Santarém, Capital do Gótico (Fim)

(primeira parte e explicação do «bodo aos pobres» aqui)

Património moderno: Do manuelino ao barroco

A chegada do manuelino decorreu em Santarém com naturalidade. Para além da própria evolução artística, o grande terramoto de 1531 contribuiu largamente para essa situação, ao levar à ruína muitos dos monumentos da cidade. Mais tarde, viria o barroco, sobretudo nas decorações exteriores, e o caminho para o romantismo, já na fase seguinte.
A igreja de Santa Maria de Marvila está classificada como monumento nacional em 27 de Agosto de 1917. Encontra-se no largo de Marvila, no local onde existiu o bairro da antiga medina islâmica. Chamou-se inicialmente Santa Maria de Santarém, o que prova que a sua fundação foi anterior às restantes igrejas da cidade. Aliás, deve ter havido uma transformação directa de templo muçulmano em templo cristão.
Segundo Jorge Custódio, o seu nome deriva do topónimo árabe marvila, território onde existiram outrora algumas mesquitas muçulmanas. Quanto à tradição, diz que a igreja deve o seu nome a uma imagem de Nossa Senhora das Maravilhas oferecida por S. Bernardo ao templo primitivo, corria então o século XII. Outra lenda diz que um touro de fogo, no ar, profetizou que D. Afonso Henriques iria conquistar Santarém. Um sucesso fabuloso, uma maravilha. Diz a tradição que, de maravilha, resultaria o topónimo Marvila.
Os cronistas atribuem a fundação da igreja a D. Afonso Henriques. Em 1244, a igreja passou a integrar uma colegiada com o seu nome, muito beneficiada com rendimentos e privilégios por parte de D. Aires Vasques, bispo de Lisboa. Data dessa época a construção da igreja, em estilo gótico, que apagou todos os vestígios do edifício anterior.
Dessa reconstrução, pouco resta hoje em dia. A igreja foi totalmente reformada nos inícios do século XVI ao longo de dois reinados, o de D. Manuel I e o de D. João III, contando para tal com o patrocínio de D. Francisco de Almeida, vice-rei da Índia, que deixou em testamento mil cruzados. As obras ficariam concluídas cerca de 1530. É deste período o portal manuelino, com elementos naturalistas, os alçados laterais com janelas de arco quebrado ou os arcos de acesso ao coro e à capela baptismal. De resto, os elementos habituais nos monumentos manuelinos abundam: emblemas de D. Manuel I, cruz da ordem de Cristo, esferas armilares, escudo das cinco quinas. No século seguinte, viria a receber o revestimento azulejar dos muros parietais.
De resto, sabe-se muito pouco sobre aquele que projectou e dirigiu a reconstrução manuelina do templo. A ligação a Lisboa ou à «vulgarização e popularização dos modelos eruditos da Batalha» (Pedro Dias) pode ser encarada como muito provável, dada a proximidade geográfica desses dois centros da arte e cultura portuguesa do século XVI.
A partir daqui, a igreja de Santa Maria de Marvila tornou-se o centro espiritual da cidade de Santarém. Para além da localização, junto a uma Praça Nova que recebeu muitas atenções durante a época manuelina, a capacidade económica da sua colegiada e a forte ligação ao padroado real justificaram que assim tivesse acontecido.
Templo de planta longitudinal, composta pelo corpo das naves rectangular e por cabeceira tripartida escalonada, a que se adossam dois corpos rectangulares. A fachada principal é em empena, com dois pisos vazados por portal de arquivoltas trilobadas. Sobre o arco cruzeiro, dois óculos de diâmetro diferente. O portal, também nitidamente manuelino, é ladeado de pilares escalonados. Alguns pormenores zoomórficos da decoração do portal estão relacionados com o processo expansionista então em curso, caso de um pequeno leão presente no lado esquerdo e outros animais e grifos. Contígua à nave lateral esquerda, uma torre sineira que no século XIX substituiu a antiga torre medieval.
Quanto ao interior, é composto por três naves de cinco tramos, sendo que a nave central é mais elevada do que as outras. Dividem as naves arcos plenos clássicos, assentes sobre doze grossas colunas com capitéis jónicos. Todas são cobertas por tecto de madeira de três planos. As capelas, que se ligam às naves por arcos triunfais, são cobertas com abóbadas de cruzaria polinervadas. Tanto na capela-mor como nas capelas laterais, as imagens da época manuelina aparecem com alguma frequência. Na capela-mor, de abóbada polinervada, com o símbolo manuelino como fecho das nervuras, merece destaque retábulo em talha branca e dourada, de estilo nacional. Sobre o sacrário, uma imagem de Cristo crucificado, indo-portuguesa, em marfim, com cruz revestida a tartaruga. O púlpito, em mármore, é de forma quadrada, com colunas compósitas formando as guardas. Na sacristia, o tecto está decorado com ornatos a azul e a vermelho, datados de 1690, e um silhar de azulejos seiscentistas. Na capela-mor, encontra-se uma tela de Fuschini, pintor da Ajuda, alusiva à Assunção da Virgem. Esta pintura substitui o retábulo maneirista que se perdeu durante as Invasões Francesas.
Para além da estrutura e decoração quinhentistas, a igreja conserva um valioso património azulejar seiscentista, executado em 1617, 1620, 1635 e 1639 em enxaquetado azul e branco e em composições de tapete azul e amarelo. O epíteto de «catedral do azulejo» justifica-se bem pelos 1200 metros quadrados de área coberta por azulejos, correspondentes ao espantoso número de 65 mil placas cerâmicas. É na parte superior das paredes da nave que é empregue o maior padrão azulejar – 12 x 12 metros, conhecido pelo nome de padrão rico de Marvila.
A igreja conta ainda com imaginária diversa, entre as quais se destacam quadros de devoção mariana, duas pias de água benta, lajes tumulares com inscrições e ainda mobiliário e paramentos vários. Em termos tumulares, uma palavra para a diversidade de estratos sociais aqui sepultados, que vão de elementos de cavaleiros a licenciados, a homens do e até a uma escrava negra.
No fundo, um dos principais monumentos da cidade, do concelho e do país, no qual Jorge Custódio, no tamanho, nos assentos corridos, no tipo de colunas e seus capitéis, encontra algumas semelhanças com a sinagoga de Amsterdão.
A igreja do Hospital de Jesus Cristo, ou de Nossa Senhora de Jesus do convento do Sítio, encontra-se no largo Cândido dos Reis. É monumento nacional desde 8 de Fevereiro de 1923. Pertenceu inicialmente à ordem franciscana e foi construído no local onde, anteriormente, existira a ermida de Santa Maria Madalena e o paço dos arcebispos de Lisboa.
O arcebispo D. Miguel de Castro doou os paços entre 1582 e 1605 à ordem Terceira de S. Francisco, que anteriormente estava instalada em Vale de Mourol. A construção terá decorrido entre 1615 e cerca de 1730. Pelo meio, um conjunto de obras aos solavancos – primeiro a área conventual, depois a capela-mor e o transepto da igreja e só nos anos 30 do século XVIII o corpo da igreja e o coro. Apesar de prolongado no tempo, o traço primitivo do arquitecto responsável foi respeitado. Depois da extinção das ordens religiosas, em 1834, instalou-se aqui o hospício João Afonso, razão pela qual passou a ser conhecida pelo nome de igreja do Hospital.
É um dos melhores exemplos da arquitectura portuguesa chã, inspirada no figurino maneirista filipino. Fachada maneirista, de modelo semelhante à igreja de S. Vicente de Fora, está dividida em três registos, que se desenvolvem de forma simétrica, e tem duas torres laterais inscritas. No plano central, o pórtico, que revela a simbologia dos franciscanos. Em alguns pormenores desta frontaria, o barroco já se vai fazendo anunciar de forma tímida.
Templo de planta em cruz latina, com uma única nave, transepto e capela-mor rectangular, tão pronunciada como a própria nave. Todo o edifício é coberto de abóbada de berço. No cruzeiro do transepto, curto, assenta uma cúpula. De cada lado da nave, quatro capelas que c
om
