3 compassos

Maria Helena Loureiro

Lucien Freud
#1 Ao longe, vejo as pombas. Depenicam com afinco uma mancha bordeaux, mesmo ao virar da esquina. Ao pé, verifico que são os restos do que muito provavelmente começou por ser chop suey (galinha? vaca? peixe?). Fecho os olhos e concentro-me em tudo o que há em mim de ‘anal repressiva’. Resulta.

#2 A esplanada do café ao fundo da rua que fica ao fundo da minha rua, habitualmente frequentada, a esta hora, pelas prostitutas minhas vizinhas a despegar ou a pegar está, hoje, cheia de peregrinos. Uns sentados nas mesas, outros deitados no passeio. Mais de metade com cachecóis do Benfica. Finalmente percebo o ano futebolístico.

#3 “… quero ser bem enrabado, quero ser muito bem fodido: sou filho de uma ganda puta e de um pai desconhecido” guincha um grupo de cachopos fardados de estudantes, delirantes de vinho e falta de sono.

Chego à paragem. De repente lembro-me de que é sexta-feira. Mais 8 horas e “escapo-me para a vida”…

Comments


  1. Que narrativa intensa! Fico a querer mais…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.