Um milhão onde não cabem 300 mil

?????????????????????????????????2 de Março de 2013

Não fui, nem nunca iria a uma manifestação como esta que se verificou ontem, apesar de saber que poucas coisas, nos dias de hoje, andam razoavelmente bem no nosso País. Não encontro nos organizadores e apoiantes, no slogan simplista “que se lixe a troika”, e no entoar da “Grândola” em tudo quanto é canto e esquina ou acontecimento político em que intervenham ministros, qualquer vislumbre de pensamento positivo ou de propostas alternativas que sejam viáveis.

No entanto, este 2 de Março foi um marco, um aviso sério, um grito lancinante, feitos do desespero de alguns (muitos) e do oportunismo de muitos (demasiados).

Neste 2 de Março as gentes vieram para a rua não só para gritar contra a troica, não só para gritar contra Gaspar ou Álvaro, mas especialmente para avisar seriamente Passos Coelho do desespero que as consome.

Neste 2 de Março, o governo, melhor dito, o nosso Primeiro Ministro, tem de perceber que o povo está descontente, que não foi neste Gaspar duro e aparentemente insensível  que o povo votou e que o desespero pode provocar um ainda maior descalabro social.

Passos Coelho tem de tirar ilações disto que se passou e actuar em conformidade. Foi para isso que o voto lhe foi dado pela maioria do Portugueses. Se o não fizer, corre sérios riscos de não se aguentar muito mais tempo na governação.

Mas neste 2 de Março também há um enorme aproveitamento político da parte de alguns. Ou senão, vejamos os números. Independentemente da real grandeza da manifestação, que foi realmente grande, os promotores conseguiram colocar um milhão de pessoas onde não cabem mais de duzentos mil e quatrocentos mil onde nem oitenta mil cabem, só para mostrar aos inocentes a força que a manifestação teve.

Esperava-se seriedade de quem quer tudo direitinho, não estas mentiras. São afinal iguais aos que mentem descaradamente e nos entram diariamente pela porta/televisão/rádio dentro, seja a falar de greves, de sacrifícios próprios ou alheios, ou seja pelo que for.

.

Comments

  1. Hugo says:

    Até que enfim um texto com pés e cabeça.

    • Nascimento says:

      Pés e cabeça?A sério? E o meio?A”virtude”?No Rato?Que lindinho. Tão quequinhos de merda, tão trutas.que nojo . Mais nojo do que sinto por estes governantes.Ao menos eles SABEM e MUITO BEM ao que vieram.Quanto aos outros, já Churcill tinha avisado. E bem…

  2. João Paz says:

    José Magalhães tem medo porque as manifestações tiveram em mira AS DUAS TROYKAS (interna e externa) o que inclui, naturalmente, o seu querido PS. É bom que o tenha porque dentro em pouco vai deixar de poder contar com os dirigentes que se intitulam de socialistas sem n unca o terem sido para enganar quem vive do seu salário.

    • Alex says:

      O ” querido PS” do José Magalhães? Esta tem graça; vou ali ver se consigo parar de rir e já venho

  3. mdlsds says:

    enfim…

  4. joao riqueto says:

    O Criador fez a montanha e o vale, o rio e o mar, mas não fez o aqueduto, nem a ponte, nem a caravela.
    Não passarão, terá dito quando aqui meteu o mar, mas aquilo foi só semear o pinhal de Leiria, cortar a madeira e construir os barcos. Por isso o sr José Magalhães é.
    .
    Restam as boas obras ou o efeito das más construções.


  5. Haters gonna hate. E no entanto é das poucas ilações sérias que se podem tirar de ontem… Isso e um profundo vazio de crítica construtiva, de propostas, alternativas sérias e concretizáveis para além do entoar desafinado da música do Zeca Afonso.

    • Nascimento says:

      Deixa estar que o zeca não se incomoda…nem com parvos que passam a vida á procura das “propostas sérias” e já agora “construtivas”.Onde é que eu já ouvi esta merda? AH, foi ali pró Rato, ou terá sido no Caldas?Deves cantar bem é na sanita.

