Viktor Orbán, fascista assumido

Orbán Viktor; VAN ROMPUY, Herman; MERKEL, Angela; DURAO BARROSO, José Manuel

 

Viktor Orbán é uma daquelas pessoas – acho que conta como pessoa, não tenho bem a certeza – que se presidisse a um partido como o Syriza ou o Podemos seria considerado uma ameaça à liberdade e a não sei quantas coisas mais. Felizmente para ele, a opção pela extrema-direita tem-se mostrado uma escolha acertada. Governa a Hungria, agora sem maioria, mas continua em grande forma no que às melhores práticas fascistas diz respeito. E enquanto alguns dos colegas do Partido Popular Europeu (PPE) que podemos ver na foto se dedicam a evitar que o actual governo grego exista, o primeiro-ministro húngaro dedica-se a outras causas como a cruzada pela discussão da reintrodução da pena de morte na União Europeia ou o envio de imigrantes para “campos de internamento”, para serem forçados a trabalhar,

Se isto fosse na Rússia de Putin, bom amigo de Orbán, na Venezuela ou no Irão, soariam alarmes de direitos humanos, neounicórnios cor-de-rosa relinchariam em profunda indignação e o mundo estaria provavelmente perdido. Mas a Hungria do Orbán, que até já foi vice-presidente desse bastião da cultura democrática que é o PPE, não é um desses desvarios esquerdistas que nos levarão à perdição. Afinal de contas, o homem só quer poder eliminar cidadãos “inconvenientes” e criar uma versão moderna dos saudosos campos de trabalhos forçados. Puxão de orelhas e está resolvido. Entre isso e deixar os maluquinhos das reestruturações de dívida à solta, deixem andar o Orbán. Mais fascista menos fascista, este pelo menos já saiu do armário. Será que o jornal do regime também lhe arranja uma história de amor daquelas mesmo fofas e… falsas?

 

Comments


  1. Noutra ocasião vale a pena abordar o sistema prisional e a opção por regime de preso em cela versus preso com actividade laboral.Os 17 mil que temos arrecadados normalmente saem de lá piores. Isso , penso, era diferente nas cadeias salazarentas em que havia trabalhos no exterior.


    • Campos de internamento para trabalhos forçados soa-me um bocado a Sibéria. Ou mesmo Coreia do Norte. Não sou contra que os reclusos trabalhem mas o ponto aqui não é esse. O ponto aqui é a forma como isto seria abordado caso fosse uma medida tomada, por exemplo, pelo governo do Syriza. Ou pela Venezuela. Ou, pior, pela Rússia. É o branqueamento desde animal fascista que vem sendo feito pelos moralistas europeus de direita, um pouco à imagem do que vem acontecendo com os nazis que dirigem actualmente a Ucrânia.


  2. Reblogged this on O Retiro do Sossego.

Trackbacks


  1. […] comuns entre aqueles que já beberam um copito a mais. Talvez isso explique a graçola – que não é mentira nenhuma – de se referir ao seu colega do PPE Victor Orbán como o ditador (“the dictator […]


  2. […] governo húngaro prepara-se para levantar um muro na fronteira com a Sérvia. O fascista Orbán, membro do PPE e amigo de palmada nas costas de Juncker continua a não integrar o lote dos […]


  3. […] a xenofobia e o racismo. Representa também a crueldade e a mentalidade fascista instigada pelo ditador Viktor Órban, o radical de extrema-direita que, por ser do PPE, a mesma família política europeia onde têm […]


  4. […] Viktor Orbán é gente boa e lidera um partido conservador que até faz parte do Partido Popular Europeu, o mesmo […]


  5. […] voltou a colar o PS ao Syriza – para quando um socialista que cole os fascistas húngaros à coligação PàF, esses pelo menos são da mesma família política – e AC recordou o ímpeto além-Troika do governo e trouxe à baila um artigo escrito por PPC no […]


