Deus e a internet

image

Assisti há dias a uma discussões do género “é como eu digo”, “não, não, é como eu digo”. Uma daquelas teimosias que às vezes davam em apostas mas que neste caso teve um desenvolvimento novo. Um dos arguentes sacou do telemóvel, ligou-se à Internet e foi à Wikipédia buscar argumentos para a sua discussão.

De Deus diz-se ter as características da omnisciência, omnipresença e omnipotência. Este meu amigo rápido a sacar da sua geringonça internética procurou estar perto de tudo saber. Graças às redes sociais, acaba por estar com os seus amigos alemães, ao mesmo tempo que fala com a família em Portugal e com a namorada que está a fazer um curso em S. Francisco. Uma espécie de omnipresença, portanto. Para compor a áurea divina faltar-lhe-ia a omnipotência, mas a publicidade com slogans como “Yes, you can”, “Just do it”, “Tu mereces”, trata de lhe dar essa ilusão.

A Internet no bolso está a mudar a forma como as pessoas interagem. A radio, a imprensa, o telefone e a televisão trouxeram novas formas de aceder à informação. O computador e a Internet tornaram esses mesmos acessos ainda mais versáteis. Mas o “always on” vai muito além destas mudanças, transformando o individuo numa entidade mais dispersa. E se um dia se encontrar a forma de preservar a vida muito para além da nossa existência de algumas décadas, o que seremos então?

Comments

  1. Por falar em ubiquidade… onde está o esquisso, fáxavor?…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.