    • Hugo Mota says:

      Sem dúvida. O tema da manifestação de ontem não foi outro senão criticar aqueles que emprestaram o dinheiro que o nosso estado precisa para pagar as suas dívidas. Que se lixe quem emprestou o dinheiro que o povo é quem mais ordena. E por povo subentenda-se os partidos extremistas que auto-proclamaram-se únicos representantes do povo, mesmo quando mal conseguem dois dígitos de expressão nas urnas.

      Contudo, se aqueles que nos emprestaram o dinheiro realmente se lixassem então o que fariamos a seguir? Será que o nosso estado deixaria de precisar de mais dinheiro para saldar as dívidas correntes? Será que deixaria de ser necessário penhorarem 2 ordenados a todos os trabalhadores? Será que deixaria de ser necessário cobrar 23% de imposto em todas as transacções? A resposta é clara: não. As contas públicas permaneciam descontroladas, seria impossível cobrir as despesas do estado com dinheiro dos impostos, e mais ninguém emprestava dinheiro ao nosso estado.

      Assim, como é que os nossos problemas se resolvem se a troika se lixar? Pois, as gentes destes partidos comunistas não o sabem dizer, nem o querem dizer, e evitam a todo o custo sequer abordar o problema. O que preferem é infantilizar todos os portugueses, defendendo que por artes mágicas se a troika se lixar então todos nós ficamos novamente finos, qual era dourada de crescimento e despesa pública descontrolada de António Guterres.

      Mas tem um departamento de propaganda e média eficaz, que debita bons conteúdos com iconografia correcta e chavões aprovados pelos seus representantes da ortodoxia. Leva as pessoas a aderir sem pensar. Porque que se lixe a troika e o povo é quem mais ordena. É isso, de conteúdo.

      Mas digam lá, honestamente: e o problema? Como é que se resolve? Isso fica por dizer.


  6. Ora cá está uma análise inteligente! É isso mesmo, caro José Magalhães, sem tirar nem pôr!


  7. vejamos o “desafinanço” dos “poucos milhares” que não chegam a ser nada nem quase ninguém
    http://youtu.be/LzmFPJiH6nA


  8. O Sr. Joisé Magalhães, continua com as suas habituais azias ao direito dos trabalhadores á greve e aos cidadãos á manifestação, e lá o vamos aturando porque o Aventar ainda é um espaço livre. Ora então “Um milhão onde não cabem 300 mil” explique lá onde? Em Lisboa? No país? Ou os seus amigos do “Publico” não explicaram? Nem comento só se servir da”verdade” deste jornal,ou a comunicação social para si é só isto? Não vislumbra ” pensamento positivo ou de propostas alternativas que sejam viáveis.” Ou anda distraído ou só vê e lê o que lhe interessa, aliás habitual em si. De rir também a vontade de fazer de PC um santinho ingénuo perante um Gaspar “rude e aparentemente insensivel”. Mas normal em quem escreve “o nosso Primeiro Ministro” Nosso? Seu e dos seus amigos, não dos milhões que não votraram nesta cambade que antes das eleições já sabiamos não passarem de uma cambada de fanáticos e mentirosos.


  9. Para o Sr. José Magalhães e mais uns quantos “cegos” que secundam os seus “problemas digestivos”, aqui está uma foto de “onde não cabem mais de duzentos mil” http://www.facebook.com/#!/photo.php?fbid=422117584548651&set=a.157051641055248.36622.121112334649179&type=1&theater

  10. Cavaco Silva says:

    Criticam-se os que vão e os que não vão, criticam-se os que dizem 1 milhão e meio e os que dizem 300 mil, todos com muita razão, mas poucos com vontade de mudar ou de ajudar a mudar o rumo do país, mas na verdade a única coisa que interessa aos partidos é o assalto ao OE, o que interessa a quem está ligado a partidos é vir também a mamar da teta do OE, é tudo a mesma merda, da esquerda à direita e da direita ao centro passando por qualquer associação, tudo quer mamar sem trabalhar, todos querem um lugar e não me venham dizer o contrário.

  11. agostinho says:

    Continue assim a desrespeitar o sentir de milhares de portugueses que ainda vai ser convidado para o governo. A incompetência é promovida e o Sr. José Magalhães tem já o lugar marcado neste elenco.

