Barragens tambem não!

Contra as barragens no Tâmega, Tua e Paiva, porque  a sua contribuição é muito pequena para a energia necessária, não substituem a importação de petróleo e têm um impacto irrelevante ao nível da emissão de poluentes. Por outro lado, uma vez construídas, as barragens não vão contribuir para manter postos de trabalho. O problema é que dizem o mesmo para todas as barragens mas  todas juntas terão as vantagens que não se reconhece quando  se analisa uma só!

Podemos viver sem barragens? A água, como se sabe vai ser ainda mais uma necessidade estratégica no futuro, sem água não vamos a lado nenhum, não podemos deixá-la correr livremente para o mar, porque recuperá-la custa muito dinheiro (dessalgar por osmose inversa) em energia que temos que importar.

Implica uma destruição ambiental imensa, milhares de hectares de reserva agrícola e ecológica vão ser submersos, a qualidade da água vai deteriorar-se, o sistema piscícola será alterado e os lobos deixarão de poder movimentar-se. Bem, a pata do homem, neste caminho que nos leva a ter muitas coisas materiais, foi e será sempre um factor de destruição da natureza. Os próprios desenhadores das grutas do paleolítico (neolítico)? de Foz Côa foram os primeiros a deixarem a sua marca na paisagem. Não há como evitar isto mas, evidentemente, devemos lutar para que as coisas se façam com conta, peso e medida.

A primeira opção é saber se estamos dispostos a trocar o confortozinho pelas belas paisagens. Eu acho que a coisa mais bela, são as margens de um rio, mas não sei se as posso ter todas assim selvagens, ou se tenho que contentar-me com menos.

Mas sei que não podemos deixar a água perder-se no mar !

Comments

  1. maria monteiro says:

    por cá ainda vai havendo água mas preciso saber olhar para as barragens e para os rios.
    Pena é que em muitos dos nossos rios “corra” muita lixeira e esgoto de unidades produtivas…

  2. Talvez... says:

    Não podemos deixá-la escoar para o mar, mas podemos deixá-la evaporar-se no Verão, tirar empregos a quem vivia da pesca fluvial (sim, porque antes havia) e inundar terras aráveis, património natural e património edificado.
    Agora diga, o que dá mais conforto, as receitas do turismo, ou as receitas da energia?

  3. João Nunes says:

    Esqueceu o crime que vai ser cometido no Rio Sabor.

    É um facto que se desperdiça muita água ao não a reter em pequenas barragens nas linhas de água. Isso é que precisa ser feito para captar a água que lentamente se vai escoando. Sem isso, as infiltrações para os lençóis freáticos não se fazem . Só acontece por saturação, que cada vez vai ser menor.
    A grande utilidade das grandes barragens, não são os empregos de quem lá trabalhou ou trabalha. São os grandes Jobs para uns quantos boys, sobrinhos e afilhados. Esse é que é o esquema. Num país ventoso, com um litoral destes, não plantar ventoinhas por todo o lado, como se fez em Espanha é criminoso. É muito melhor o betão das construtoras e os gabinetes a gastar energia em ar condicionado, os automóveis de alto consumo com motorista em Lisboa. Isso sim é “economizar” energia.
    Alguém vai ter de a produzir e pagar por ela em todos os sentidos.
    Mais uma vez, paga o país pobre para a rica Lisboa. Até quando?

  4. Talvez... says:

    João Nunes :
    Esqueceu o crime que vai ser cometido no Rio Sabor.
    Num país ventoso, com um litoral destes, não plantar ventoinhas por todo o lado, como se fez em Espanha é criminoso.

    E o Sol? Não poderiam as repartições públicas ser equipadas com painéis fotovoltaicos, que se traduziriam numa verdadeira poupança para os cofres do Estado e não num verdadeiro aumento dos cofres das futuras privatizadas REN e EDP?

  5. Talvez... says:

    Diz também, e cito «mas não sei se as posso ter todas assim selvagens». Lembro-lhe que o problema é que não lhe restam mais selvagens! A norte do Mondego, são muito raros os rios sem barragem.

