Professora na playboy

Sim, é verdade – o leitor do Aventar está habituado a levar com uns posts que prometem muito e depois…

nicole

Mas, desta vez, o prometido é devido. Já passa da meia-noite e a bolinha vermelha já está ali no canto superior direito do ecrã.

Pronto. Agora que já olhou para lá e verificou que a oração anterior se destinava, mais uma vez, a iludir o leitor, repare caro amigo ou cara amiga que uma docente foi despedida por ter sonhado. Calma! Não foi isso.

Ela sonhou aparecer na Playboy e na sequência dessas imagens, pimba – o Crato lá do sítio, coloca a menina nuns patins (esta sugestão para as próximas imagens da coelhinha fica de borla) e ela está fora do meio académico, sendo que nem todos estão de acordo com a partida. Pois, como eu os entendo… [Read more…]

Manifestação dos professores, Lisboa, 15 de Junho

Clicar numa foto para ver a galeria

Postcards from Romania (27)

Elisabete Figuieredo

Fazer ginástica diante de deus ou, talvez, dançar

A Catedral Ortodoxa de Cluj é o lugar mais pacífico do mundo. Hoje, quero dizer. Amanhã encontrarei outro, seguramente. Nenhum turista, além de mim. Só pessoas que rezam, em silêncio entre os milhares e milhares de frescos, a escuridão, pequenas capelas que parecem grutas, algumas velas. Ouvem-se cânticos, para além do silêncio. Se escutarmos bem, se pusermos todos os sentidos no escutar, tenho a certeza que compreenderemos estas pessoas. [Read more…]

E para rematar (ainda o dia de ontem, aquele onde tudo se estragou numa fotografia)

O Governo. Fodeu-se, e não há outra maneira de escrever isto.

O resto, não sendo o que digo não anda muito longe do que penso: luis m. jorge.

Ide lá ler, também tenho umas teorias conspirativas tipo a bófia fez de propósito, molhados, mas é poesia a mais para uma sexta-feira de primavera.

Nunca Paguei, Bruna!

Como Se Fora Um Conto

Devo pertencer a um grupo minoritário, creio, que nunca pagou para ver/ter uma revista com fotografias de mulheres nuas, que nunca pagou para ver/ter um filme cuja classificação dada fosse «para adultos», que nunca pagou…

Há dias, estava eu a passar um fim de semana maravilhoso no planalto mirandês, quando uma notícia percorreu o País.

Na zona onde me encontrava, Mogadouro, não se falava em outra coisa. Ali perto, numa cidade vizinha, quase toda a população correu aos quiosques a comprar uma revista, esgotando os espécimens disponíveis. [Read more…]

Vou mostrar-te como eu era

Naquilo a que agora se chama “redes sociais” encontra-se a cada passo quem utilize como imagem para o seu perfil uma foto da infância. E já ninguém se espanta quando, ao descobrir um amigo ou conhecido nesses espaços virtuais, se depara não com o quarentão que conhece mas com um rapazito sardento e de franja, com vagas semelhanças com aquele que virá a ser.

Recuperadas para um espaço que não é o seu, surgem sempre um pouco tristonhas, essas imagens dos anos sessenta ou setenta, quando não mais antigas, como se se envergonhassem dos calções tão fora de moda ou das trancinhas ingénuas. Estão como peixe fora de água, acabrunhadas por terem sido arrancadas das gavetas ou dos álbuns que as avós foram guardando, e trazidas para ali, tantas décadas depois, e em representação de alguém que não reconhecem. [Read more…]