Adivinha quem voltou?

ImagemO Arunca, em todo o seu esplendor das lamas, reapareceu hoje em Pombal e por aí fora, como sempre acontece em tempo de grandes chuvadas. É uma espécie de benção para aqueles que farejam as águas a galgarem e as margens, a alagarem estradas,a ensoparem terrenos de cultivo. Que melhor espectáculo para um domingo de Páscoa que aquele, de ver o poder das águas côr-de-lama? Hum?

Desta vez o espectáculo aconteceu no Parque Verde do Açude, vulgo corredor ribeirinho, uma obra que demorou décadas a concretizar e que ainda não completou um ano de inauguração. Foi o primeiro grande teste. Dizem os entendidos (aprendizes de iluminados e pseudo-intelectuais) que não podemos impedir a força da natureza, mas devemos prevenir para não remediar. E há (havia) cuidados a ter em conta.  Ou então não. Ou então isto chama-se planeamento e visão estratégica, pois que o passeio ribeirinho se transformou em passeio marítimo. Venham as docas, antes das eleições, vá…

Comments

  1. Oliveira says:

    O passeio ribeirinho foi criado porque a zona é um conhecido leito de cheia. É a estratégia padrão de planeamento urbanistico para definir a ocupação urbana de zonas ribeirinhas em leitos de cheia. Ao construir parques e jardins nas margens dos rios, os planeadores do espaço urbano garantem a desobstrução do espaço-canal dos rios até em periodo de cheias e reduzem os prejuízos sociais e económicos de pôr em risco outro tipo de infraestrutura. Caso não façam isso então acontecem tragédias como aquela que aconteceu na Madeira.


  2. Era chocolate.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.