Afluência às urnas em bom ritmo

Parece ser o primeiro resultado. Uma abstenção menor que nas eleições anteriores, o que atendendo a esta frequência, três actos eleitorais em tão curto espaço de tempo, mostra que as pessoas querem dizer coisas, que só vamos saber daqui a uma hora e tal.

Entretanto, há um rodopio de figuras conhecidas a serem filmadas no momento de votar e que depois debitam umas banalidades. O Alegre diz que as autárquicas deviam ser respeitadas pelas máquinas partidárias, aqui contam mais as pessoas e o conhecimento pessoal, do que o partido ou a figura nacional que anda por aí a dar uma ajuda.

Nas grandes cidades grande parte dos autarcas não sabemos quem são, mas o mesmo não se passa no resto do país. Aí são os amigos de sempre ou o vizinho de todos os dias que concorre.

Ás vezes conhecem-se bem de mais como é o caso da morte de hoje. O que choca é que aquelas duas pessoas foram para as mesas de voto armadas!

Levam longe demais a velha expressão revolucionária ” O voto é a arma do povo!”

Comments

  1. Carlos Loures says:

    Um pequeno equívoco, Luís: a palavra de ordem revolucionária era. «a arma é o voto do povo».

  2. Luis Moreira says:

    Não foi equivoco ,Carlos, tu é que não brincas em serviço.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.