ETICA E EDUCAÇÃO (2)

 ÉTICA E EDUCAÇÂO (2)

PRIMEIRA PARTE

Preâmbulo eventualmente útil como ponto de partida

 Num artigo escrito por mim há pouco tempo, eu dizia que quando se deu o hipotético Big-Bang em razão do pequeno desequilíbrio entre a matéria e a antimatéria, o Universo entrou em expansão e, com ele, esta risível partícula de poeira chamada Homem. No confronto entre a resistência da condição humana como força antropocêntrica e o movimento de fuga para fora dessa condição, tendente a dilatar o Homem no infinito, reside, a meu ver, a interface onde a verdadeira vida se processa. Uma luta racional e científica projecta-o para fora da sua estreiteza humana, mas também o prende ao amadurecimento da consciência social ajudando-o a combater a sua perversão.

O Homem não é o centro de nada, quer queiramos quer não, mas detém a força do equilíbrio ou do desequilíbrio da humanidade. O homem tem um enorme potencial de conhecimento acumulado, o qual, no contexto da revolução técnico-científica pode aprofundar o desequilíbrio entre os homens e constituir uma ameaça à soberania da dignidade, elemento nuclear da vida.

O homem é um animal, e o animal é um organismo complexo. O Homem é um ser vivo com actividade própria em permanente interacção adaptativa com o meio. Possui uma força intelectiva e emocional, que o torna capaz de entender as realidades e transformá-las, transformando-se dentro da sua sensibilidade intrínseca. Assim como o seu fenótipo resulta de uma interacção e de um diálogo permanente entre o genótipo e o meio ambiente, ele, ontologicamente parte integrante do Universo, não pode fugir à relação com o infinito.

O organismo humano é uma unidade constituida por sub-unidades, também elas muito complexas e em interacção permanente. Mas o Homem não é um simples quantitativo nem uma soma, antes se constitui por um crescendo de saltos qualitativos que nos levam a reconhecer que o todo é sempre muito maior do que as partes, tanto no que às relações humanas se refere, como à dimensão da sua relação universal. No meio destes dois poderosos vectores da sua natureza, vamos tratar o Homem na dimensão mais terrena, considerando que a dimensão universal é tema para palestras com outros objectivos. É nesta dimensão que reside a problemática da nossa conversa sobre ética e educação, sustentada na convicção de que a sociedade humana, muito mais do que um conjunto de homens, é uma profunda rede de relações.

                 ( manel cruz)

( manel cruz)

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.