unicam entre si. O coro evidencia-se pela pintura do tecto, de 1723, que teve como autor António Simões Ribeiro, discípulo de Baccarelli.
Destaque-se ainda o imponente retábulo da capela-mor. Lavrado em pedra, pertenceu à antiga capela de D. Gil Eanes da Costa. Ao centro, a tela de S. Nicolau de Tolentino, pintada por Diogo Teixeira. Num altar lateral, quatro tábuas maneiristas dos finais do século XVI, vindas do convento de Santa Clara, representando A Apresentação da Virgem Maria no Templo, a Visitação, a Adoração dos Pastores e Cristo Deposto da Cruz.
O edifício conventual, com o seu claustro contemporâneo, foi ampliado em meados do século XIX para albergar o hospital de Jesus Cristo. Anexa à igreja, a capela barroca da ordem Terceira de S. Francisco, totalmente revestida de talha dourada. São catorze as telas alusivas aos irmãos terceiros. Cenas relativas aos franciscanos podem ainda ser vistas no silhar de azulejos azuis e brancos fabricado pelo ceramista Manuel de Oliveira.
A igreja de S. Nicolau, situada no largo Ramiro Nobre, freguesia de S. Nicolau, é monumento nacional desde 7 de Janeiro de 1947. Para além do próprio edifício, há no seu interior outros elementos classificados: os túmulos de Fernão Rodrigues Redondo e de João Afonso são monumentos nacionais desde 16 de Junho de 1910, assim classificados como forma de impedir a sua transferência para Lisboa; o oratório na fachada testeira é valor concelhio desde 12 de Setembro de 1978.
Terá existido um primeiro templo, pré-gótico, e depois um gótico. Sabe-se da sua existência pelo menos a partir de 1261, data em que pregadores e menores dos conventos de Santarém já o visitavam. Destruído parcialmente por um incêndio no ano de 1600, a reconstrução, iniciada em 1613, foi feita sob a direcção de Baltazar Álvares e radicou na transformação do anterior edifício. Foi neste século que se construiu o oratório colocado na fachada nascente – uma caixa envidraçada, sobrepujando uma janela gradeada assente sobre mísulas.
Igreja de planta longitudinal, cuja fachada principal é de cinco panos, separados por pilastras. No pano central, rasga-se uma porta encimada por frontão quebrado, no qual se inseriu um nicho para ali ser colocada a imagem de S. Nicolau, e por um óculo medieval. Um frontão barroco remata a fachada. A torre sineira é encimada por pináculos.
O interior é composto por três naves de cinco tramos, separadas por quatro arcos de volta perfeita sobre colunas toscanas. Cobertura de tecto em madeira de caixotão de três panos. Cabeceira com capela-mor abobadada. De cada lado, foram abertas oito capelas , posteriores à fase maneirista do templo. A pintura de brutescos nas colunas e a decoração de azulejos dos lambris, de padrão pouco vulgar em Santarém, pertence à campanha maneirista das obras, enquanto que o revestimento das paredes de estuque marmoreado e pintado, também pouco comum, pertence aos trabalhos do século XIX.
Na primeira capela lateral do lado sul, está sepultado João Afonso de Santarém, uma das mais importantes figuras do século XVI. Foi conselheiro de D. João I e fundador do Hospital de Jesus Cristo, que dotou com uma importante verba da sua herança. Também por testamento, instituiu uma capela para igreja para ali ser sepultado. Um túmulo manuelino, posterior portanto à morte dos tumulados. Está classificado como monumento nacional.
É constituído por arca rectangular com tampa piramidal e face decorada. Na face da arca, ao centro, o escudo é ladeado por cartelas e tem caracteres góticos inscritos. Imediatamente acima do arco, desenvolve-se um Calvário de excelente qualidade artística – Cristo crucificado, ladeado pela Virgem Maria e por S. João. O conjunto escultórico é ladeado por botaréus, delimitados por colunelos torsos. Tanto o túmulo como as imagens revelam uma policromia acentuada. Aliás, neste túmulo alia-se um requinte técnico notável a uma grande diversidade cromática.
Anexa a esta igreja, está a capela de S. Pedro, que em tempos foi ermida independente. Aqui estão sepultados Fernão Rodrigues Redondo e Marinha Afonso. Natural do norte do país, Fernão Redondo foi meirinho-mor na corte de D. Dinis. Possuía paço em Santarém, onde morreu cerca de 1324. O seu túmulo é constituído por arca rectangular armoriada, datada da primeira metade do século XIV, tampa com estátua jacente e seis leões de suporte. O homenageado encosta a cabeça numa almofada e surge vestido com trajes de corte – uma longa túnica e manto e sapatos com esporas. Nas mãos, a espada. Aos pés, dois cães com a cabeça partida.
O oratório, como se disse antes, tem uma classificação independente. Trata-se de um nicho aberto na parede de uma ampliação da igreja. É uma construção barroca do século XVIII, em cuja parte de cima se encontra um cruzeiro manuelino que terá vindo de outro local. Está decorado com volutas, florões, dois pináculos e fogaréus. Toda a estrutura assenta em duas mísulas.
Em Salvador, na praça do marquês de Sá da Bandeira, temos um outro monumento nacional, a igreja do Seminário de Santarém, ou igreja de Nossa Senhora da Conceição do Colégio dos Jesuítas. Classificado como monumento nacional a 14 de Março de 1917, ergue-se no mesmo local onde antes existiram os antigos paços reais de Santarém. Tudo começou em 1609, quando D. Duarte da Costa, armeiro-mor do reino e padre jesuíta do Colégio de Santo Antão, em Lisboa, se ofereceu para financiar o novo colégio dos Jesuítas em Santarém. O início da construção teria lugar cerca de 1620 sob projecto de Mateus do Couto (tio), arquitecto que aparece ligado a outras obras da cidade. Entretanto, os jesuítas tinham-se instalado sucessivamente na ermida de Santo Antão e na de S. Sebastião. A doação dos velhos paços reais para a fundação do colégio data de 14 de Julho de 1647, enquanto que a instalação dos jesuítas no local ocorreu quatro anos depois, em 6 de Março de 1651.
O projecto de Mateus do Couto viria a ser alterado em 1673, de forma a que o edifício se assemelhasse ao colégio jesuítico de Coimbra, menos austero. A construção da igreja, por sua vez, só terminou em 1711, embora as obras no interior tenham continuado depois daquela data. Em 1759, com a expulsão dos jesuítas do reino, o colégio deixou de ter a serventia inicial e passou a ser, a partir de 1780, a igreja do Seminário Patriarcal, instituição que conheceu o seu período áureo até 1834. Em 1975, o templo foi elevado à categoria de Sé Catedral e Paço Episcopal da diocese de Santarém.
Este edifício integra-se, pela originalidade das suas linhas, no chamado estilo «chão», que dominou a arquitectura portuguesa no século XVII. A sua fachada maneirista é imponente. Assume um aspecto claramente cenográfico, do qual resulta um prospecto sóbrio mas ao mesmo tempo elaborado, tradicionalista mas ao mesmo tempo arrojado. O corpo principal é ladeado por dois corpos simétricos, que formam o conjunto do Seminário.
Com uma largura de mais de vinte e sete metros, a frontaria é composta por quatro andares de cinco corpos segmentados verticalmente por pilastras. Dos três portais que se rasgam no corpo inferior, o central, o maior de todos, é de colunas e empena rusticadas. Acima do andar térreo, abrem-se nos corpos extremos dois nichos com as imagens de Santo Inácio de Loyola e S. Francisco Xavier. No terceiro andar, mais duas imagens, desta vez as de S. Francisco de Borja e S. Luís Gonzaga.
O interior tem um certo sabor a barroco que, de certo modo, contrasta com o da fachada. Onde esse sabor mais se acentua é na qualidade do equipamento ornamental dos altares, com os seus retábulos em mármore ou talha dourada; nas suas colunas torcidas; na pintura cenográfica do tecto do corpo da igreja e nas esculturas sacras de grande qualidade.
É um templo de planta longitudinal, com nave e capela-mor justapostas. Nave única, muito ampla, com mais de quarenta metros de comprimento e quatro capelas de cada lado, O tecto pe

