A impotência é total

Liguei a rádio a caminho para o trabalho. As notícias das oito da manhã despertaram-me para a dureza dos dias e da realidade europeia. Freitas do Amaral, num tom preocupado, indignado, escolhia a palavra que ninguém gosta, a palavra que pensávamos ter saído do nosso vocabulário moderno, do do séc. XXI: «ditadura». A princípio pensei nos nossos ministros, mas depressa percebi que se referia a Merkel e a Sarkozy. Trata-se de dois «ditadores», duma ditadora franco-alemã que atua numa «pura ilegalidade». Será imperialismo, protetorado, hegemonia, colonialismo? – pergunta o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros. Repetiu: uma ditadura de dois chefes de estado /governo que mandam descaradamente sobre dezenas de países que permanecem pávidos e serenos, «cabeças ocas», passivos às deliberações dos primeiros, que há dias fizeram uma mini-cimeira a dois…
Que Europa é esta? A da democracia? A Europa à procura de um sonho comum?
De sonho é que não é.
A impotência é total.

Céu Mota

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.