Cante-se o Hino!

correio_da_manha_sapo(3)_pt

Como é ilustrado pela imagem, o CM anuncia que militares reservistas – ao fim e ao cabo, os  reformados ou pensionistas das Forças Armadas – vão receber subsídios de férias. O DN confirma, adiantando que o Ministério da Defesa (MD) “justifica a atribuição dos subsídios respeitantes a férias vencidas a mais de 500 militares que passaram à reserva fora da efectividade de serviço, até final de 2011”.

A justificação e a decisão do Ministério da Defesa merecem-me, à partida, as seguintes observações:

  1. Para todos os funcionários públicos, reformados da f.p., trabalhadores e pensionistas do sector privado; em suma, todos os trabalhadores civis e ainda militares e membros de órgãos de soberania remunerados pelo Estado, os Subsídios de Férias, reportados à anuidade anterior, vencem-se a 1 de Janeiro de cada ano.
  2. A justificação dada pelo MD, ao invocar tratamento de excepção, ilude, portanto, um princípio elementar e legal do tempo de vencimento do subsídio de férias, o que  agrava o caso de discriminação na aplicação do OGE de 2012 que, natural e racionalmente, os Sindicatos da Função contestam.

  1. A prática do MD quanto aos chamados “reservistas” poderá abrir um precedente de aplicação da mesma medida discriminatória em relação aos militares no activo.
  2. A medida em causa acentua a iniquidade política governamental, com a permissão de tratamento excepcional aos trabalhadores do Banco de Portugal (o Banco da Irlanda, com igual estatuto, cortou nas remunerações do pessoal ao abrigo do programa de austeridade), aos citados reservistas e porventura a outros militares no activo; e, ainda, aos trabalhadores da iniciativa privada a quem, sob a forma de imposto, deveriam ser aplicados cortes do tipo, de forma a que o sacrifício fosse distribuído por todos e com menor impacto nas remunerações de cada um.

Recordo-me das imagens da manifestação de ‘praças, sargentos e oficiais’, diante do Ministério das Finanças, em que militares, no activo e na reserva, entoaram o Hino Nacional.

Se cantar o hino resulta, então aqui vai um grito de incitamento: “CANTE-SE O HINO!”, frase que, por força de meras coincidências da vida, é homófona de “CANTE SUÍNO!”. Fenómenos da homofonia, e nada mais.

Comments

  1. maria celeste d'oliveira ramos says:

    Lá fico outra vez fora da carroça mas posso ainda inscrever-me no serviço militar ??? E terem-me “deportado” para Cabo Verde 6 meses também não serve ???
    O que é que eu tenho de ter e ser para não me roubarem ?? mais ainda ?? Só falate xonerarem-me sem dito a reforma


  2. Há sempre uns que são mais iguais que outros!!

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.