POEMAS DO SER E NÃO SER

Um dia me darei conta

Um dia me darei conta
do teu corpo infindável.
Um dia, sorridente,
me sentirei infinito, nunca esgotado
o desejo que nos abraça
e nos atormenta
à distância dos sentidos sempre fugazes
sempre perdidos no corpo finito.
Um dia me darei conta
do tempo que não se perde para lá das formas
do tempo em que não murcham os rebentos
cálidos da minha carne
e o sangue não perde o fulgor
das cores abertas ao sol.
Um dia me darei conta
e nesse dia gostaria de partir.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.