Rui Rio só gosta de calhambeques

É o que dá eleger um analfabeto cultural para Presidente da Câmara.

Trabalho de Best Ever para a Visual Street Performance (VSP) , Porto. Retirado daqui, onde há mais imagens.

Comments


  1. Bahh! A maior parte dos bonecos nas paredes (e no raio dos comboios!) apenas pode ser classificado como arte na medida em que o conceito é abstracto e bastante elástico. Na prática a maior parte é lixo. Isto para já não falar do facto de pintarem sem autorização dos proprietários – o que é simplesmente errado.

    O exemplo com que ilustras o post é capcioso.


    • Tenho muito mais exemplos para os próximos dias, todos feitos no Porto. É verdade que também há muito má pintura, tanto em paredes como em telas. E que o grafiteiro típico tem uma fase inicial em que pinta onde não deve.
      Mas o balanço geral é muito positivo, pelo mundo fora. A arte saiu das galerias, dá cor e beleza às cidades, e os artistas mais interessantes da actual geração andam nas ruas.
      As acusações do RR são de uma ignorância espantosa. Basta ver este exemplo:

      “Um grande mural do “artista guerrilheiro” Banksy foi coberto de tinta por funcionários contratados pela prefeitura da cidade britânica de Bristol para lidar com pichação. O trabalho artístico, com pouco mais de 7 metros de comprimento e que ficava em um muro ao lado de oficinas na cidade, foi coberto com uma grossa camada de tinta preta. O conselho municipal de Bristol disse que quer que o erro seja investigado e determinou a preservação de todas as obras de Banksy na cidade. Em consequencia deste engano, alguém pichou as palavras “wot no Banksy?” (que poderia ser traduzido como “o quê, sem Banksy?”) por cima da tinta preta. O mural, um dos primeiros trabalhos de Bansky, apresentava uma coleção de formas azuis, com o traço que é sua marca registrada.”

      Daqui: http://pt.wikipedia.org/wiki/Banksy

      Bristol tornou-se muito simplesmente num pólo de atracção turística porque é a terra do Banksy


      • O RR é o que é.

        Mas se esquecermos a ínfima minoria daqueles que pintam em paredes que não lhes pertencem e que, ao mesmo tempo, têm alguma qualidade (os quais eu desculparia de bom grado), ficamos com o raio das tags e das fontes de letras gordas. É árido, repetitivo, pouco original e desinteressante, não tem nada a ver com arte. Não deve ser permitido. (E não esquecer que pintam comboios!!!)

Trackbacks


  1. […] não tive a sorte de encontrar nem um Banksyzinho para amostra. Pena aqui não ser como no Porto. Talvez os nossos artistas estejam a guardar o melhor só para […]


  2. […] Aventar tem discutido o tema de forma pluralista, como sempre. Tem, igualmente, divulgado alguns dos melhores artistas nacionais […]


  3. […] discussões tidas aqui no Aventar sobre o tema, fica claro que o vandalismo pode ser arte, mas é sempre […]