rspectivado que já se referiu, em falsa abóbada de madeira pintada, foi obra de pintores escalabitanos. A capela-mor é abobadada de tijolo com embutidos de florões lisos nas paredes, enquanto que o seu tecto apresenta uma pintura da autoria de Luís Gonçalves de Sena representando Nossa Senhora da Glória. O retábulo-mor foi executado por entalhadores lisboetas a partir de um projecto de Carlos Garvo.
De entre as várias capelas laterais, uma merece destaque, a de Nossa Senhora da Boa Morte. Obra do arquitecto António de Pádua, da escola de Mafra, é em grande parte construída em mármore de Carrara rosado e preto. Atrás, um retábulo também de mármore apresenta as pinturas de Nossa Senhora na cidade de Jerusalém e a sua Assunção ao Céu.
A nível da pintura, merece destaque um impressionante conjunto de pinturas da primeira metade do século XVIII. Os temas abarcados vão da Imaculada Conceição entre a glória dos anjos a alegorias diversas, cenas bíblicas do Antigo Testamento ou à representação iconográfica de quatro pilares dos Jesuítas. No dizer de Vítor Serrão e Jorge Custódio, «estas pinturas colocam-nos perante um testemunho impressionante da pintura de perspectivas arquitectónicas fingidas do barroco português do século XVII».
Quanto ao edifício do Seminário, dispunha no século XIX de cerca de duzentos quartos, um amplo refeitório, livraria e outras dependências. O seu espólio de pintura (destaque para «Pentecostes», de Diogo Teixeira), escultura, azulejaria e documentação é extremamente valioso.
Incorporados no edifício do Seminário estão os vestígios dos paços medievais, junto à desaparecida muralha e porta de Leiria do castelo. Foram classificados como imóvel de interesse público na mesma data da igreja do Seminário. Subsistem restos dos paços de três épocas diferentes: do período medieval (segunda metade do século XIII), vestígios das portas do Castelo, da Traição e do Paço, a torre dos Presos a antiga carpintaria e celeiro; do período anterior ao século XVII, algumas áreas interiores térreas, vestígios do antigo claustro, do pátio interior com cisterna e de outros elementos arquitectónicos reaproveitados; do período seiscentista, o mui decorado corredor nobre, de onde se rasgaram os quartos de aposentadoria, a escadaria monumental de acesso a essa ala, o refeitório azulejado e os vestígios da antiga cozinha.
«Hoje, o viajante contenta-se com vistas de conjunto, não sente vocação para particularizações. Porém, vai ficar sem tempo na igreja do Seminário Patriarcal, onde entrou por uma porta lateral furtiva, sem que ninguém desse fé. Esta igreja reúne exemplarmente todos os elementos do gosto jesuíta: teatralidade, luxo decorativo, riqueza de materiais, aparato cenográfico. Aqui a religião é uma ópera ao divino, lugar para o sermão de grande instrumental, aula prática de seminário. O viajante olha o magnífico tecto, pintado a fresco e de imponentes dimensões, como se o céu tivesse coberto de arquitectura fingidas e festões de flores, para receber a visita da Imaculada Conceição e da corte dos anjos. O efeito é magnífico, os pintores jesuítas sabiam o que queriam e sabiam executá-los bem. Talhas, mármores alvíssimos de Carrara, mármores embutidos revestem as capelas de cima a baixo.»
A igreja da Misericórdia, na rua 1.º de Dezembro, freguesia de S. Nicolau, é monumento nacional desde 1922. O projecto da sua construção data de 1559 e foi seu autor Miguel de Arruda, arquitecto que por essa época devia estar a terminar o seu trabalho no mosteiro da Batalha. As obras arrastaram-se com lentidão e prolongaram-se por muito tempo. Cinquenta anos depois, ainda a fachada estava a ser concluída.
A Santa Casa da Misericórdia de Santarém fora instituída por alvará de 1503 e por iniciativa de frei Martinho de Santarém. Recebeu os mesmos privilégios da Misericórdia de Lisboa e teve como primeira sede o próprio hospital de Jesus Cristo, que até aí administrava todas as instituições hospitalares da vila.
Quanto ao seu templo, construído no ambiente da Contra-Reforma, é uma igreja em estilo renascentista tardio, no dealbar do maneirismo santareno. Conjuga de forma perfeita elementos clássicos com elementos medievais. Estão entre os primeiros as colunas toscanas e os barretes acima dos capitéis e entre os segundos as nervuras das abóbadas e os bocetes de fecho.
É um templo com planta tipo igreja-salão, cuja fachada exibe uma aparatosa decoração barroca. Já não é a frontaria de origem, visto que a anterior foi destruída pelo terramoto de 1755. Seccionada horizontal e verticalmente, tem no centro o pórtico principal, em cujo lintel aparece o primeiro símbolo heráldico da Santa Casa de Santarém. No piso de cima, três janelões de estilo pombalino.
No interior, três naves de quatro tramos à mesma altura e com presbitério sobrelevado em relação à nave. A cobertura das naves, de abóbadas de nervuras cruzadas, é sustentada por dez colunas toscanas decoradas com ornatos brutescos, que emprestam monumentalidade a todo o conjunto. Na capela-mor, o retábulo, oitocentista, integra uma pintura maneirista de Simão Rodrigues, anterior em dois séculos, representando a Nossa Senhora da Piedade. Na Sala do Consistório, destaque para um silhar de azulejos neoclássicos cuja policromia se limita ao verde azeitona, ao roxo manganés e ao azul. Aqui está sepultado Nuno Velho Pereira, figura dos Descobrimentos portugueses e benemérito da Misericórdia.
A sacristia merece destaque por várias razões: pela talha dourada que apresenta; pelos baixos-relevos em madeira que representam a Anunciação e a Adoração dos Pastores; pelo lavabo «rocaille» e pela pintura do tecto abobadado, em brutescos, de Luís Gonçalves Sena.
Quanto ao edifício da Misericórdia, tem várias dependências importantes, das quais se salienta o Arquivo, um dos mais importantes do país, e o Definitório. Nesta sala, reservada à reunião dos Irmãos da instituição, pode ver-se uma janela de sacada em ângulo tardo-renascentista, um cadeiral que pertenceu ao conselheiro Figueiredo Leal, os retratos dos provedores da Misericórdia desde 1860 e, nas paredes, um lambril de azulejos setecentistas com temas alusivos às obras da Santa Casa.
O pelourinho de Alcanede é monumento nacional desde 1910. Foi construído segundo os cânones românticos e revivalistas. Nele se reúne uma série de elementos, que vai desde a evocação do rei D. Afonso Henriques, que conquistou a vila aos mouros, passando pelas bolas, cordas e motivos vegetalistas, típicos do manuelino. Com um soco de três degraus e um fuste prismático, localiza-se no centro histórico de Alcanede. Evoca o passado municipal da freguesia, da mesma forma que o antigo edifício da câmara, que ostenta na frontaria um brasão em relevo.
A capela de Nossa Senhora do Monte, ou capela de Santa Maria do Monte, encontra-se na freguesia de Salvador. É monumento nacional desde 14 de Março de 1917. Desde 1191, pertenceu à colegiada de Santa Maria de Alcáçova, tendo ficado em meados do século XIII na jurisdição do hospital dos leprosos. A partir do século XVII, tanto a ermida como o hospital passaram a ser administrados pela Santa Casa da Misericórdia, depois da integração do hospital de S. Lázaro no hospital de Jesus Cristo.
Inicialmente gótica, a sua traça foi sendo modificada. No século XIII, terá sido ampliado, o que resultou na alteração do arco triunfal e da abóbada da capela-mor. Da época manuelina é o nicho de recorte mudéjar com imagens da Virgem e, ao que parece, uma porta lateral. Em meados do século XVI, construiu-se o alpendre que ocupa duas fachadas da capela e o portal sul e os assentos do coro, de gosto maneirista. Ocorreu neste século, também, a sepultura de Duarte Sodré, vedor de D. Manuel I, no pavimento do templo.
A sua arquitectura revela uma presença simultânea do gótico ducentista e do estilo renascentista, o segundo dos quais se destaca visualmente. Templo de pla