    • Hugo Mota says:

      A parte cómica é que no meio dessa treta parece que a vontade dos milhares de portugueses que votaram no actual governo afinal não vale de nada e é para ser desrespeitada. E claro, a vontade que é sempre a que mais ordena é sempre aquela dos partidos comunistas, sobretudo quando é para subir nas intenções de voto.

      Objectivos.


  12. Quem é o José Magalhães?

    • Nascimento says:

      É um rapaz, que está á espera de um palhaço, tipo Mussolini. Um “SALVADOR COM BELAS PROPOSTAS”, um que está, “carregadinho” de “razão”, seja lá o que isso for,no dizer da “douta” senhora.Ai…..


      • V. Exa. é tão básico que nem resposta merece!

      • José Miranda says:

        É engraçado como esta manifestação a que tanto gostam de fazer bobós foi convocada por aqueles que defendem para Portugal uma ditadura do proletariado. E a palavra ditadura não é usada por acaso.

    • Alex says:

      É um tipo que vala a pena conhecer, recomendo vivamente.

  13. eduardo soares says:

    JM a levar no corpo e na carteira e, pior, na sua dignidade de cidadão e esquisito ? Há pessoas que gostam de ferrar mas não é nas canelas do poder: é andar a dar uma no cravo e outra na ferradura. Mas se calhar não entendi o que quis dizer… defeito meu !

  14. Luís says:

    Eis um “corta e cose” para tentar pôr a discussão no seu devido lugar, fazendo eu minhas as palavras do autor.

    “A Passos Coelho e a Vítor Gaspar aconteceu a pior coisa que pode suceder a um governante em Portugal: de temidos passaram a desprezados. Não perceberam que a posição de superioridade e arrogância que tomaram, de pesporrência e insolência que exibiram, é muito imprudente em políticos sem currículo, sem obra, sem reconhecimento. Como os não tinham, disfarçaram a ignorância com a sobranceria, a impreparação com o autismo; cheios de vento, golpearam identidades, tradições, direitos, culturas, dignidades. Acabarem com o feriado do 1.o de Dezembro foi uma das piores leviandades cometidas; o ódio que fomentaram nos funcionários públicos e nos reformados, uma canalhice; a aldrabice sistemática que utilizam, um opróbrio; o esbulho da classe média, uma hecatombe fascizante.
    Emproados internamente, provincianos externamente, revelaram-se subservientes com os de cima e despóticos com os de baixo. O servilismo mostrado ante os senhores germânicos tornou-se pungente de ver, repugnante de aceitar. O seu comportamento contagiou ondas de roedores contra a dignidade portuguesa, o que leva as populações a execrá-los ao som da “Grândola”, canção-hino de liberdade e júbilo.
    Presidente, ministros, secretários de Estado e afins não podem já sair à rua sem ser vomitados. Ao perceber que o rei vai nu, o português entre-_gou-se ao escárnio, perdendo o respeito, o medo, a paciência. Ora quando tal acontece torna-_-se impossível ao governante a governação, diz a história e o bom senso. Este executivo vai desmoronar-se pontapeado pela ira e pela chacota – mistura letal entre nós.”
    Fernando Dacosta no Público


  15. 1ª nota): Um especial agradecimento durante os últimos 2 anos, principalmente aquando da disponibilização do acordo/memorando com a TROIKA, que na altura do Governo Sócrates, no meio da mediática negociação, se havia “esquecido” de traduzir para PT. Não que o Inglês fosse um problema a nível pessoal, mas porque infelizmente em PT, não é essa a língua oficial! É pois com orgulho que actualmente o Blog Avetar, é uma referência no activismo e cidadania na construção dum país mais informado principalmente a nível político/cívico/pensamento! Dada a ocasião e porque acho pertinente a contra-posição, vou-me alongar “ligeiramente”.

