Pago mas que fique claro que ninguém me perguntou nada e já agora aqui ninguém é estúpido

Tenho 19 anos, nasci em 1992, e pretendo pagar, porque aparentemente vivi acima das minhas possibilidades, não sei se quando pedi bonecos  para brincar, ou ovos de chocolate, se quando era Verão e fui demasiadas vezes à praia ou se mais tarde quando cometi o terrível erro (erro pois ao contrário de ser coisa normal ler livros é coisa estranha para “crianças” do ensino básico e secundário”) de começar a pedir livros,

talvez agora as crianças/adolescentes que os peçam já não os possam ter e vai daí se calhar nem é mau é da maneira que crescem sem se importarem com o futuro, com o que se está a passar com o país deles e ao fazerem os 18 anos de idade, optarem por não votarem e por não se importarem, sinceramente, não sei em qual das minhas brincadeiras de criança estava a viver acima das minhas possibilidades mas agora já tenho 19 anos e pedem-me sacrifícios, e pedem-me para pagar as contas feitas no passado e eu não me importo, mas acho triste esta mudança de slogans dantes era o “As crianças são o Futuro!!!”, agora é “As crianças que paguem no futuro, os erros de agora!!!”, mas é engraçado ver como a transição entre os programas desde os desenhos animados vistos ainda em criança aos programas de humor mais tarde e depois ir crescendo e ver “Olha, ha ha , isto continua a ser realmente muito ridículo e engraçado!!!” com caso atrás de caso alguns tão ridículos que deviam chocar e indignar as pessoas e que apenas as fazem levantar os olhos, ver, dizer e pensar” É o costume “e voltarem a baixar os olhos, foram vencidos por cansaço já não se importam, só querem chegar ao fim do mês e ter dinheiro para pagar as contas ou ao menos dinheiro para poderem ir trabalhar no dia a seguir (pois porque ir trabalhar também já custa muito, numa altura em que falam que é preciso baixar o preço do trabalho, mas aumentam o preço para ir para o trabalho). Pois eu pago as contas que fizeram em meu nome, mas que não me venham dizer que fui culpado, ou que vivi acima das minhas possibilidades, e já agora aqui ninguém é estúpido, não venham falar para a TV em recapitalização da banca ou redução disto e daquilo como se fosse um assunto puramente técnico e que até não vai afectar ninguém, eu pago a conta mas sei que foi por irresponsabilidade de quem as fez e de quem pretende fazê-las ainda maiores para mais tarde os meus descendestes as pagarem também, sem ninguém lhes ter perguntado nada.

Alexandre Teles

Comments


  1. Claro que viveste acima das tua possibilidades!

    Desde a revolução construiu-se o chamado estado social, fizeram-se as infraestruturas do país. As despesas com a segurança social e saúde, que eram marginais, tornaram-se brutais. A mesma coisa aconteceu com a educação, e com quase tudo neste país. Existe uma imagem muito lavada da ditadura, mas o facto é que o país estava positivamente parado, foi uma altura má não só em termos políticos, também o foi em termos económicos. Tudo isso foi feito sem te perguntar nada, porque, não dava mesmo para estar à espera.

    O problema foi este investimento todo ter sido feito sem salvaguardar a sustentabilidade. O problema foi ter sido destruído o aparelho produtivo, sem haver a contrapartida de modernização e de criação de outras industrias. O problema é a corrupção, que rouba muitos milhares de milhões por ano. Os responsáveis não são entidades nebulosas, são os governos desde a revolução, são os medíocres políticos deste país.

  2. Mário Patrício says:

    O gráfico só serve para enganar os mais incautos…
    Quer falar do peso da administração pública na sociedade antes da revolução… Então falemos… Era preferível ser contínuo numa repartição, passar os dias sentados a atender o telefone, porque o senhor doutor não o podia, e é verdade que continua a não poder atender o telefone sozinho. Era preferível porque o dinheiro era certinho, direitinho, tinham a semana inglesa, (ou seja não trabalhavam ao Domingo e ao Sábado à tarde). Era óbvio que muitos queriam ter um emprego no estado… Depois da revolução ainda pior… Com as fugas de capitais e desmembramento do tecido empresarial que ocorreu nos primeiros 5 anos após revolução.
    Porque não dizer a verdade…

    E a verdade é que a UE ofereceu rios de dinheiro de mão beijada. Dinheiro a fundo perdido que, por isso mesmo, se perdeu…
    O nosso querido Presidente da Republica copiou aos ingleses as PPP, parcerias público-privadas. Mas os ingleses não pagavam na altura para depois com o dinheiro dos impostos que iam buscar com o novo bem, pagarem a obra que já estava feita.
    O professorerzeco inventou o pagarem os outros, não cobrar impostos, e depois o estado paga…

    Se o gráfico relacionasse as despesas do estado com o PIB produzido… se calhar não o mostrava (é claro, por isso é que não o mostrou)…


    • Porque não dizer a verdade…

      Leu com algum tipo de atenção o que eu escrevi!?

      Se o gráfico relacionasse as despesas do estado com o PIB produzido… se calhar não o mostrava (é claro, por isso é que não o mostrou)…

      Por vezes pergunto-me se vale a pena uma pessoa esforçar-se…

      Tenha a bondade de clicar em cima do gráfico, que, já agora, mais não faz que mostrar a realidade, vai encontrar também uma versão em função do PIB (motivo pelo qual o fiz em link, para as pessoas que estão interessadas aprenderem alguma coisa e também para me ensinarem a mim). Se conseguir, com um bocadinho mais de esforço vai encontrar mais estatísticas que são relevantes.

      • Mário Patrício says:

        Peço desculpa… mas não existe a indicação do link em lado nenhum…

        • Mário Patrício says:

          E depois de ver os gráficos… não retiro nada do que escrevi…
          Se eu, estado, não pagar a escola, a casa, a mesada, a comida, a segurança ao meu filho, que por ser pequeno não trabalha, não produz, não cria… então ele morre e eu como responsável pela minha comunidade falhei…
          Porém, se lhe puder proporcionar tudo, da melhor maneira possível, e concordo, dentro das minhas possibilidades, criei condições para que a minha semente medre e que se transforme num ente que existe, que sabe o que faz, capaz de criar, inventar e de se construir…

  3. doutro lado says:

    Eu não mostro gráficos, nem desenvolvpo teorias. Como é que se pode AFIRMAR que se viveu acima das NOSSAS possibilidades, quando os PORTUGUESES Fo ram e são os mais mal Pagos da EUROPA Connosco?