nta longitudinal, composto por nave única, capela-mor rectangular e cabeceira abobadada em dois tramos. Exterior com alpendre, composto por vinte e uma colunas e meia colunas, com capitéis jónicos, cuja decoração é claramente influenciada por João de Castilho.
Merece referência, no seu interior, para além dos elementos já referidos, o coro, de 1555; o púlpito, de 1623; uma tábua maneirista da Anunciação, atribuída a Ambrósio Dias; e duas esculturas em madeira seiscentistas, representando A Virgem e o Menino e Nossa Senhora da Piedade. Um lambril de azulejos do século XVII revestem o pavimento interior.
O velho pelourinho quinhentista, ou o que resta dele, está hoje conservado no Museu Municipal. É imóvel de interesse público desde 11 de Outubro de 1933. Foi lavrado e erguido na antiga praça do Município, actual praça Visconde da Serra do Pilar, depois da atribuição do foral manuelino. Encontrava-se à direita dos paços do concelho.
Do monumento original, resta apenas a sua terminação, um pináculo em forma de pinha sextavada, encimado por uma esfera armilar em ferro. Apesar da temática manuelina, alguns autores apontam a sua construção para o século XVIII. Quando foi retirado do local, em 1834, ficou praticamente destruído.
A igreja de Santa Iria, no largo do mesmo nome, é imóvel de interesse público desde 12 de Setembro de 1978. O templo primitivo era muito pequeno e foi sendo progressivamente destruído pelas inundações do rio Tejo, até chegar ao ponto de ser substituído, no século XII, por uma nova igreja. Esta viria a ser totalmente reconstruída no século XVI e a receber obras que a alteraram profundamente nos séculos seguintes. Da antiga construção, resta apenas a abóbada gótica de nervuras de uma capela do lado esquerdo.
A fachada, caracterizada por uma grande simplicidade, é de finais do século XVIII. O pórtico, no centro, é sobrepujado por um duplo frontão partido com uma imagem em pedra de Santa Iria. Ostenta a data de 1688, ano de uma campanha tardo-maneirista. Acima, três janelas rectangulares. Do lado esquerdo, um torreão cilíndrico quinhentista e uma torre sineira quadrangular do século XVIII.
É um templo de planta longitudinal, composta pelo corpo de três naves de quatro tramos, formados por quatro pares de colunas toscanas. Na cabeceira, a capela-mor apresenta dois bustos de estuque. Ressalta ainda o altar em talha dourada, que abriga o Cristo de braço caído de Mont’iráz, e os muros laterais em estuques relevados. As naves laterais têm diversas capelas, num total de cinco, e são cobertas por madeira. Os tectos das naves são de caixotões em madeira, sendo que o da nave central é abaulado. O interior dos muros é revestido por azulejos.
Para além do altar-mor, a igreja tem dois altares colaterais e quatro laterais. O transepto é cupulado e a cúpula pintada em trompe l’oeil, mostrando restos do anterior zimbório. No pavimento, cerca de oitenta lápides. Por todo o corpo da igreja, um revestimento de azulejos azuis e amarelos seiscentistas.
A igreja de Nossa Senhora da Piedade está classificada como imóvel de interesse público desde 11 de Agosto de 1934. Foi entregue a frei Manuel da Conceição, em 1668, para que aí se instalasse a ordem dos agostinhos descalços, que estava instalada em Portugal há cinco anos. Nesse mesmo ano de 1663, ocorrem os «sinais milagrosos» que vão conduzir à aceitação generalizada do milagre da Senhora da Piedade. Para os seus habitantes, fora a Virgem a responsável pela vitória, no Ameixial, contra os espanhóis. O cabido de Lisboa, em finais de 1663, proclamou o milagre.
O local onde se encontrava a padroeira foi o escolhido por D. Afonso VI para a construção do novo templo. Iniciadas em 1665, as obras viriam a ser concluídas cerca de 1690 e o edifício entregue à ordem em 1695.
A planta da igreja é em cruz grega. Um templo de sólida construção, cuja cúpula octogonal, rematada por placas em bronze e terminada em 1721, está assente em silharia de pedra modelada no topo. Sobre a porta principal, o escudo real. Acima, uma janela pombalina para iluminação do interior. Sobre as portas laterais, inscrições em latim.
No interior, a capela-mor é coberta por abóbada de caixotões e destaca-se pelo retábulo, que apresenta uma tela joanina de Nossa Senhora da Boa Viagem. Nos outros braços do templo, duas capelas colaterais dedicadas a Santa Mónica e a Santa Rita. Sob a porta de entrada, o coro. O mármore de excelente qualidade aplicado na sacristia, maneirista, é responsável pelos efeitos cromáticos que aquela ostenta.
O palácio de Eugénio Silva, ou dos Meneses, ou dos provedores das Lezírias, situado no antigo largo do Espírito Santo, é imóvel de interesse público desde 6 de Novembro de 1951. Funciona actualmente como Câmara Municipal de Santarém, que comprou o edifício, em 1954, aos herdeiros do industrial Eugénio de Carvalho e Silva.
Terá sido D. Pedro Telles de Meneses, provedor das lezírias, irmão do conde de Unhão, D. António Telles de Meneses, vice-rei da Índia em 1665, o promotor da sua construção. Depois de ter servido como habitação particular, o palácio foi sede do Estado-Maior de D. Miguel, durante as guerras civis dos anos 30 do século XIX, e depois quartel-general de D. Pedro. Foi ainda sede do Gabinete de Regularização e Obras Hidráulicas do Tejo. Em meados do século XX, o industrial Eugénio Silva adquiriu o palácio, que viria a ser comprado em 1954 pela Câmara Municipal. Dois anos depois, eram aqui instalados os Paços do Concelho.
É um edifício de inspiração maneirista, de planta em U, com dois corpos laterais rectangulares e um central. Muito sóbrio e elegante. Os pináculos que coroam os cunhais da fachada principal são claramente barrocos, bem como a relação que se estabelece entre a casa e o jardim envolvente e alguns pormenores azulejares do interior. A meio da fachada norte, encontra-se a porta principal. Acima, a janela central é sobrepujada por um frontão triangular.
No interior, o piso nobre alberga as melhores salas do palácio. As pinturas a fresco, os estuques e os lambris de azulejos merecem destaque. Uma escadaria monumental de dois andares, onde se podem ver azulejos tromp l’oeil, dá acesso ao piso inferior.
Numa casa da praça Sá da Bandeira, antigo Terreiro do Paço, merece referência uma janela manuelina, classificada como imóvel de interesse público desde 14 de Março de 1917 e integrada numa zona de protecção especial. Colocada no segundo piso de um edifício com dois andares, o primeiro dos quais é ocupado por uma loja comercial, a janela data dos inícios do século XV e, tal como é habitual naquele estilo, o lavor é delicado e requintado. É uma janela quadrangular, de cantaria de calcário, dividida ao meio por uma coluna de capitel mudéjar. O capitel é sobrepujado pela representação de uma vieira. De cada lado da janela, as ombreiras são formadas por colunas com capitéis e por pilastras. Terá sido um genovês a construí-la, segundo Rafael Moreira – pelo menos, o estilo é de importação daquela cidade do norte de Itália. Segundo a lenda, sem qualquer fundamento histórico, o rei D.Pedro I teria assistido desta janela à execução dos assassinos de Leonor de Castro.
Na rua de João Afonso, no número 58, encontra-se, num solar de meados do século XVI, uma varanda quinhentista, classificada como imóvel de interesse público desde 14 de Março de 1917. É uma rua onde ainda hoje se podem ver alguns bons exemplares de arquitectura solarenga. Quanto à varanda, de cantaria lavrada, dois resguardos em ângulo definem as suas faces e, dessa forma, o espaço de um alpendre. Uma das faces, esculpida, está voltada para a rua e a outra para um pátio interior. Nas guardas e no friso da base, decoração de brutescos, caso de enrolamentos de folhagem com animais fantásticos e candelabros. É composta de sete blocos de calcário, esculpidos na face exterior, e revela grande simetria a nível de desenho.
O chafar

