do Exército, nas Caldas da Rainha, o dos comentadores das gravatas azuis e casacos cinzentos. Está no seu direito. Até acredito quer o faça por só o ter lido uma vez e em público.

O problema é que está lá literalmente escrito (ler pdf):

O nosso maior adversário é o sentimento, inegavelmente crescente, de que as Forças Armadas, num contexto de carência geral, não são necessárias
Uma visão que, infelizmente deixou de estar limitada a uns quantos idealistas mas que passou a ser defendida, também, por comentadores de fato cinzento e gravata azul.
Comentadores que olham para o Orçamento de Estado e dizem que é aqui que está a despesa que se pode cortar sem que o país sinta a sua falta.
Comentadores de fato cinzento e gravata azul, que têm do Estado e da soberania uma visão contabilística. Que enchem as páginas dos jornais e os noticiários da televisão repetindo: para que servem as Forças Armadas?

Escusava era de me ter feito ler aquilo. Aquilo é um comício à tropa como já não via desde os idos de 1970. Uma coisa parva, sem pés nem cabeça, fundada na peregrina ideia de que os soldados estão porreiros pá, vão ter um Hospital Militar novo, pá, não têm armas mas até gostam, pá, provavelmente até viraram pacifistas, pá. Um discurso digno de quem está seriamente preocupado em que a coisa descambe e o poder que está na ponta da espingarde se vire para outro lado. Essa foi uma boa notícia.

Quanto ao resto, leia para si antes de ler para os outros, e demita o assessor que lhe gatafunhou aquilo. Mas antes ofereça-lhe uma gravata azul e um casaco cinzento e mande-o vestir a farpela. Eu, mesmo com essas listas brancas, suicidava-me num instante.

Comments


  1. A conversa fiada e a inutilidade total da totalidade do governo actual que não serve de nada e para nada e não são neda e são mais ignorantes do que seria de desejar e são atrevidos demais e falam demais e não dizem nada e deviam estar calados e econdidos para não ofenderem o meu olhar e ouvidos – vão perdoar dinheiro à grécia pelo que parte da oerda será igualmente nossa já que a promiscuidade da banca e dos empréstigos e pagamentos é uma mixórdia pornográfica e a troika é uma brincadeira sem graça – fazer revisão constitucional é dar lugar a maior libertinagems e quem nada sabe fazer faz rotunf«das ou propõe revisão constitucional – a inutilidade total dos que DESgovernam e deviam ser metidos onde meteram as meninas que vi ontem . em casas de corecção – para não bateram nos pais e professores mas estes batam mais e com mais indecência – a europa atingiu o grau da maior iniquidade e não serve a ninguém nem aos que se julgam donos da europa mes é aqui que se vem abastecer para fingir que existem


  2. Só A grande Natália Correia (ou Lurdes POintassilgo) percebeu onde nos iríamos meter e lamentavelmente não está (não estão ambas) cá para virar o rumo desta imbecilidade e desvergonha – saudades de gente inteligente e ética como natália e Pintassilgo -de resto não conheço e já cá ando há muitos anos a ver trepadores de galinheiro SIC 21:19H- Paulo Saragoça da Matta – fala mais uma vez das escutas – pena as escutas nem serem escutadas na praça pública como se ouvem as festas de s. joão


  3. Reblogged this on Azipod.


  4. Novamente a mesma treta do costume… Diz, e até têm o que disse escrito, e depois vem dizer que não disse!!!
    Também não se pode esperar outra coisa deste gangue…

    Mas a nossa sorte é que a MAIORIA da Populaça já sabe que a alternativa é o PS – Partido Socialista (para variar) pelo que resta esperar pelas próximas eleições legislativas… PARA CONTINUAR TUDO A PIORAR…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.