Aventar à bruta

“A melhor maneira de prever o futuro é criá-lo.” – Peter Druker

Inicio com uma citação, porque acho que no futuro uma empresa chinesa irá registar os direitos de autor de todas as citações. Isso fará com que eu tenha de pagar uma pequena contribuição sempre que as escrever. Vou aproveitar agora, que ainda decorrem as negociações. Já recebi duas contas da Warner para pagar, por ter cantado o “Parabéns a você” este ano. Falei com um advogado para ver se não pagava nada, porque eu não sabia que a canção tinha direitos de autor, mas ele disse-me logo: 250 euros! Depois disse-me então que era uma questão complexa e ainda estava a ler todos os apêndices num site que encontrou.
Passando à frente. Como os Monty Python vão juntar-se, de novo, aproveitei e revi o “Brazil” do Terry Gilliam. É curioso perceber que uma utopia imaginada em 1985 seja uma realidade hoje em dia! Eu sempre achei que os Monty Python tinham “ligações superiores”. Até para prever o futuro.
Portanto, aventando à bruta para a frente. Para o Futuro, que é onde todos nós iremos viver.
Sem especificar datas certas, mas certamente acontecimentos para “breve”.
Cientistas neo-zelandeses inventam a primeira batata totalmente sintética. É feita do ADN decomposto do feijão. Técnicos da Sony desenvolvem a “nova” cassete “Beta”. Cientistas americanos, chineses, russos e alemães mostram, com recurso a estudos em Powerpoint, que afinal o Planeta está bem de saúde e não há razões para preocupações alarmistas. A indústria automóvel revoluciona os meios de transportes ao lançar um veículo com 2 entradas USB e suporte para 2 (dois!) I-Phones. Está em preparação o carro que não consome energia. O Estado pretende criar o ISM, Imposto sobre o Movimento.
A Inglaterra invoca o recentemente aprovado “Tratado de Lisboa” e abandona a UE, com o pretexto de não estar “ligada” fisicamente à Europa. Os Estados Unidos aprovam. Portugal também. O EU invadem o Tadjiquistão involuntariamente. Portugal envia involuntariamente 2 GNRs para o Uzbequistão. A China compra a Coreia do Norte. África torna-se o continente mais rico do mundo. O FMI e o Banco Mundial decidem intervir para não desestabilizar o plano financeiro internacional.
Depois da “crise” ter sido dada como terminada numa reunião do G2, os créditos para compra de habitação estarão com as melhores condições de sempre e será possível comprar uma casa T0-1 em “apenas” 120 anos (casa-de-banho não incluída). No plano dos créditos, uma subsidiária da “Corporación Dermoestética” lança um crédito especificamente para operações estéticas que consistem em ficar cirurgicamente igual ao Cristiano Ronaldo. As Farmácias Portuguesas oferecem uma operação “Cristiano Ronaldo” ao primeiro utente a acumular 1.000.000 de pontos em medicamentos genéricos. O sexo já não é um tabu e é legalmente permitido na Assembleia da República. O Bloco de Esquerda aplaude. O CDS insurge-se e abandona o Parlamento.
A Quimonda é reconvertida num pólo de robótica e patrocina a abertura na Maia, do primeiro Zoo totalmente robotizado. Funcionários, plantas e animais, tudo é robotizado, sinal do grande poder de inovação e avanço tecnológico do Estado e da Câmara da Maia. Ecologistas protestam em cartaz: “Pandas robóticos não se reproduzem”. Vanessa Fernandes tiro o curso de Genética Quântica Avançada pelas Novas Oportunidades. Pela terceira vez.
É criado o ISTOI, Imposto Sobre Todos os Impostos. O governo aplaude, a oposição critica e o povo protesta. É criada a lei 37.852/2019 de 3 de Fevereiro que institui e determina, definitiva e legalmente, o termo “ponto percentual”. O FC Porto festejará finalmente o Hepta, numa altura em que se pondera a criação do “Sporting, Lisboa e Benfica”, para “moralizar o futebol português”.
Um jornalista independente descobre que o caso Casa Pia ainda não terminou. Mantêm-se recursos em tribunal. É lançado o 17.º livro sobre o caso. O caso Freeport ainda se encontra em Segredo de Justiça, e para já o único interveniente julgado e levado a tribunal, é o de um empregado de pastelaria que trabalha em frente ao Ministério Público que sentiu uma “pressão” e não disse nada a ninguém! Foi condenado a 2 meses de pena suspensa. Apresentou recurso.
O actual PM, Francisco Louçã demite-se porque, e cito: “Eu nem a brincar pensei que pudesse ser eleito. O que é que faço agora?”. Manuela Ferreira Leite, presidente da recém nacionalizada Sonae, SGPS responde: “O imobilismo é uma arma poderosa”. É movida mais uma acção em tribunal contra José Sócrates (ex-Ministro do Ambiente, ex-Primeiro Ministro, ex-Engenheiro) que se encontra em paradeiro desconhecido, apesar de ter sido recentemente nomeado para administrador geral da EAEP – Empresa de Água e Energias de Portugal (ex-Galp, EDP e Águas de Portugal), cargo deixado vago pela saída de Dias Loureiro para a presidência da UE.
O processo (conhecido como a disputa sobre a etimologia do “decesso do esparadrapo“) foi movido pela apresentadora do Jornal de Sexta da TVI, Fernanda Câncio.
E eu? Provavelmente, ainda andarei a tentar safar-me disto tudo…

Comments


  1. Desde “A vida de Brian” que os Monty Phyton têm uma ligação especial. É sabido. Também posso fazer futurologia, posso? Ena, aqui vai: Hugo Chavez, no seu 10º mandato, de fato de treino e numa cama, escreve um artigo para o Gramna utilizando o Sacadura Cabral, versão 3.0; o Brasil já fez o 10º empréstimo ao FMI e controla toda a América do Sul graças à Igreja Universal do reino de Deus; Paulo Portas é eleito presidente honorário do PSD / CDS.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.