Carta ao Sr. Menezes – em Gaia há mais uma cratera

Sr. Menezes, chegou mais uma!cimpor

Encarrega-me o remetente postal da missiva em dívida – uma sociedade do Luxemburgo, segundo se sabe – de dar conhecimento a Vossa Excelência da decisão judicial.

Sim, é verdade – Vila Nova de Gaia e os gaienses continuam a pagar a sua gestão municipal descuidada, incompetente e sem respeito pelas normas da lei e do bom senso. Desta vez, são uns míseros 3.63 milhões de euros pelo colocação de um sinal de proibição!

Parece-lhe pouco? Daria para 6849 meses de salário mínimo, ou seja, para 570 anos de salário a um trabalhador ou, até para pagar um funcionário em cada escola do Concelho durante 5 anos!

Espere! O senhor Luís Filipe está a achar pouco porque a condenação inicial passava os 32 milhões, é isso? Pois, mas sabe, na Câmara está alguém que procura gerir com cuidado o dinheiro que é do povo, embora a nova gestão seja obrigada – pelos erros do passado – a recorrer a um mecanismo de saneamento financeiro para tentar ganhar algum futuro.

Se aos  14 milhões da outra carteira, se juntarem estes 3,6 começa a ficar mais clara a qualidade da sua gestão que nos levou até aqui.

Mas, já que estamos numa de abertura, permita-me a pergunta: não acha que este sinal ficou um pedacito caro?

Não lhe parece que seria adequado Vossa Excelência sentar o dito cujo onde é devido, para prestar contas, porque se é verdade que a Democracia o castigou na Invicta, não é menos verdade que as facturas continuam a cair do lado de cá do rio?

Sou quem sabe, até à próxima factura,

A Cimpor a fazer tijolo…

Uma guerra em que o Governo, como se nada tivesse para fazer e nenhuma preocupação , está a travar como se fosse o dono da empresa.

É esta a política deste governo no que às empresas diz respeito, quer mandar, controlar, ter lá os seus homens de mão, uma vergonha, com a CGD pelo meio, uma OPA falhada e grupos privados sem estratégia perante um Estado de que tanto dependem. Isto só vem dar razão a quem, perante a falta de decoro, já propôs ao Presidente da República que as nomeações de boys e girls, sejam controladas por um comissário independente dos partidos.

O governo, de uma vez por todas, deve sair da economia, deve nomear reguladores actuantes e independentes  e deixar que os mercados funcionem. O que se passa nas empresas públicas está a deixar profundas marcas, tanto nas próprias empresas como na sociedade. É tempo de o governo tirar as mãos de onde não lhe cabem competências , onde não tem obtido bons resultados, em que afunda o nosso dinheiro e deixar de brincar aos empresários .

O que se diz por aí

No Afeganistão, a actividade dos talibãs não descansou, e demonstra que o controlo militar do território é um trágico logro que só interessa à indústria do armamento.
Nos “Globos de ouro”, a minha querida Sandra Bullock foi uma das premiadas.
Pelas contas do Eurostat somos o terceiro país da Zona Euro a receber menos á hora. Eles têm é inveja dos nossos salários serem tanto competitivos.
Em outras contas, ficou-se a saber que a Caixa Geral de Depósitos comprou as acções a Manuel Fino mas não os respectivos direitos de voto. Tem acções mas não tem votos na Cimpor. Esta aquisição da Caixa, que pagou pelas acções um preço superior ao do mercado, revela-se a cada dia, um investimento cada vez mais estratégico: ficou sem direito de voto na cimenteira portuguesa que, por acaso, anda a ser bem cobiçada. Quem é fino, quem é?
Enquanto isso Manuel Alegre permanece disponível a recolher apoios. Quando tiver tempo, espera-se que se anuncie como efectivo candidato.
Por fim, uma promissora notícia para os estudantes com uma universidade de Sevilha a reconhecer o direito a copiar nos exames. Depois do “Processo de Bolonha”, talvez o “Processo de Sevilha”.

A OPA à Cimpor

Os accionistas não se entendem, tal como não se entenderam no BCP com as consequências conhecidas. É, pois, natural que se jogue o livre jogo do mercado, como eles gostam tanto de dizer quando lhes interessa e dá dinheiro.

Mas a ladaínha de sempre, logo veio politizar a questão, que é e devia permanecer empresarial, num mercado livre e concorrencial. Vão à Bolsa buscar milhões e ganhar milhões mas deviam aceitar que onde há regras as deviam cumprir. Há ou não gente interessada no preço oferecido pelos empresários brasileiros? Vendem?

Mas não, quando se agita a hipótese da “árvore das patacas” fugir ao controlo, logo se começa a gritar pela necessidade de os centros de decisão económica ficarem nas mãos de portugueses! E como se impede que uma OPA não tenha êxito? Ou por uma “golden” qualquer coisa que o governo tira do baralho ou alguem vai perder dinheiro, porque se não vende por um preço que lhe interessa, alguem o vai compensar mais tarde.

Na OPA da Sonae sobre a PT alguns dos “playeres” eram os mesmos, muito dinheiro dos bancos, especialmente da CGD o que à partida dá uma série de argumentos ao governo, pois há muito dinheiro alinhado, é fácil impedir a OPA por maioria de accionistas que não vendem.

A Cimpor, num país sem indústria, é muito importante, porque é uma empresa de sucesso, a estratégia de gestão de crescimento e de internacionalização tem obtido bons resultados, apesar dos accionistas não se entenderem.

Mas ter accionistas brasileiros impede a boa “performance” da empresa? É um negócio de quatro mil milhões de euros que mais uma vez está nas mãos do governo, apesar das duas empresas interessadas directamente, serem privadas.

Daqui a uns tempos todos vamos conhecer os negócios “finos” que o governo protegeu.

Sócrates e Souselas

Coimbra conheceu José Sócrates como o ministro que ofereceu à Cimpor de Souselas combustível à borla na forma de resíduos tóxicos. O país viu nele um homem rijo, ou como diz a direita, um reformador.

Em Souselas foram pioneiros na admiração, não parando de votar PS depois de terem recebido uma requalificação urbana e os filtros que as chaminés da cimenteira nunca tinham tido.

Em Coimbra, e é toda a cidade que leva décadas de asfixia soprada da Cimpor pelos ventos dominantes, resistiu-se, uma palavra muito cá da terra, anos 60, e desistiu-se serenamente depois, tipo anos 80.

Acabados os recursos jurídicos, recordo a luta contra a co-incineração, e contra uma personagem que ninguém imaginava chegar ao papel de chefe. Construía então como ministro do ambiente a sua rede de cumplicidades no aparelho do PS, e ganha agora, muitos anos depois, a sua primeira grande batalha política. Gentes pouco recomendáveis, negócios misturados com arrogância e propaganda, estava ali o ambiente que nos governa.

Pode vossa excelência pôr a garrafa à espera do dia em que a co-incineração começar a tempo inteiro, a Cimpor respirará de alívio por finalmente ser contemplada com a benesse. Nós é que não.

fotografia denúncia coimbrã