PS: Uma vitória pobre, mas uma vitória

O PS perdeu 500 mil votos em relação a 2005. Perdeu quase 10% de eleitorado. Perdeu 25 Deputados. Nunca um primeiro-ministro reeleito, como aconteceu com José Sócrates, ficara abaixo dos resultados do primeiro mandato. Nem Guterres.
Apesar de tudo isto, o PS foi o Partido mais votado. E como tal, ganhou as eleições e vai voltar a formar Governo. Ninguém pode retirar-lhe a vitória, como tentou fazer Francisco Louçã. Acresce dizer que, mais do que uma vitória do PS, foi uma vitória de José Sócrates. Hoje em dia, o PS é José Sócrates, nada mais. Em redor, um vazio de opiniões e de personalidades. O primeiro-ministro secou tudo em seu redor e, se por enquanto a situação é boa para o Partido, no futuro não o será. Cavaco fez o mesmo ao PSD e, 14 anos depois, ainda o Partido «sofre na pele» o deserto que foi criado.
Apesar de ter vencido, não se pode falar, como já escrevi, de uma vitória extraordinária. Extraordinário era se o PS tivesse repetido a maioria absoluta. É que, no futebol, tanto faz ganhar o Campeonato com 1 ponto de avanço ou com 20. O que interessa é ser campeão. Na política, não é exactamente a mesma coisa governar com maioria absoluta ou governar com maioria relativa e poder vir a ficar refém de um Partido como o CDS.
Por isso, ou o PS faz acordos para conseguir que as suas propostas passem. Ou, não o querendo, provoca deliberadamente eleições antecipadas. Para tentar uma nova maioria absoluta.

Comments


  1. […] o título do «post» de há 15 dias, quando analisei o resultado das Legislativas. O PSD ganhou as eleições. Perdeu […]