O Expresso deixou de adoptar o acordo ortográfico…

…e continua a adoptá-lo. Sim, sim, deixou de o adoptar (actual, co-autor, pára). Não, não, continua a adoptá-lo  (*abril, *atualização, *atualmente, *direção, *setembro). Este é tão-somente um de muitos exemplos desta mescla. Das duas, uma, poderíamos dizer. Contudo, como verificamos, das duas, nenhuma. E assim continuaremos. Enfim, tudo como dantes. Nada de novo a assinalar.

Expresso 2242013Actualização (24/4/2013): Falta o cê de ‘actual’…

 

Comments


  1. No Público não o preocupam as variações entre o AO e a grafia antiga? Ele é palavras isoladas, bocados de textos, textos inteiros e até secções inteiras. Até num texto do Graça Moura apareceu um -fim de semana- no outro dia. Isto na maravilhosa escrita que nunca dava problemas nenhuns.

    • Nana says:

      Fim-de-semana é daqueles casos em que o texto do AO é ambíguo: num lado diz que se tiram os hífens e no outro diz que se utilizam. É à vontade do freguês.


  2. Pior, pior é o próprio Ministério da Educação (MEC), que faz impingir este desconchavo às criancinhas e aos respectivos professores, não se entender com a ortografia e publicar documentos utilizando simultaneamente palavras com e sem novo acordo ortográfico, como por exemplo “lectiva” e “letiva”, em publicações oficiais como é o caso do PowerPoint: «Apresentação Concurso Interno e Externo 2013» divulgado hoje na página da Direcção Geral da Administração Escolar. [http://www.dgae.mec.pt/web/14654/162]

    Não haverá no MEC nenhum… especialista (!!!) que saiba trabalhar com um conversor ortográfico, ao menos?
    Eu quero ver com que lata obrigarão os professores a penalizar os alunos nas provas de exame nacional de Português pelos erros ortográficos resultantes do não cumprimento do novo acordo!

  3. Nana says:

    Sei por experiência própria que, aqui dentro, 80% das pessoas escrevem sem AO. Só o que sai para fora é que passa pelo “corretor” (flip). E depois há os teimosos como eu que continuam e vão continuar sempre a escrever como deve de ser 🙂
    Já agora: a colecção do Expresso (História do Século XX) é para comprar à confiança que vem bem escrita.
    Cumprimentos


  4. Eu se fosse director de um jornal, seria o primeiro a rejeitar o AO90. Afinal é o primeiro a perder uma letra. Que tristeza de gente 🙂


    • Rejeite o que quiser. Mas fique quietinho enquanto der erros. NUNCA se separa o sujeito do predicado. Asneirola. Grave.

      • BSousa says:

        Olha só quem está a dar aulas de português! Você que espanca a nossa gramática usando virgulas como se fossem enfeites de Natal, vem para aqui cantar de galo gritando “Asneirola”?… É preciso lata!

      • Virgílio Silva says:

        Tem razão. Falhou uma vírgula. Por isso vou corrigir uma asneirola com o que provavelmente vai achar ser mais uma.
        Sabe, quando se cometem erros não se fica quietinho. Sobretudo graves, como este parece ser, de acordo com a sua escala. Corrigem-se ou aprende-se.
        Mas poderia ser mais simpática. Não me lembro de a ter hostilizado. Aqui vai:

        “Eu, se fosse director de um jornal, seria o primeiro a rejeitar o AO90. Afinal é o primeiro a perder uma letra. Que tristeza de gente :)”


  5. Já agora, com ou sem acordo, a primeira frase do corpo da notícia deveria ser “Subiu para cinco o número de secretários de Estado que hoje tomarão posse”.

Trackbacks


  1. […] e colar o ‘co’ ao ‘autor’, suprimindo o hífen, não chega. Falta o resto (ontem, tive o cuidado de indicar as palavras em ortografia portuguesa europeia com uns círculos azuis). […]


  2. […] … e continuam a aplicá-lo: auto-regulação, *autorreguladora, sector, *setor, direcção, *direto, *extração, pára, *abril, *maio ―  enfim, o costume. […]


  3. […] … e continuam a aplicá-lo: auto-regulação, *autorreguladora, sector, *setor, direcção, *direto, *extração, pára, *abril, *maio ―  enfim, o costume. […]


  4. […] Editora, 2003, p. 160) . É também um dos conselhos a dar àqueles que lêem títulos como O Expresso deixou de adoptar o acordo ortográfico… ou  O Jogo e o Expresso abandonam o acordo ortográfico… e por aí se ficam. Não se fiquem […]


  5. […] Será que este título do Expresso constitui mais uma prova de que o prestigiado semanário está a abandonar o chamado acordo ortográfico (AO90), tal como o Francisco tinha anunciado? […]


  6. […] Expresso, como bem sabemos, decidiu seguir o caminho AO90. Quer dizer, nem por isso. Já sabemos que o Expresso, de facto, não adopta o AO90. […]


  7. […] abandonado o Acordo Ortográfico de 1990 (aliás, no que diz respeito a esta prática, o Expresso é useiro e vezeiro), chegou a vez do Jornal de […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.