    Partindo desta base e relativamente á manif. de ontem, com o SLOGAN “Que se lixe a Troika, o povo é quem mais ordena”: Pode-se discordar/concordar; pessoalmente acaba por ser secundário, com o país á beira da implosão, até poderia ser “Que se lixe qualquer coisa, principalmente este (Des) Governo… porque queremos é ter perspectivas diferentes, (mais que provado que esta receita, em linha com as previsões não resulta), só mudando o rumo das políticas, se poderá contrariar a espiral recessiva, antes que esta m#$%@… Descambe numa guerra civil!”;

    Após os desvarios de Sócrates, (o menos mau relativamente a PPC), esse sim que viveu acima das nossas possibilidades (revelando insensibilidade como tantos outros), com a vida luxuriante que tem vivido em Paris, considero ainda um afrontamento o silêncio ficando apenas o registo de que “a dívida é uma brincadeira de crianças” (qual fosse o contexto), mas é para os que permanecem e têm que a pagar! Assim sim vê a diferença de caracter relativamente ao Grande líder Socialista Mário Soares, (pese embora todos os seus defeitos). Em 2011 aparentemente estávamos na bancarrota Segundo consta) e precisámos de “pedir” dinheiro para pagar as contas, e agora temos que pagar! Parece-me lógico, aliás, quando se falou inicialmente em muitas propostas da esquerda relativamente á renegociação serem ridicularizadas por toda a Direita ridicularizava, inclusive PS. A esquerda não queria honrar os compromissos (não pagar)? Queria rasgar o acordo? Pasme-se que é precisamente aquilo que agora a própria Direita, chegou á conclusão que os juros são insustentáveis, e tem que se pedir mais tempo (1+1=2 anos), quando já na altura era aquilo que devia ter sido defendido coerentemente.

    Só para fechar o dossiê PS, nem perco tempo com o “flop” António Costa, (o único capaz de unir uma ampla esquerda), que de São Sebastião, logo se acobardou pelo rugido do Sr. (não opção) Seguro, que se arrisca sem nada fazer, a cair-lhe o poder nas mãos, na falta de melhores opções! Deixo sim o testemunho de João Galamba, que explanou bem o que uniu a presença da maioria das pessoas, “A Rejeição! (destas políticas)” http://www.tvi24.iol.pt/videos/video/13818193/1

    Os números da manif.? Axo curioso este tipo de análise, que o único significado, deveria ser retirado pelo próprio 1ºM (como é bem referido no post), que na boa prática de continuar a provocar as pessoas, “ansiedade e Impaciência de alguma gente que vai em modas passageiras”, que “está em casa a fazer nenhum”, “preocupados em sintonizar com as espumas dos dias”.); que não exemplifica a maioria da opinião dos portugueses? Como participante, o receio seria que o valor fosse inferior ao 15 Set. 2012, logo seria habilmente manipulável para descredibilizar a iniciativa. Em Lisboa, poder-se-á admitir que tenha sido o mesmo valor (15 set.), embora a infame TSU que mobilizou algum espectro de direita, desta vez, não tivesse mobilizado essas mesmas pessoas. Mas o que ficará registado para a história, é que felizmente ou infelizmente dado o contexto, a nível nacional, a representatividade do resto do país é significativamente importante, para contrariar qualquer tipo de avaliação numérica. Interessa sim que na totalidade de cidadãos portugueses mobilizados, foi superada a fasquia dum Milhão! Ainda assim, valerá bem mais o eco que chegou lá fora pela BBC e CNN: http://www.tvi24.iol.pt/videos/video/13818420/1?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+iol%2Fdiario+%28IOL+Di%C3%A1rio+-+%C3%9Altima+Hora%29

    O pós manif e as alternativas imediatas: A diferença entre ter 1 governo que mude de atitude aquando das negociações com os credores (postura do “Bom Aluno” assinando por baixo, sem sequer renegociar condições mais favoráveis), através duma outra postura/pressão diferente junto da União Europeia, possa defender realmente os interesses dos portugueses; esta é a grande diferença entre ter o Governo + Neoliberal pós Ditadura no poder e outro qualquer, que trata as pessoas arrogantemente como se fossem ignorantes, divide as pessoas sectorialmente para estas andarem distraídas em crelas internas, para poder impor mais medidas de austeridade, em vez de Unir e reunir esforços. Sempre com base na “política do medo” (velha tática), provocando-os sistematicamente, como se tivessem que ser punidas porque viveram acima das suas possibilidades, quando foi o Estado e os próprios Governantes nas últimas décadas, que ou por incompetência ou por agendas escondidas, foram os responsáveis por dolo, corrupção, e negociatas, que espoliaram o próprio estado, e a impunidade continua a ser geral no espectro político que é inadmissível!

