Campanha negra.Origem FMI !

Mais uma campanha negra. O FMI vem dizer que o crescimento prevísivel do PIB é -4,1 (é verdade, onde chega o desplante, negativo!) contra os extraordinários 0,8 (sim, sim, positivos) propostos pelo governo no orçamento e em que ninguém acreditava, numa outra campanha negra sem rosto. Não contente com tal despautério o FMI (puf, onde está a credibilidade?) afirma que o desemprego vai chegar aos 9.6% e que este número vai perdurar até 2010, contra os muito mais sensatos 8.1% propostos no orçamento. Mas afinal as medidas não estão a chegar às empresas e às famílias? Quem dizia (outra campanha negra) que os bancos iam em primeiro lugar lamber as feridas e depois apertar ainda mais o crédito, anda para aí a mexer os cordelinhos? E o emprego que está, em 70%, confinado às PMEs, não recebe apoios ? Afinal as obras de proximidade é que dão emprego? As grandes obras não contam? E o déficit volta a 6.8? E a dívida externa sobe para quanto? Estes senhores há 6 meses andavam a dizer-nos que não havia crise e a haver nós estávamos muito bem preparados para a enfrentar! Não se arranja para aí um milagre ?

Comments

  1. maria monteiro says:

    E assim vai a crise! Mais um ensaio sobre a riqueza de alguns …. Vaticano quer construir a maior central solar da EuropaO Estado da Cidade do Vaticano quer construir a maior central solar da Europa, que ficará localizada nos arredores de Santa Maria di Galeria, onde se situam as torres e antenas de transmissão da Rádio Vaticano. O presidente da Comissão Pontifícia para o Estado da Cidade do Vaticano, Cardeal Giovanni Lajolo, afirmou à Rádio Vaticano que chegou o momento de agir, porque “se tem de aproveitar a crise para tentar desenvolver essa fonte de energia renovável que, a longo prazo, trará recompensas incomparáveis”. Muitos países europeus descartam a possibilidade de investir em energia solar, argumentando que a crise não permitiria arcar com o seu custo. O orçamento inicial da obra é de 500 milhões de euros. Foi explicado que, uma vez completada, a central geraria 100 megawats e poderia fornecer electricidade a 40 mil lares, pelo que o Vaticano poderia exportar energia. Em 2008, a implantação de painéis solares sobre a sala Paulo VI permitiu ao Estado do Vaticano obter de forma limpa uma percentagem considerável da energia gasta – num gesto classificado pela Santa Sé como um sinal concreto do seu “compromisso ecológico”. Outro sinal é o facto de o próprio Estado da Cidade do Vaticano ter sido o primeiro a chegar ao objectivo de “emissões zero” de carbono, com a criação, em 2007, de uma zona florestal em território húngaro.Internacional | Octávio Carmo| 20/04/2009 | 15:31 | 1350 Caracteres | 271 | Santa Sé

  2. Luis Moreira says:

    Cara Maria Monteiro, a crise pode ser um manancial de oportunidades em inovação e tecnologia, para não falar em mudança de estilo de vida.Mas não há mudança nenhuma se o investimento for dirigido para o TGV, autoestradas…

  3. maria monteiro says:

    Em tempo de crise eu imaginava mais um agir cristão onde o Vaticano mudasse o seu estilo de vida para valores menos solares …. para isso seria mesmo pedir um milagre

  4. rosarinho says:

    Eu cá, acho que ninguém está ver bem a verdadeira cor da Campanha. A cor que eu tenho andado a ver, é aquilo a que nós, portugueses, costumamos chamar: “Cor de Burro Quando Foge…”

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.