Queres que te meta, filha?

Por ARNALDO ANTUNES

– Queres que te meta, filha?
N. mostrava-se relutante. Acordara há poucos minutos e a última coisa que lhe apetecia naquele momento era levar aquilo à boca.
Nem sempre fora assim. No princípio, marchava tudo sem qualquer hesitação. Ainda A. se preparava e N. já estava de boca aberta. Agora, tornara-se esquisita e não aceitava qualquer coisa. Nem mesmo o olhar doce de A. a convencia.
– Queres que te meta, filha?
Paciente, A. sabia que a autoridade, com N., não funcionava. Já tinha forçado, no passado, abrindo-lhe a boca de forma violenta, mas ela tinha cuspido tudo. Daí que, nesse dia, A. tenha optado pela técnica da persuasão.
– Não queres, N.? Então não levas a sobremesa. Não gostas disto, também não levas mais nada.
Palavra que disseste! Como se tivesse uma alavanca dentro de si, N. abriu a boca e engoliu tudo, sorvendo até à última gota. Só parou no fim.
Contente por ter conseguido meter-lhe a sopa, A., a avozinha, beijou ternamente N., a netinha, e disse-lhe:
– Muito bem, meu amor. Agora, como prometi, vou meter-te o pudim.

Comments


  1. lin
    o,lindo,lindo…..paneleir………..

  2. Arnaldo Antunes says:

    É lindo, é. Fiquei inspirado depois de comer a tua mulher.

  3. Miguel says:

    Qual é o objectivo disto?

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.