Em Coimbra e a 15 de Outubro, foi assim: os governos mijam-nos em cima, os media dizem-nos que chove

Tipo o dobro, comparando com o 12 de Março. Deu para encher a praça 8 de Maio no final.

Gente de todos os partidos de esquerda, independentes de toda a independência à esquerda, representaram-se pessoalmente e a rigor. Na Praça da República, o cidadão António Marinho Pinto, por exemplo: [Read more…]

O 15 de Outubro traduzido para políticos

Sabe-se que o politiquês impede a compreensão da política, que o economês esconde a economia, que o parlamentês ignora a realidade e suas consequências, que o democratês oculta a falta de democracia.

É, portanto, conveniente traduzir para políticos, sequazes e afins o que as pessoas querem verdadeiramente que eles ouçam. E é simples:

Somos o povo do mundo. O mundo é o nosso lugar. O mundo somos nós. Quem governa, governa em nosso nome. Quem governa, governa com o nosso consentimento. Tudo o que é público é nosso e só pode ser alienado com o nosso acordo. Tudo o que é nosso por nascimento, o ar, a água, a chuva, o sol, a nossa inteligência, tal como tudo o que é nosso por justiça e por conquista, os nossos direitos fundamentais, a nossa dignidade, a nossa liberdade, são nossos e vão continuar a sê-lo. A acumulação ilimitada é roubo e não a toleramos. Os recursos são finitos e queremos uma vida sustentável para os nossos descendentes. Nós somos o povo do mundo. Se vocês não falam a nossa voz, não vos queremos. Se não ouvem a nossa voz, não nos representam. Se continuarem a proceder contra nós, vamos destruir-vos.

O Dinheiro como Dívida

(Comentário e ligações para as partes seguintes do vídeo depois do corte.)

[Read more…]

Bandex: The Reverse of Robin Hood

Os miseráveis

Valores acumulados das PPP 1985 ~ 2009

Os miseráveis têm sido sucessivamente eleitos e até com maiorias absolutas. De que se queixam agora os que se indignam? Durante anos apoiaram activamente a estratégia de manter a economia aparentemente em crescimento à conta de sistematicamente se despejar dinheiro no cimento e no alcatrão e nos “apoios” às empresas e à banca. Mas sai o dinheiro de alguma árvore das patacas? Chegada a factura, gostava de saber onde estão agora todos esses “keynesianos” que até andaram a brincar aos manifestos.

Agora vieram as mentes brilhantes que ditam o nosso rumo com mais um leque de contenção. Esqueceram-se eles mesmo de serem contidos no uso do disparate e, consequentemente, aí está menos salário, mais trabalho e menos serviços prestados pelo Estado (mas com aumentadas taxas de acesso). E eis o último dos disparates, fechar a linha do oeste entre a Figueira da Foz e as Caldas da Rainha. Uma linha que atravessa a zona do país mais densamente povoada não consegue ser rentável. Por falta de pessoas não o será, sobra por isso a incompetente gestão que tem sido feita. Olhem-se para os horários que têm sido praticados nos últimos vinte anos, com viagens demoradas, ligações desconexas e esperas longas e desnecessárias para se perceber isso mesmo. A estratégia de fechar tudo excepto a linha do norte e alguns suburbanos vem de há décadas. Nada tem a ver com a “crise”.

Gostava de ver um governo formado pelo PCP e pelo BE, só para perceber o que iriam fazer quando chegasse a hora de pagar salários e quando, passado um ou dois anos, o dinheiro dos “ricos” já se tivesse ido.  Se calhar nacionalizavam tudo para passarmos a ter em todo o lado a mesma excelência dessa CP que nem consegue fazer dinheiro passando pelo meio dele.

Lamentem-se, ou usando a novilíngua, indignem-se. Mas não se esqueçam do que fizeram ontem.

Gente Burra

Voz – Diga nomes de países da América do Sul.

Cátia – América do Sul não sei, voz, por acaso não sei.

Voz – Nem um?

Cátia – Hummm… (longa pausa)… áfrica? não sei.

Oh Cátia, qualquer dia acabas o 12º nas novas oportunidades…

Reiniciar

imagem Artigo 21º

Para não mudar de utilizador, que será mais um banqueiro qualquer. Para não terminar a sessão, porque estamos vivos, ainda respiramos. Para não nos deixarmos bloquear mais ainda. Para não suspenderem outra vez  a democracia, que continua pouca.

Reiniciar, ResetAngra do Heroísmo – Praça Velha Braga – Avenida Central Coimbra – Praça da República Évora – Praça do Sertório Faro – Jardim Manuel Bivar Lisboa – Marquês de Pombal Porto – Praça da Batalha.

Hoje às 15h. Em Portugal e no mundo.