O país do faz de conta – mais um take

Segundo o JN, 35 policias meteram baixa médica em protesto contra a pena de prisão aplicada aos colegas que agrediram barbaramente um estudante alemão em Lisboa.

Tenho para mim que os bons policias devem estar a aplaudir esta pena. Os bons policias preocupam-se com o prestigio da sua profissão e com a confiança dos cidadãos, não tendo objecções à punição dos abusos que tanto têm afectado a imagem das polícias portuguesas. O facto de existirem polícias a protestar contra aquela pena é extremamente preocupante. Desprestigia as forças policiais e adensa o véu de desconfiança que sobre elas se abate.

No entanto, há uma outra questão que me preocupa: as baixas são fraudulentas, e somos nós que as pagamos. A facilidade com que 35 policias da mesma esquadra as obtiveram é aterradora. Faz o país parecer uma verdadeira república das bananas.

Assim, questiono: Vai mais esta passar impune? Não acontece nada aos médicos que passaram estes atestados? Não acontece nada aos policias que dolosamente lesam o Estado desta maneira? Assim, não vamos lá.

Comments

  1. Nightwish says:

    É assim o típico polícia, um reles “thug” que se serve da proteção da lei protegidos por toda a máfia.
    Onde estão os “bons” a falar mal dos colegas que cometem crimes? Ah, devem estar todos de férias…

    • Disseram says:

      – Primeiro antes de comentarem o processo tentem saber com exactidao os promenores, depois comentem, Eu pessoalmente nao tenho conhecimento dos factos, nem ouvi as versoes de ambas as partes, apenas cito e comento aquilo que ouvi e segundo o que me foi dito, e repito apenas vou a citar aquilo que me disseram, os policias foram a ocorencia, com o principal objectivo de salvaguardar a propria integridade fisica do cidadão alemão, que além de por a sua vida em risco pos a de terceiros ao ir pendurado no electrico, sujeito a sofrer graves lesões, ou mesmo risco de vida, como o mesmo cidadão ofereceu resistencia e nao se identificou, foi conduzido a Esquadra, na mesma, os agentes tiveram que recorrer a força fisica necessaria para suster uma iminente agressão, o senhor alemao,posteriormente entendeu apresentar denuncia relatando os factos segundo a sua versão dos mesmos, e o resultado é a aludida sentença que segundo a opiniao de varias pessoas é despropocional e injusta, que muitos agentes ja foram brutalmente agredidos e os seus agressores nao foram condenados a prisão efectiva.

  2. Bruno says:

    Um polícia que abusa da sua autoridade tem que ser punido sim, tal como acontece com outras profissões. O mais grave é os advogados mentirem ou deturparem a lei para safarem clientes; os magistrados que cometem falhas nunca são punidos. Se não há exemplos vindos de cima….. Não se pode exigir que na base se respeite. É uma questão de coerência.

  3. sniper says:

    Falar de um processo que não se conhece e em termos poucos profissionais, não dignifica nada a classe .

  4. Rodrigo Costa says:

    Sem que se conheça o processo, há, de facto, a casualidade das 35 baixas. Este é o dado que dever ser salientado, porque reflecte o clima de confusão em que a Justiça está mergulhada.

    Quer dizer: admitindo que os polícias foram vítimas de injustiça, a justiça só poderia ser reposta com outra injustiça? Não há mecanismos de defesa que possam ser usados pelos agentes, através do esclarecimento dos factos?…

    Mesmo que o Alemão tenha oferecido resistência, seria necessário, numa esquadra, o recurso à “agressão bárbara”? Não seria suficiente que, dois ou três ou quatro agentes o agarrassem, enquanto um outro o algemava?…

    A questão é: pode, uma pessoa bem formada, ir para polícia, ou pode, um polícia, ser bem formado? Será possível cumprir certas tarefas de distribuir, profissionalmente, pancadaria, se não se for rude? Onde estão os limites, e como é que os agentes estão preparados para os distinguir?…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.