iz de Palhais, na Ribeira de Santarém, data da segunda metade do século XVIII. É imóvel de interesse público desde 12 de Setembro de 1978. Situada junto à porta da cerca de Palhais, a sua função era abastecer tanto os viajantes que se dirigiam ao norte pela estrada real ou coimbrã como aqueles que chegavam à vila pelas três estradas rurais existentes. No século XIX, chegou a ser encarado como fonte essencial para o abastecimento de água à cidade.
De estilo barroco tardio, é uma peça de linhas clássicas, apesar da profusa animação «rocaille» do frontão e dos jogos de volutas simétricas que o leiam. É composto por um tanque de água, separado de duas bicas, que brotam de duas carrancas, por uma guarda de ferro forjado, uma das bicas para dar de beber aos animais e a outra às pessoas. Quatro pilastras, duas de cada lado, rodeiam um nicho central com moldura rococó. Na zona superior, um frontão barroco, no qual surge o brasão de Santarém com motivos heráldicos reais.
Junto a este chafariz, subsistem ainda restos da antiga porta e hospital de Palhais, anexo à ermida do mesmo nome, também conhecida por Nossa Senhora de Palhais ou Nossa Senhora da Encarnação de Palhais. Desses vestígios, salientam-se as cantarias da porta, três arcos góticos da estrutura e porta da igreja e um piso com construção dos séculos XVII e XVIII.
A casa e quinta de Nossa Senhora da Saúde é imóvel de interesse público desde 18 de Maio de 1998. Situa-se no Vale de Mourol ou dos Olivais, no local onde, no século XIV, o rei D. Duarte possuía uma quinta, com capela dedicada a Santa Catarina.
Trata-se de um conjunto edificado em que são visíveis ainda as ruínas do antigo convento de Santa Catarina da ordem Terceira de S. Francisco, o primeiro da ordem em Portugal, fundado em 1470, e alguns elementos da igreja do Hospital de S. Lázaro.
A primitiva quinta da Saúde pertenceu aos Coutinhos, família de Santarém, mas situava-se noutro sítio que não o actual. Foi transferida para Val de Mourol, em finais do século XVI, devido a uma epidemia. Quando o convento franciscano foi transferido para o lugar do Sítio, a área monacal continuou a funcionar como um colégio ligado às Artes.
A actual quinta apalaçada é o resultado de uma evolução de séculos, desde que os franciscanos aqui construíram o seu convento de Santa Catarina. Apesar disso, a sua feição actual remete para uma certa recuperação das tradições dos antigos palácios barrocos setecentistas. Passou para as mãos de particulares depois da extinção das ordens religiosas. A parte da quinta, construída em redor do espaço conventual, data dos inícios do século XX. Do antigo convento, resta o claustro de dois pisos, composto por quatro alas de cinco arcos sobre colunas dóricas, a igreja da Senhora da Saúde, a fonte das águas radioactivas e a fonte da cerca azulejada, de 1751, onde se pode ver a Senhora da Piedade rodeada por S. Marçal e por Santo António.
Quanto à igreja, de fachada rectilínea, é de uma nave única, coberta por tecto estucado de três planos e revestida por silhar de azulejos. Tem capela-mor abobadada e quatro capelas revestidas por azulejos seiscentistas e setecentistas e com pinturas a óleo, imaginária dos séculos XVI a XVIII e várias sepulturas com epígrafe dos séculos XV e XVI. Numa daquelas capelas, dedicadas a Nossa Senhora da Saúde, pode ver-se um retábulo em madeira de fundo branco com elementos marmoreados e dourados. O portal, de arquivoltas com arco quebrado, é do século XIV e abre-se em dois colunelos colocados em arcaturas, cuja moldura é composta por rosas e folhagens. Acima, uma janela mainelada.
O antigo hospital de Santa Iria, na freguesia de Santa Iria da Ribeira de Santarém, é valor concelhio desde 12 de Setembro de 1978. O actual edifício, que se encontra na rua João Augusto César de Oliveira, data da segunda metade do século XVIII. Actualmente, pertence ao Centro Social Interparoquial de Santarém João Arruda. Não se conhece muita da sua história, mas o seu passado deve estar ligado ao período de maior autonomia administrativa da freguesia, depois da restauração da independência portuguesa.
É um edifício solarengo sobradado, composto por dois pisos. Fachada principal rasgada por portal de volta perfeita, decorada com uma concha na zona do seu fecho. Acima do frontão, uma janela de moldura recortada que parece evocar Santa Iria. Nas fachadas laterais, há três janelas em cada um dos dois pisos do edifício. Alguns elementos, como as cantarias das portas e das janelas, denotam claramente influências pombalinas. Na ligação dos vãos entre os pavimentos, existe uma decoração a caminho do barroco que empresta ao edifício uma grande noção de movimento. Sob a porta principal, ornatos barrocos.