    Quase 18% Txa Desemprego num país como PT e está em linha com as previsões? O 1ºM diz-se nada preocupado com “o que vai na alma dos portugueses”. É esta a resposta que tem a dar perante os sacrifícios das pessoas? A incompetência também deve ser penalizada. Este (des) Governo vai fazer 2 anos, e o Zé-povinho perdeu a esperança, está completamente saturado dos governantes que exigem mais rigor, mais eficácia, e insistem na mesma receita da política do “medo”, com resultados extremamente negativos para a população portuguesa, e julgam que temos que calar e seguir em frente e nada deve ser avaliado? Este Governo prometeu defender os interesses dos portugueses? Ainda alguém acredita? É este o rumo certo? Obviamente que se estas políticas continuarem até ao final do mandato (náuseas), que quando tivermos 6, 7 milhões de habitantes, (1 metade será idosa e a morrer á fome sem reformas, outra metade activa novamente não qualificada e resignada; Educação e saúde para quem tiver capacidade monetária/minoria, salário mínimo abaixo dos 300€); aí assim seremos competitivos? E começaremos a crescer, qual “Estado Novo”? É esse o objectivo?

    O objectivo ficou claramente desmascarado com a proposta da TSU. Recorde-se que foi pois com a manif do 15 Set. que caiu a máscara do “Coelhinho” e companhia, e finalmente a população teve um cheirinho da agenda Ideológica que sempre teve por trás. Ficou demonstrado que o único objectivo por de trás da agenda, e com base no Ministro Sombra made in Goldman Sachs – António Borges, é reduzir o custo do trabalho em Portugal, e podermos ser a China (o lado mau do Comunismo para o trabalhador) na Europa! Aparentemente, e contrariando todas as políticas europeias, e com base nesta Ideologia, só assim seremos competitivos “custe o que custar”!

    A alternativa á RESIGNAÇÃO e o cenário da TEMPESTADE PERFEITA! É na falta de outras melhores, inclusive a carência de opções credíveis na oposição, é dizer basta! Não está a resultar! Tentar demonstrar que um certo nº de pessoas, quiçá um Milhão ou mais, em todo o país, discorda do Governo e das suas políticas, da sua postura. Todas as formas de pressão neste momento são bem-vindas, primeiro, para derrubar esta maioria (ou incompetente que não acerta uma previsão, ou com agenda escondida e com interesses desconcertantes), segundo, e se o primeiro não for possível, pressionar de forma a mudar o rumo das políticas recessivas, que dêem esperança aqueles que gostam, preferem e persistem em viver no seu país, pressionando por ex. a banca a disponibilizar crédito ás empresas, (€ da recapitalização que todos andamos a pagar), em vez de o reter, e ainda andar a especular com a própria dívida pública, lucrando vergonhosamente milhões e milhões de euros á custa da crise, não admirando a vergonhosa postura do “Ai Pagam Pagam!

    Ocasião para mandar cumprimentos ao Sr. PR, que esta semana saiu finalmente do casulo (quarto para o salão de visitas). Esse mesmo, que aparentemente tem “medo” de sair de casa, e ser apupado pelos cidadãos! Só se lhe exigia um bocadinho do poder interventivo, pelo menos verbal, que teve aquando do último mandato do Fantasma de Paris. Mas visto que nada tem a dizer sobre o cenário de catástrofe em que já se encontra a República, sugiro que tal como o Papa, teve o bom senso de abdicar do trono por incapacidade, que faça o mesmo e dê o lugar a outra pessoa, que compreenda e defenda realmente os interesses de todos os portugueses. Pese embora, o cenário inédito de “um Governo uma maioria de Direita”, proponho uma rápida revisão deste cargo em Democracia, e até que ponto um regime presidencialista tipo USA não seria uma alternativa? Mas sem Cavaco, o “mísero professor” que dificilmente consegue fazer face às suas despesas) e muito indiscutivelmente, o pior PR da história Democrática!

