Freeport, Portucale, a mesma luta

Para começar cumprimento os vencedores, sem dúvida PSócrates e CDS, e noutro campeonato, o das subidas, o Bloco de Esquerda, e rogo-me uma praga por ter publicado as minhas previsões ultra-optimistas, o que se estava mesmo a ver que ia dar azar.

PS e CDS ganharam porque formam maioria, são partidos que precisam de governar como de caviar para a boca precisam as suas gentes, a vida está cara, compete-lhes formar governo.

Existe uma vaga hipótese de não o fazerem: a de Sócrates perceber que esse caminho tem outro destino traçado; mas mesmo que o perceba duvido que o faça. É uma oportunidade única de lançar o PSD na agonia, e nestas coisas ao escorpião está reservado ser a necessidade de aguilhoar mais forte que qualquer vontade.

E depois há as carreiras, os cargos, as prebendas, os enfeites, as construtoras, os bancos, a boa e velha burguesia que lá ganhou outra vez.

Resta-me a consolação de pela primeira vez na vida ter votado num candidato que foi eleito, e de o distrito de Coimbra ter também pela primeira vez (que me lembre) um bom deputado no parlamento.

Espero agora reencontrar a minha ex-camarada Ana Gomes, e muitos outros, na oposição, e continuar optimista: um passo atrás para dar dois passos em frente é do pouco leninismo que ainda consumo.

Paulo Portas dará um óptimo e musculado ministro da Justiça, empenhado na resolução da investigação de uns processos, e na desinvestigação de outros. No final ainda vai levar mais fotocópias para casa.

Dos derrotados não me apetece falar hoje, mas num cenário destes tenho uma enorme curiosidade em ver como encara Miguel Vale de Almeida o sucesso da causa que abraçou. Não é por nada mas um governo social-democrata-cristão e o casamento civil para homossexuais não enlaça muito bem. Pode ser que consiga o casamento pela igreja, afinal temos o sr. Ratzinger, a passear por cá em Maio. Promete.

Comments

  1. Luis Moreira says:

    Por acaso já estou a ver a Cardona na Justiça a tratar dos casos, o que não é a primeira vez…Quanto aos casamentos só se forem entre alguns deputados, parece que há interessados…

Deixar uma resposta