  6. […] o Partido Popular Europeu, que conta com um filiado de peso no que ao extremismo diz respeito. Falo-vos de Viktor Órban, o primeiro-ministro húngaro que ficou célebre pela cruzada pela reintro…. Um extremista cuja postura face à crise dos refugiados tem sido ilustrativa da forma como este […]


  7. […] e do populismo representados no Parlamento Europeu integra precisamente o PPE e é liderado por Viktor Órban, o ditador húngaro que surge na foto num momento de cumplicidade com Manfred Weber e que até já […]


  8. […] destes selvagens temos personalidades do mais elevado gabarito. Viktor Orbán? Um conservador. Pouco importa se defende a reinstituição da pena de morte em toda a Europa, se clama para criaçã… ou se trata refugiados como lixo não-reciclável. Para a comunicação social colaboracionista e […]


  9. […] [do PEC], devem ser usados na sua força máxima“. Weber, que surge na foto em cima com o seu parceiro fascista Viktor Orbán, é o mesmo que em Novembro se juntou ao coro nacional de negação da democracia representativa, […]


  10. […] a fasquia. No mesmo campeonato, ou não fosse a JSD parte integrante do PSD, as camadas jovens do partido que até integra um grupo parlamentar europeu onde se destaca o ditador fascista da Hungr… voltaram a fazer das suas com um cartaz que compara Mário Nogueira a Stalin. Isto é imbecil de […]


  11. […] a extrema-direita avança, triunfante. Não há sanções que incomodem o reinado fascista de Viktor Orbán, cujo partido até integra a mesma família europeia que os nossos PSD e CDS-PP, o que ajuda em […]


  12. […] mesma Turquia que pretende agora reinstituir a pena de morte, cenário incompatível com a adesão mas apreciado por ditadores locais como Viktor Orbán. E enquanto a fronteira leste da Europa se radicaliza de forma aterradora, os donos da União […]


  13. […] Fascista assumido, Viktor Orbán é um apologista da violência e do regresso da pena de morte à Europa que conta com a solidariedade dos seus pares, na Alemanha como em Portugal, que nao poupam nas palavras na hora de atacar a suposta ameaça do radicalismo de esquerda de partidos como o PCP, o BE, o Podemos ou o Syriza, mas que se remetem ao silêncio mais cobarde e ruidoso quando o tema é este fanático que surge agora, convicto, a apoiar a agenda xenófoba e racista de Donald Trump, assumindo-se como o paladino anti-emigração da direita radical europeia. Segundo Orbán, os emigrantes são um “veneno” e “não são necessários”. Haja coragem. Não faltam por cá uns quantos parentes portugueses do PPE que gostavam de poder dizer o mesmo mas que se sentem forçados a manter o fascismo escondido por baixo da pele de social-democrata. Chegará o dia em que sairão do armário. […]


  14. […] duras para o Fidesz, o partido-irmão do PSD que governa a Hungria como mão de ferro, liderado por um fascista assumido, de seu nome Viktor Orbán, que, por ocasião da estreia de Passos Coelho na cimeira de chefes de Estado e governo da UE, […]


  15. […] duras para o Fidesz, o partido-irmão do PSD que governa a Hungria como mão de ferro, liderado por um fascista assumido, de seu nome Viktor Orbán, que, por ocasião da estreia de Passos Coelho na cimeira de chefes de Estado e governo da UE, […]


  16. […] os fascistas do Fidesz. E esses fascistas, daqueles que restringem a liberdade de imprensa e que clamam por campos de concentração e pelo regresso da pena de morte ao espaço europeu, levantando muros e perseguindo refugiados, ignorando os princípios mais elementares sobre os […]


  17. […] urgente que PSD esclareça o país sobre se vai seguir o exemplo do seu parceiro húngaro no PPE na cruzada pelo retrocesso civilizacional. Até ver, é apenas cúmplice deste perigoso ensaio […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.