Hamas, o Chega da Palestina

A ver se a gente se entende, no meio de tanta parvoíce: o Hamas é uma organização política de extrema-direita, anti-comunista, ultranacionalista, anti-semita, que se opõe à separação de poderes e que se bate pelo primado da religião sobre qualquer forma de laicidade, que rejeita. Já agora, organizações como a Al-qaeda e o Daesh também se encontram no mesmo enquadramento ideológico, ainda que com algumas nuances. Contudo, não diferem no essencial: fundamentalismo religioso, anti-semitismo, anti-comunismo, ultraconservadorismo e totalitarismo.

A esquerda, na Palestina, é representada pela Fatah (social-democrata) e pela Frente Nacional de Libertação da Palestina (marxista-leninista), entre outras pequenas organizações. O Hamas, no fundo, é uma espécie de Chega lá do sítio: o discurso de ódio está lá, o populismo também, fundamentalismo religioso paga contas e o anti-semitismo, tal como anti-comunismo, são pedras basilares das suas fundações ideológicas, como de resto o eram para o nazismo, ao qual o Chega tem vindo a pedir emprestado algumas ideias e slogans, como o habitual “um partido, um líder, um destino”, decalcado do nazi “ein volk, ein Reich, ein fuhrer”. Portanto deixem-nos de merdas, e chamemos os bois pelos nomes, sim?

Fundamentalismo religioso e extrema-direita: a mesma luta

P1

O fundamentalismo religioso não é, nunca foi e dificilmente virá a ser um exclusivo dos muçulmanos. Basta, aliás, um olhar atento sobre o que se passa em países como o Brasil, onde seitas evangélicas cristãs manipulam milhões de fiéis com curandeirismos e fraudes como a teologia da prosperidade, e que do dízimo de milhões de pobres e remediados produzem uns quantos pastores milionários, que ascendem aos céus de helicóptero.

A publicação em cima, da autoria de Manuel Matias, assessor do Chega, é, toda ela, uma ode ao fundamentalismo religioso. Tão óbvia, tão desprovida de racionalidade, ética ou moral, que qualquer explicação sobre a mesma se torna redundante. E não causa surpresa, ou não fosse o evangelismo radical um dos pilares que sustenta a ascensão do partido de extrema-direita, quer pela via do financiamento, quer pelo arrebanhamento das mentes frágeis que se submetem ao jihadismo evangélico. [Read more…]