    Recapitulando, é bom ter a consciência que as pessoas na sua maioria, foram mobilizadas não por o slogan específico, mas pela sua própria situação actual de precariedade (pessoal, familiar, novos, velhos, amigos, vizinhos, País no geral). O movimento serviu apenas de fósforo para aquilo que todos vão sentindo no seu dia-a-dia, que é a desilusão e a luta contra a perda de esperança, se não se exigir rapidamente a mudança de rumo nas políticas governamentais, com base na austeridade recessiva! Ao contrário do que muitos ainda vão estigmatizando, esta manif. não foi uma “festa” da mini, pois os rostos além de serem na maioria em grande parte Idosos, estavam cerrados e côncavos! Para os que ainda têm alguma “zona de conforto”, ou receio do desconhecido em função da premente queda do Governo, por falta de alternativas, é pois natural que exista uma maior condescendência perante o actual cenário. Ainda assim, é bom recordar a frase que mais impacto teve no já habitual “espólio” de cartazes “AS PESSOAS QUE ADORMECEM EM DEMOCRACIA, ACORDAM EM DITADURA!”. Neste âmbito, deixo o testemunho do “isento” Nuno Markl, que facilmente expõe o porquê de pela 1ª vez ter saído do sofá para participar numa manif. http://www.tvi24.iol.pt/videos/video/13818239/1

    • Hugo Mota says:

      Parede de texto. Não sei se alguém leu.


      • Alguém sabe onde anda o presidente da república?

      • HF (versão light) says:

        1º SLOGAN “Que se lixe a Troika, o povo é quem mais ordena”: é secundário e desculpabiliza meio mundo. Com o país á beira da implosão, até poderia ser “Que se lixe qualquer coisa, principalmente este (Des) Governo… porque queremos é ter perspectivas diferentes, (mais que provado que esta receita, em linha com as previsões não resulta), só mudando o rumo das políticas, se poderá contrariar a espiral recessiva, antes que esta m#$%@… descambe numa guerra civil!”;

        2º Agora que o país está no caos, já se renegoceia? Quando a esquerda defendeu a renegociação da Dívida, toda a Direita ridicularizou, inclusive PS. A esquerda não queria honrar os compromissos (não pagar)? Queria rasgar o acordo? É o que a Direita quer fazer agora? Chegou á conclusão que os juros são insustentáveis, e tem que se pedir mais tempo (1+1=2 anos), quando já na altura era aquilo que devia ter sido defendido coerentemente!

        3º Os números da manif.? Os únicos a retirar ilações, deveriam ser o 1ºM, e o PR. É bom que ganhe vergonha pela sua incompetência, e pare de provocar as pessoas, “ansiedade e Impaciência de alguma gente que vai em modas passageiras”, que “está em casa a fazer nenhum”, “preocupados em sintonizar com as espumas dos dias”.); Mais de 1 Milhão de pessoas nas ruas a nível Nacional, são meia dúzia de badamecos? BBC E CNN valem mais uns milhões…http://www.tvi24.iol.pt/videos/video/13818420/1?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+iol%2Fdiario+%28IOL+Di%C3%A1rio+-+%C3%9Altima+Hora%29

        4º Alternativas? A diferença entre ter 1 Governo que mude de atitude aquando das negociações com os credores: (Estamos fartos da postura do “Bom Aluno” assinando por baixo, sem sequer renegociar condições mais favoráveis), através duma outra postura/pressão diferente junto da União Europeia, que possa defender realmente os interesses dos portugueses; esta é a grande diferença entre ter o Governo + Neoliberal pós Ditadura no poder e outro qualquer!

        5º Quase 18% Txa Desemprego num país como PT e está em linha com as previsões? Obviamente que se estas políticas continuarem até ao final do mandato (náuseas), que quando tivermos 6, 7 milhões de habitantes, (1 metade será idosa e a morrer á fome sem reformas, outra metade activa novamente não qualificada e resignada; Educação e saúde para quem tiver capacidade monetária/minoria, salário mínimo abaixo dos 300€); aí assim seremos competitivos? E começaremos a crescer, qual “Estado Novo”? A incompetência também deve ser penalizada, pois não acertaram uma previsão!

