Amor

cavalo
Se eu pudesse definir o amor, definia-o como esta canção. Os meus ouvidos viram flores e os meus lábios tremem. O som embala-me e deixo-me ir. Sinto felicidade no olhar e o céu parece convidar-me para uma ceia de reis. O som embala-me e eu vejo-me só e nu em cima de um belo cavalo lusitano correndo com ele nas praias matinais desertas e com as crinas a rasgar a espuma das águas do MAR ainda adormecidas na madrugada…O cavalo é castanho escuro, forte e obedece-me, e eu vou saltando e correndo com o meu corpo e sexo nus sobre o seu dorso protector…Não tenho medo e a autora rasga o dia com laivos e alvos de prazer…O vento doce e quente bate-me nas sobrancelhas e abro a boca para comer o ar e o seu doce oxigénio vital…O cavalo corre e eu protejo-me da água fria que rivaliza com o ar quente que nos desperta para o dia glorioso e imbatível…Eu, nu, e o cavalo indiferente corre , corre cavalga… sempre em frente, comigo sobre ele, eu nu e com o meu sexo encostado ao seu pelo e dorso protector…agacho-me, agarro-me e seguro-me a ele, e corremos ainda mais veloz como barcos contra a corrente…a manhã pura da praia, infernalmente pura e intocável começou…! O cabo do TORRÃO DO LAMEIRO abre-se em todo o seu esplendor ao céu, ao homem, à natureza…A frescura e o ar húmido da manhã embalam o cavalo e a mim..de repente mudámos de rumo e subimos, subimos, oh voámos….mudámos de direcção e subimos para o céu..perdendo-nos no horizonte sem fim…ouvindo por todo o Cosmo «NO ORDINARY LOVE»..O Outono chegou!

Comments

  1. dalby-o-calmo says:

    Oh Nandito da Maia, não gostaste do Video filho??..eu tenho um bom artigo musical para tu, o R’ e o ZeFrei manjarem!! Brevemente!!!dalby