Na travessa dos Surradores, encontra-se no edifício do número 26 uma varanda quinhentista, classificada como valor concelhio desde 29 de Setembro de 1977. É uma grande varanda com alpendre, nas traseiras do imóvel, de clara influência mudéjar tardia. Abre para o exterior através de cinco arcos abatidos em pedra, assentes em seis colunelos de secção redonda com capitéis de feição islamizante. As superfícies entre os vãos das portas interiores e das arcadas, o intradorso dos arcos e o parapeito estão cobertas por azulejos azuis e brancos.
O conjunto edificado do solar dos Sousa Coutinho, também conhecido como palácio Landal, é imóvel de valor concelhio desde 11 de Outubro de 1979. Trata-se de um edifício de grandes dimensões que se desenvolve ao longo de várias artérias da freguesia. Construído no século XVI, sofreu transformações importantes em inícios de setecentos – uma verdadeira reconstrução – a nível da fachada e do interior. Aqui nasceu Frei Luís de Sousa, um dos grandes nomes da literatura portuguesa e imortalizado na obra de Almeida Garrett. Em meados do século XIX, foi adquirido pelo 1.º Visconde de Landal. Depois de passar por várias mãos, a Câmara Municipal de Santarém adquiriu-o em1980, adaptando-o anos mais tarde para a instalação de serviços administrativos. Parte do quarteirão que é ocupado por este palácio, e que inclui a rua de Serpa Pinto, a travessa do Montalto e a rua Capelo e Ivens, encontra-se já na vizinha freguesia de S. Nicolau.
Com capela privativa, a entrada do solar abre para um pátio interior calcetado, para onde convergem as restantes entradas. Uma escadaria dá acesso ao primeiro e ao segundo piso, sendo que neste último se encontram as habitações e o torreão. Até 1970, teve dois tectos seiscentistas pintados, que representavam a vida de Sansão e cenas humorísticas da «comedia dell’arte». Viriam a ser comprados por um particular e transportados para outro local, embora, mais recentemente, um deles tenha voltado a ser adquirido pelo município.
A igreja e convento das Capuchas da Senhora dos Inocentes, ou Recolhimento das Capuchas Terceiras, encontra-se na freguesia de Marvila. É valor concelhio desde 6 de Março de 1996. Situado no largo de Pedro António Monteiro, foi fundado em finais do século XVII, para acolher as religiosas daquela ordem, que tinham sido autorizadas a instalar-se, por D. Maria Sofia de Sabóia, mulher de D. Pedro II, em 1678.
Até 1732, a intenção vai ser a construção de um convento ligado à primeira regra de Santa Clara, mas as suas intenções vão sair goradas. Em 1753, inicia-se um conjunto de obras, que vai transformar o recolhimento numa casa conventual. Estas obras vão ser responsáveis por uma certa feição barroca e «rocaille» do monumento, que terá o seu expoente máximo no lavabo de pedra datado.
Parte do convento foi demolido em 1835, depois da extinção das ordens religiosas. Quanto ao recolhimento, é encerrado em 1910 e os seus bens vendidos em hasta pública. Actualmente, pouco resta da construção inicial, devido aos factores referidos e também às alterações que sofreu ao longo dos séculos.
É uma igreja que mais parece uma ermida. De arquitectura maneirista e rococó,
de pequenas dimensões, tem uma só nave, iluminada por três janelas, e tecto em madeira. O coro-alto comunica simultaneamente com a igreja e com o espaço conventual através de uma grade de ferro. A sacristia está adossada à cabeceira, seguida da portaria e dos anexos. O altar-mor e os altares laterais estão integrados em triplo arco de volta perfeita. A meio da nave, o púlpito maneirista em pedra. Na nave, um lambril de azulejos enxaquetados. A cabeceira tem três capelas profundas em talha. Sobre o arco da capela-mor, encontra-se uma pintura mural alusiva aos símbolos da ordem Terceira. Do recheio que conserva, uma palavra para uma tela de O Menino Jesus Salvador do Mundo, pintada certamente por um artista castelhano nos inícios do século XVII.
A parede oposta à cabeceira faz a ligação entre a igreja e o convento, de planta rectangular. Em redor do claustro, encontram-se as dependências conventuais, como por exemplo as minúsculas celas das reclusas ou o refeitório, quase intacto, com púlpito e umas alminhas em azulejos de 1756. «Estar ali é entrar, de facto, num retiro espiritual dos mais impressionantes e característicos. Respira-se neste recinto tranquilidade, suavidade e, olhando o céu azul, parece-nos estar mais próximo de Deus. Talvez fosse esta característica espiritual que conferia um certo valor ao recolhimento, cujo claustro seiscentista, rodeado de dependências em dois pisos, era obra singela, com o seu bocal de cisterna e ferros forjados, no meio de um jardim.» (Zeferino Sarmento)