        6º Pressionar a banca a disponibilizar crédito ás PME`s (€ da recapitalização que todos andamos a pagar), em vez de o reter, e ainda andar a especular com a própria dívida pública, lucrando vergonhosamente milhões e milhões de euros á custa da crise, não admirando a vergonhosa postura do “Ai Pagam Pagam”!

        8º Última Oportunidade: Sr. 1ºM, tenha coragem, reconhecer os erros é sinal de humildade! Admita os erros, mude de atitude, de políticas, e prove que não tem “telhados de vidro”… Despache lá o Sr. Excel/Friedman, que não acertou 1 única previsão (Relvas e Borges incluídos no pack), e promova o melhor ministro que tem á sua disposição, que já provou que de todos, é o que tem mais “Bom Senso e competência” (Sr. Paulo Macedo).

        7º Onde está o pior Presidente da República em Democracia? Tem “medo” de sair de casa, e ser apupado pelos cidadãos! Só se lhe exigia um bocadinho do poder interventivo, pelo menos verbal, que teve aquando do último mandato de Socrates. Mas visto que nada tem a dizer sobre o cenário de catástrofe em que já se encontra a República, sugiro que tal como o Papa, teve o bom senso de abdicar do trono por incapacidade, que faça o mesmo e dê o lugar a outra pessoa, que compreenda e defenda realmente os interesses de todos os portugueses.
        http://www.tvi24.iol.pt/videos/video/13818297/1

        9º O que mobilizou as pessoas no GERAL: as pessoas na sua maioria, foram mobilizadas pela sua própria situação actual de precariedade (pessoal, familiar, novos, velhos, amigos, vizinhos, País no geral). O movimento serviu apenas de fósforo para aquilo que todos vão sentindo no seu dia-a-dia, que é a desilusão e a luta contra a perda de esperança, se não se exigir rapidamente a mudança de rumo nas políticas governamentais, com base na austeridade recessiva! “AS PESSOAS QUE ADORMECEM EM DEMOCRACIA, ACORDAM EM DITADURA!”

        Desmistificando as “más-línguas”, que não tiveram presentes, recordo algumas presenças:
        João Galamba: http://www.tvi24.iol.pt/videos/video/13818193/1
        Nuno Markl: http://www.tvi24.iol.pt/videos/video/13818239/1
        Richard Zimler: http://www.tvi24.iol.pt/videos/video/13818160/1


  16. José Magalhães, gabo-lhe a lucidez (e coragem) de manter a lucidez num momento em que até o jornalismo institucional (com ênfase nas TVs) se rendeu ao agitprop da “moda”…


  17. “Um milhão onde não cabem 300 mil”

    Um contributo para esta questão que não é nova: o facto de manifestações deste tipo serem, perdoem-me o estrangeirismo, movimentações in progress- uns chegam, outros ainda não chegaram, uns vão em linha recta, outros ramificam-se desaguando noutros sítios, uns já foram embora, outros ainda estão a caminho, uns aproveitam para uma bica, outros para um copo e um cigarro, outros… e assim sucessivamente que uma manifestação destas é composta de mudanças, tomando sempre novas qualidades. O importante é que nestas movimentações se muda o ser e a confiança, o que não se mede, obviamente, com régua ou esquadro.

  18. Joaquim Ferreira says:

    O número de manifestantes, presentes nestas últimas manifs é ou não significante? Isto é uma pergunta de retórica parva, que só serve para gastar folhas de jornais e bites de internet, nada mais do que isso. Mas isso, de per si, já significa que as manifs em causa, com ou sem muita gente, atingiram o seu objectivo primordial, são noticia!!! Importante mesmo é que todos os comentários, com maior ou menor dose de “português correcto”, mais esquerda ou menos direita, com jogo de cintura ou sem ele, levam todos numa mesma direcção: O Governo que se cuide, pois com Troika ou sem Troika, está a arriscar-se a ir á vida, com alternativa presente ou sem ela. Lembrem-se, o pior conselheiro é o desespero e já á muita gente nesse barco, o do DESESPERO:

Trackbacks


  1. […] patologia do aldrabão manifesta-se negando as evidências. Aflitos porque lhes estão a tirar as patas do pote, nem […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.