  6. Luis Moreira says:

    Claro que sim, há muita coisa a fazer, mas ter água é a maior delas.

  7. Talvez... says:

    Como disse, evaporação. E que tal a preferência por reservatórios? Não armazenam água com menos fugas e mais eficientemente?

  8. João Nunes says:

    Talvez… :
    Como disse, evaporação. E que tal a preferência por reservatórios? Não armazenam água com menos fugas e mais eficientemente?

    Quem vai de avião para Barcelona, ao olhar para baixo vê inumeros “embalses”, pequenas barragens feitas com enrocamento e telas, principalmente na vertente sul dos Pirinéus. Toda a água do degelo é captada para rega e abastecimento. Não é desperdiçada água. Aqui nem copiar sabem. Como já disse antes, é muito melhor dar encomendas de betão aos amigalhaços, que nunca se sabe o dia de amanhã.

    Talvez:
    tudo o que se anda a oferecer em Portugal para produção de energia solar é material obsoleto. Saldos, refugo, de baixa eficiência.
    Concordo que tudo quanto é prédio alto, devia ter paineis fotovoltaicos. Novos e menos novos. Tudo que é hotel. Mas só aí, no chão, não.

  9. Pedro Rocha says:

    Já pensaram que eventualmente quem quer aquela água, são os milhares de pés de vinha que hoje cicatrizam o que antes fora uma actividade tradicional.

  10. Talvez... says:

    Também eu não falava de os colocar no chão – ocupam espaço desnecessariamente. Mas se todas as casas e todos os edifícios os tivessem, estaríamos a exportar energia, e aí poderíamos dar-nos ao luxo da dessalinização.

  11. Talvez... says:

    Pedro Rocha :
    Já pensaram que eventualmente quem quer aquela água, são os milhares de pés de vinha que hoje cicatrizam o que antes fora uma actividade tradicional.

    Como assim? Refere-se a regadio das vinhas?

  12. João Nunes says:

    Se aproveitarmos a água toda que vem de cima, em pequenos embalses, não é preciso dessalinização para nada. Essa chega. Repõe os níveis freáticos, abastece as populações, dá para regar as vinhas e o resto, dá trabalho aos locais na sua construção e manutenção , embora sejam simples e baratas, evapora-se alimentando o ciclo da água, dá para tomar banho e ao lado fazer uns pic-nics com a famelga , dá apoio à bombeirada nos fogos florestais e dá de beber ao gado.
    O unico gado que não quer beber dali é o gado lá da capital do império, que gosta mais de champanhe.

  13. Talvez... says:

    Pois, mas aqui não temos água do degelo.
    Uma coisa que não percebo – regadio de vinhas? Agora as vinhas também se regam? Eu conheço bem a mais antiga região vinícola de Portugal e posso garantir-lhes uma coisa – não passaria pela cabeça de ninguém regar vinhas. Aliás, uma das desvantagens da barragem do Tua inicial era a diminuição da produtividade da vinha e da oliveira com as alterações ao clima da região, diminuição que se traduziria, estimam, em menos 700 postos de trabalho.

  14. João Nunes says:

    Temos chuva e temos degelo!
    Que eu saiba, em Portugal chove e cai neve. esta derrete.
    Degela.
    A geada idem. O sincelo também.
    O unico gelo não aproveitável é o gelo que a capital do império gasta em cocktails.

  15. Talvez... says:

    João Nunes :
    Temos chuva e temos degelo!
    Que eu saiba, em Portugal chove e cai neve. esta derrete.
    Degela.
    A geada idem. O sincelo também.
    O unico gelo não aproveitável é o gelo que a capital do império gasta em cocktails.

    Percebo o que quer dizer. E sim, em Lisboa o desperdício é enormíssimo.

  16. maria monteiro says:

    e é sempre um problema … porque …. todos querem vir aos cocktails

  17. manuel montador says:

    maria monteiro :
    e é sempre um problema … porque …. todos querem vir aos cocktails

    ou ir para se virem nos cocktails.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.