11 de setembro, qual dos dois?

Sim, há dois: o de 1973 que marca a primeira catástrofe neo-liberal construída sobre o assassinato de 30 000 chilenos, e o de 2001 que agora parece ter o monopólio da data.

Dos Once de Septiembre en una vida explora ideas y sentimientos de ex presos políticos y exiliados chilenos de la dictadura de Pinochet que ahora viven en San Francisco, California. Ellos analizan las tragedias del 11 de septiembre de 1973 en Chile y del 11 de Septiembre del 2001 en Estados Unidos y la intervención del gobierno estadounidense en ambos hechos.

Comments


  1. Tragédias à parte, é tudo uma questão de markting! Produtos dos USA vendem mais que os do Chile, agora a questão é saber por quanto tempo ainda se vai “vender” 11 de Setembro de 2001 e pior do que durante quanto tempo, é de que modo.


    • Produtos dos EUA?! Vender?!

      Enfim, típica prosa de esquerda, gasta, anti-americana e que mistura situações para poder justificar certas tragédias. Também festejou a quedas das Torres, como foi feito no Médio-Oriente?!…


      • Não desejo mal a ninguém, nem muito menos sinto alegria com o sofrimento dos outros, mas também não sou ingénuo ao ponto de pensar que o filme que se fez sobre o 11 de Setembro de 2001 foi apenas para Homenagear as Vitimas de tal tragédia, Mas isso é só a minha opinião, vale o que vale, tal como a sua, que automaticamente fez um juízo politico das minhas palavras.
        Verdade seja dita, se os aviões tivessem derrubado duas torres no Chile, não acredito que tenha havido filme para homenagear as vitimas, dai a ironia da palavra “produto”.
        Mais ainda, será que passados 10anos depois da tragédia do Chile houve algum telejornal que falasse sobre isso?

  2. Raul Iturra says:

    O 11 de 2001, foi luta política e resposta a invasão injustifidada dos BUsh a países com petróleo pagoa com a vida de soldados e contribuentes, luta religiosa entre sunitas e outras formas de acreditar e dominar a riquza peopria. O do Chile, o sacrificio da vida de um ser humano, socialista, com o objectivo de redistribuir a riqueza entre uma pequena burguesia e um largo proletariado mal pago pelos que se apoderaram das riquezas do país, todos estrageiros. Nacionalizou,requisitou industrias, repartiu a terra entre jornaleiros, confrontou a burguesia, que levantou as forças armadas nacionais e obrigar a se demitir. Lutou até a último minuto pelo alto cargo em que o povo o colocara: a Presidência da República. Após ataque e só, entrou na sala mais elegante do Palácio, e suicidou-se com calma e serenidade para evitar uma guerra civil. Não era o que a burguesia queria, em trocas tiveram uma ditadura que matou e exilou, acabado o ditador por falecer réu de crimes que bradam ao ceu. Presidente Allende é de fama universal, um herói para o mundo. Soube gabhar, apesar do suicídio para a paz universal Agradeço ao JJ Cardoso a firmeza das suas palavras. Bem sabe que visitei o Childe de Allende, fui preso, se julgamento em campo de concentração e resgadado pelo meu Bispo e o Governo Britânico, onde morava com família. Ainda ai moram, com os seus filhos, os meus netos, mas eu não tenho paz. Portugal deu-me paz e nacionalidade como condecoração. Dias tristes, calo


  3. Caro JJ,
    Fiz ‘link’.

    Um abraço
    CF

  4. Mário says:

    que tristeza
    Produtos? Então é o produto chileno vs o produto americano?
    Raio de mentalidade !!

    Há quem mereça que lhe caia um avião na cabeça.

Trackbacks


  1. […] [daqui] FacebookTwitterGostar disto:GostoBe the first to like this post. from → Pólis ← “Murmúrios do Tempo” No comments yet […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.