Património contemporâneo

Se grande parte do património que descrevemos até ao momento é de religioso, a época contemporânea vai assistir ao lançamento de grandes obras públicas e infra-estruturas urbanas. A palavra de ordem agora é a utilidade e a necessidade de responder às carências da cidade aos mais diversos níveis, desde o comércio à higiene ou à cultura.
O mercado municipal de Santarém, construído em 1928, é um interessante edifício de traça tradicional, classificado como imóvel de interesse público em 18 de Maio de 1997. Interligam-se aqui diversos modelos arquitectónicos, desde o revivalismo à «arte do ferro», passando pelo modernismo.
Surgiu da necessidade que se sentia de dotar a cidade de um espaço adequado à sua população e da maior sensibilidade para as questões da higiene pública. Ou como se tentou aliar a harmonia estética à funcionalidade e necessidades específicas. A «beleza» que os gregos privilegiavam nas suas obras, a «utilidade» que os romanos preferiam, aqui reunidas em perfeito equilíbrio.
Entre 1890 e 1920, tinha havido várias tentativas de criar em Santarém um mercado diário coberto, mas todas elas fracassaram. A ideia era substituir o mercado ao ar livre que se realizava na Praça Velha, actual praça do Visconde da Serra do Pilar. Projectado em 1928, viria a ser inaugurado dois anos depois, influenciando a partir daí toda a estrutura urbanística das redondezas.
A beleza do edifício e todo o cuidado posto na construção de um «simples» mercado municipal deveu-se ao arquitecto que o projectou, Cassiano Branco, um dos vultos do modernismo da arquitectura portuguesa. Para além da beleza intrínseca do edifício, a sua instalação naquela zona, aberta e desafogada, veio definir a orientação urbanística do local.
Através da utilização de materiais como a alvenaria e a telha portuguesa, o arquitecto procurou, naquela que foi uma das suas primeiras obras, seguir uma linha mais tradicionalista, pouco condizente com a linguagem modernista que viriam a caracterizar as suas obras no futuro.
O ecletismo da construção foi conseguido graças à introdução de elementos neo-barrocos, patentes nos painéis de azulejos azuis e brancos e policromos, cuja temática ribatejana (a lezíria, a vivência mercantil do Chão da Feira, alguns monumentos locais) nos remete de novo para o tradicionalismo. Um dos núcleos mais activos da produção intensiva de azulejos, e que se reflecte no conjunto que enquadra a porta principal, foi a Fábrica Aleluia, que os produziu em 1930. Já os restantes azulejos são de 1936 e foram feitos na Fábrica de Sacavém. No total, são sessenta e três painéis «em que se procura promover o dinamismo regional e mercantil de uma região que se assumia cada vez mais como polo comercial do Ribatejo» (Jorge Custódio)
A fachada principal possui um corpo central mais elevado e é enquadrada por dois torreões, rasgados no topo por pequenos óculos. Ladeiam esta estrutura dois corpos rectangulares, onde se rasgam amplas portas, encimadas por arcos de volta perfeita. No interior, a espacialidade e arejamento do espaço consegue-se através da aplicação das regras formais e funcionais da arquitectura do ferro – estruturas de ferro forjado, colunas aliadas a pilastras hexagonais, cuidada simetria das bancas dos vendedores.
O Teatro Rosa Damasceno, na rua Conselheiro Figueiredo Leal, é imóvel de interesse público desde 2002. O primeiro edifício foi construído entre 1877 e 1884 sob projecto de José Luís Monteiro, que se inspirou no Teatro Ginásio de Lisboa, e por iniciativa do Club de Santarém, que considerava precisar a cidade de Santarém de um espaço próprio e adequado para a prática teatral. Escolhido o local, foi necessário demolir a igreja de S. Martinho, do século XVIII. A escolha do nome, feita em 1894, foi uma forma de homenagear uma grande actriz, muito famosa em Lisboa na segunda metade do século XIX. Antes da sua existência, o teatro em Santarém representava-se na igreja de S. João de Alporão.
Em 1938, a sala seria totalmente remodelada pelo arquitecto Amílcar Pinto, devido ao surgimento do cinema sonoro. Do edifício anterior, foi aproveitada apenas uma parede mestra com cunhais em cantaria, embebida na fachada posterior, onde também são visíveis três janelas em cantaria, não previstas no segundo projecto. Na inauguração do novo espaço, foi representada a peça «A Recompensa», de Ramada Curto, pela Companhia Rey Colaço, com Amélia Rey Colaço no papel principal.
Amílcar Pinto foi o arquitecto de outros edifícios de Santarém, como por exemplo o Café Central (1939), o Hotel Abidis (1942/1944), uma casa no número 29 da Avenida Gago Coutinho e Sacadura Cabral ou a Casa do Campino.
Uma reconstrução, a do teatro, que teve como «musa inspiradora» o Teatro Éden (Lisboa), de Cassiano Branco, embora no final não lhe tenha ficado atrás. Com os trabalhos concluídos, o edifício adquiriu a feição Art Deco que tem hoje. A geometrização linear da decoração da fachada e a relação entre a verticalidade estrutural das linhas e os módulos de vidro comprovam-no. Os cinco janelões que rasgam a fachada, e que transmitem uma espacialidade ímpar, concretizam aquela solução. O modernismo de toda a concepção arquitectónica está patente na uniformização do interior do edifício com o mobiliário existente, na relação espectáculo-espectador ou na iluminação.
A liberdade criativa do arquitecto foi plena e isso nota-se sob os mais variados prismas, desde as questões ligadas à higiene e à segurança, passando pela linguagem «deco» do pavimento em marmorite do seu chão e atingindo o seu ponto máximo na sala de espectáculos, onde o conforto dos espectadores convive em todos os planos com espaços que são verdadeiras obras-primas, caso do 1.º balcão.
É uma obra claramente enquadrável no modernismo, que segundo Jorge Custódio aceita mesmo um modernismo radical e as tendências neoplásticas. Para além das influências de Cassiano Branco, Amílcar Pinto «bebeu» muitas das influências europeias, sobretudo no «De Stijl» do holandês Mallet-Stevcens
Com uma capacidade para 1400 espectadores, o espaço articula-se em três zonas distintas: a zona de acesso e convívio, em três andares sobrepostos – átrio, foyers e zonas de acesso ao primeiro e segundo balcões – articuladas por escada de vários lanços; o espaço cénico, unificado, constituído por ampla plateia, a que se s

obrepõe o primeiro e o segundo balcão; finalmente, a zona de sanitários e serviços, no corpo adjacente do lado direito. O piso do vestíbulo e foyer é constituído por marmorite de várias cores, formando uma composição geométrica marcada por frisos de latão. No foyer do primeiro balcão, a primeira máquina de projectar do cinema, da autoria da firma americana Ashcraft Meg. Co.. Do recheio, fazem parte mesas, cadeiras, vitrines em ferro pintado, desenhadas pelo arquitecto.
O antigo matadouro municipal é também imóvel de interesse municipal, por deliberação camarária de 1997. É um edifício projectado pelo arquitecto Domingos Parente da Silva na década de 80 do século XIX e inaugurado em 1889. Encontra-se na rua Pedro de Santarém. Uma construção que decorreu no período compreendido entre 1886 e 1889 e que foi integrada no plano de expansão urbana do cerco de S. Lázaro. Teve por modelo os matadouros públicos que no mesmo período se desenvolveram na Europa e nos Estados Unidos da América.
Nos primeiros anos da década de 60 do século XX, o corpo lateral direito foi destruído, em parte, para dar lugar a um conjunto de prédios. Em 1983, o matadouro passou a funcionar na quinta do Mocho, freguesia de Várzea. Actualmente, serve de armazém da Câmara Municipal e de sede dos escuteiros.
É um edifício de traça eclética, simples e sólido. De planta longitudinal, articula um corpo central com dois corpos laterais, sendo estes mais austeros a nível decorativo. Na fachada principal, a heráldica de Santarém. Quanto ao interior, nota-se a influência da arquitectura do ferro, embora esta seja assumida de forma tímida. Com uma área de 2,143 metros quadrados, tem uma planta de três corpos, divididos por pátios interiores. O corpo central é ameado e integra o grande recinto da matança propriamente dita dos animais. Um corredor central abre para o recinto, onde uma série de colunas de ferro fundido sustentam uma cobertura de madeira e fazem a divisão do espaço. Em todo o recinto, um silhar de azulejos azuis e brancos.
Mais uma vez, tal como aconteceu com o mercado, na vizinha freguesia de S. Salvador, aqui se alia a beleza do edifício à funcionalidade e objectivos para que foi construído. «Articulando a arquitectura de engenheiros com aspectos formais mais próprios da composição estilística, a gramática do edifício revela o ecletismo do movimento romântico e revivalista, pretendendo esconder para a via pública o local bárbaro da morte do gado.» (Jorge Custódio)
A penitenciária distrital de Santarém constituiu um pólo de desenvolvimento urbanístico da cidade de Santarém ao longo da segunda metade do século XIX e primeiro quartel do século XX. Imóvel de interesse público desde 19 de Fevereiro de 2002, foi construída a partir de 1870 e durante mais de vinte anos, pelos engenheiros Adolfo Loureiro, Alexandre da Conceição e José Cecílio da Costa, que se basearam nos modelos das penitenciárias de Lisboa e Coimbra. A abolição da pena de morte, em 1867, e as novas ideias que chegavam da Europa, acerca do sistema prisional como local de punição mas também de reabilitação do preso, fizeram-se sentir no projecto de construção. Assim, o ponto essencial de todo o edifício é um corpo central em forma de charola, do qual irradiam várias dependências, incluindo as celas individuais dos presos. Com uma área de mais de quinze mil metros quadrados, organiza-se a partir da forma de cruz. A casa da administração está separada do edifício da prisão propriamente dito e evita que este se veja do exterior. O ferro é utilizado como forma estrutural construtiva. De resto, Jorge Custódio considera-a o mais belo exemplar da arquitectura do ferro da cidade.
«Causa admiração nos nossos tempos a grandeza e a magnitude de um espaço público construído em finais do século XIX, numa altura em que a situação financeira do país esteve frequentemente periclitante e a dívida pública aumentava de orçamento para orçamento. A raridade do projecto, o tipo de obra, a base legislativa de onde partiu, raiz do seu significado cultural, a evidência paisagística registada por artistas e fotógrafos e o insólito da situação (não é habitual surgirem imóveis deste tipo e funcionalidade propostos no âmbito do património cultural) foram fundamentos na criatividade do processo de pedido de classificação.» (Jorge Custódio)
Em pleno centro histórico, o edifício onde antigamente funcionou o Banco de Portugal é imóvel de valor concelhio desde 20 de Outubrpo de 1996. Foi inaugurado em 1890, num momento em que o Banco de Portugal alargava a sua rede de dependências para fora de Lisboa. A partir de finais de oitocentos, saliente-se, o Banco de Portugal passou a exercer funções de banco emissor de moeda, abrindo então uma rede de agências, que veio substituir os bancos locais, afectados por várias crises financeiras.
O actual edifício, no entanto, só veria a sua construção iniciada em 1899 e inaugurada no ano seguinte. O projecto esteve a cargo de Júlio Francisco José de Sousa. Funcionou aí, paredes-meias com o Teatro Rosa Damasceno, até 1978, ano em que fechou. Dez anos depois, o imóvel foi adquirido pela Câmara Municipal. Em meados do século XX, chegara a ser pensado para albergar um posto de polícia, mas o projecto nunca se viria a concretizar.
De planta longitudinal, rectangular, é um edifício térreo, com casa-forte, cuja fachada é rasgada por uma porta, ladeada por duas janelas de dupla verga, enquanto que os corpos laterais são rasgados por quatro janelas rectangulares. Por cima da porta principal, um frontão curvo com a seguinte legenda: «Agência do Banco de Portugal». Interiormente, dois espaços bem delimitados, a área de serviços e a de atendimento ao público. Naquele, a presença do cofre forte abobadado da empresa Jotocar/Fichet assume plano de destaque.
Saliente-se, por fim, a feição maneirista e barroca de todo o edifício. Arquitectura muito eclética, como se comprova pelo alçado exterior, em que se imita as fachadas de habitação burguesas.

Em conclusão

Em conclusão, dir-se-á que o património edificado de Santarém é um inestimável conjunto a descobrir. Mal andou a Unesco, até hoje, a não atribuir a classificação de Património Mundial da Humanidade a tão extraordinária monumentalidade.
A mesma monumentalidade que começou a ser construída no tempo dos nossos antepassados. A mesma monumentalidade a que romanos, muçulmanos e cristãos deram o seu cunho muito particular. A mesma monumentalidade que a nossa Monarquia, primeiro, e depois a nossa República, se esforçaram por ampliar.
No fim de contas, uma monumentalidade que Alberto Pimentel, depois de visitar Santarém para acompanhar a exumação das ossadas de Pedro Álvares Cabral da igreja da Graça, conseguiu sintetizar numa dúzia de linhas bem escritas e independentes de todos os estios e de todas as facções políticas que até há pouco tempo haviam estado em confronto.
Diz o referido autor em «A Estremadura Portuguesa», no capítulo dedicado ao Ribatejo e a Santarém: «Procura a gente ali uma cidade antiga, e encontra uma cidade nova. Procura uma cidade nova e tem a memória cheia de tradições de uma cidade antiga. É que em Santarém há hoje reunidas numa só cidade muitas cidades de diversas épocas: há a cidade mitológica do rei Abidis, a quem deve o seu primeiro nome de Scalabis, «alimento ou manjar de Abidis»; há a cidade romana de Júlio César; Praesidium Julim, um dos três conventos jurídicos da Lusitânia; há a cidade gótica do tempo de Receswindo, época em que se diz ter vindo ao Tejo o corpo de Santa Irene, virgem mártir, donde alguns querem derivar o nome Santarém; há a cidade moirisca, em cujo topo escarpado campeava a alcáçova, que Afonso Henriques assaltou pela porta de Atamarma; há a cidade medieval, com algum raro vestígio da sua antiga fortificação, tal é uma guarita de pedra num dos ângulos da muralha, cidade onde a corte portuguesa f

olgou por várias vezes e onde se desenrolaram grandes dramas, alguns deles fúnebres, como foram o suplício de dois assassinos de Inês de Castro e a morte desastrosa do malogrado filho de D. João II, há, finalmente, a cidade moderna, onde o recinto da alcáçova foi convertido no lindo jardim da Porta do Sol e as ruínas do convento de S. Domingos na actual praça de Touros.»
E há, como já vimos, a cidade contemporânea, com os seus equipamentos económicos e sociais virados para as necessidades das populações, caso do mercado, do matadouro ou da agência do Banco de Portugal.
Tão ou mais importante que este património edificado de Santarém é o património humano existente. Preservado e mantido ao longo dos séculos, é um património imorredoiro que a cada dia rejuvenesce e se desenvolve. Basta que nasça uma criança. Basta que uma mãe conta a lenda de Santarém ao seu filho. Ao seu neto. Basta que lhe cante uma modinha tradicional, daquelas antigas que ajudam ao «espírito do lugar» que se sente em Santarém.

Comments

  1. dalby-o-calmo says:

    OH não me faças isso R’!!!! Eu quero mais mais e oh simmmmm mais (eu-ofegante) dá-me com mais Santarém gótica !!! por favor oh R não me faças isso não me acabes com Santarém…QUE VAI SER DE MIM SEM MAIS UM CAPITULOZINHO DA SANTARÉM GÓTICA OHHH NÃOOOOOOOOOOOOOO ELE É MESMO MAU ..EU QUERO MAIS SANTARÉM GÓTICA..

    • Manuel Santos says:

      Um site inclusivo, os deficiente mentais têm aqui direito à palavra.

  2. dalby-o-calmo says:

    zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz