SOFLUSA Totalmente Parada – Grande Vitória dos Trabalhadores

NEM UM BARCO BULIA NA QUIETA MELANCOLIA DAS ÁGUAS CALMAS DO TEJO
Zangados com o Plano Estratégico dos Transportes, os trabalhadores da Soflusa fizeram greve. Pararam!
No rio, os barcos balouçam calmamente ao sabor das águas.
Nas margens os trabalhadores, os outros que não os da Soflusa, com os terminais encerrados por questões de segurança, desesperam e tentam arranjar, uma vez mais, maneira de chegarem a horas aos seus trabalhos, ou, na pior das hipóteses, maneira de lá chegarem nem que cheguem atrasados. Todos sabem que na parte da tarde, quando tentarem regressar a casa vindos dos seus trabalhos, se vai repetir a mesma situação. Felizmente a Trantejo não paralisou, mas se o tivesse feito não seria a primeira vez que se viam a braços com nenhuma alternativa. Sabem no entanto, estes trabalhadores que não são os da soflusa, que se todos conseguirem chegar a horas aos seus empregos, fica provado que os barcos da Soflusa poderão não ser precisos para nada (modo de falar) e que, a fusão proposta no Plano Estratégico, com supressão de algumas carreiras é mais do que justificada, mesmo à custa de mais algum sacrifício das gentes do Barreiro.
Por sua vez, os trabalhadores, estes que são da Soflusa, exultam com a qualidade e com a intensidade dos seus protestos. Venceram e continuarão a vencer. Pararam os barcos que fazem o transportes de passageiros, trabalhadores como eles, e entendem que fizeram muito bem.
É com esta grande vitória dos trabalhadores que se construirá um Portugal melhor, mais digno, próspero e solidário.

Comments


  1. Boa, caro José!

  2. Maria Anjos Silva says:

    Só é de lamentar que a grande maioria dos trabalhadores ainda não tenha consicência plena que está a ser completamente arrasado por todo este Grupinho de Doutores bem instalados na vida a quem nada falta e que vivem essencialmente à conta dos nossos sacrificios.


  3. resumindo. nada de greves ou protestos. Os portugueses devem comer e calar. Aposto que de seguida vão defender por ai que deve vir para cá uma comissário europeu como se pretende fazer na Grécia. Mania que os que são calcados têm em protestar.


  4. Quando se assinala o facto dos Estados estarem cada vez mais vulneráveis face às oligarquias financeiras… não podemos de deixar de referir (entre outros) o factor Terrorismo_CGTP :
    – face a uma entidade pagadora em deficit (leia-se Estado), eles apresentavam propostas de aumentos – E NÃO – propostas de orçamentos… leia-se, queriam mais dinheiro não importa vindo de onde… leia-se, jubilavam quando os aumentos vinham… e… varriam para debaixo do tapete o facto da entidade pagadora ter necessidade de pedir dinheiro emprestado a (perigosos) especuladores, e necessidade de vender activos…
    .
    .
    ANEXO:
    Os povos em dificuldades… não se podem andar por aí a queixar… porque… «não são filhos de nenhum cabo especialista»!
    De facto, HÁ SÉCULOS E SÉCULOS QUE É A MESMA COISA:
    – sempre que um agiota quer ‘deitar a luva’ aos bens de alguém… o agiota acena com empréstimos… que sabe que não vão conseguir pagar
    RESULTADO FINAL: quem foi atrás do aceno de empréstimos (feito pelo agiota) fica na miséria… e o agiota fica com os seus bens!
    Hoje em dia, mega-agiotas não se limitam a acenar a famílias… eles acenam a países inteiros!
    .
    P.S.
    Sem dúvida que o objectivo final de tudo isto [Biliões para os banqueiros = Dívidas para as populações] é a implosão das soberanias!…
    .
    P.S.2.
    Em vez de se andar a perder demasiado tempo com idiotas úteis… há, isso sim, é que abrir os olhos para isto: AMEAÇAS… era uma coisa já esperada…

  5. Ricardo Santos Pinto says:

    Propões o quê, Zé, a proibição do direito à greve? Já esteve mais longe.


  6. Que ridículo…Primeiro queixa-se que não há barcos mas depois diz que já não precisa deles para nada.

    E depois ainda acaba com a seguinte frase

    “É com esta grande vitória dos trabalhadores que se construirá um Portugal melhor, mais digno, próspero e solidário.”

    S-O-L-I-D-Á-R-I-O?!? Percebe? Solidário, é exactamente aquilo que o autor do texto não é.

    Você não passa de um vendido!


  7. Meu caro Ricardo (aqui estou eu mais uma vez a ir contra a minha vontade de não comentar comentários),
    não sou contra o direito à greve, sou contra as greves que existem sem que todos os outros caminhos de negociação se esgotem e contra as greves que confinam abuso de poder.
    Há ainda um outro aspecto em que neste caso, como noutros, sou contra, os trabalhadores da Soflusa mostraram o seu total desprezo pela solidariedade devida aos outros trabalhadores ao lançarem mão, como quase todos os outros casos em que se têm feito greves, de meios que prejudicam os interesses legítimos de muitos milhares de pessoas que contribuem para os sustentar e que eles prejudicam sem que isso lhes importe.

  8. Nightwish says:

    Acho que sim, só deviam haver greves que não chateiem ninguém, só aos sábados e longe das ruas com mais pessoas. Protestos, só no meio da serra da Arrábida.
    Quem não aprende com a história está destinado a repeti-la. Quando voltarem as greves de à um século aí é que vai ser complicado.

  9. marai celeste ramos says:

    A greve é um grande instrumento de aviso mas hoje quem esá do outro lado já se precaveu e a greve nada significa e ainda se queixa dos prejuizos que tene – e apresenta os mlionários defitis de que duvido
    mas não dubido dos que ficam à beira rio a ver navios e não poder ir trabalhar para ter o pouco pão que ainda lhe dão
    ou seja gerve sim mas a inteligência não pode ser apagada porque se alguémnão faz greve é porque ou discorda de tanta greve ou está sempre a perder – SEM e com greve
    Quem tannto lhe faz com greve ou não é que quer greve e critica mas se calhar não faz mas dá muitas bocas – é um país de esboqueados – perguntem aos que são obrigados a greves não são sindicados – não são senão os que trabalham para não morrer

  10. Carlos II says:

    É assim: de greve em greve, até ao enterro final. De greves injustificadas, entenda-se.

  11. Nightwish says:

    Ouça lá, e os chineses deviam fazer greve? É que se sim, só temos que discutir em que ponto fazemos nós: se quando estivermos mais perto da Grécia de hoje ou mais perto da China de hoje, ou se ficamo-nos para quando chegarmos ao início do século XX.
    Que diabo, nalgum estado de calamidade económica, com demasiados ricos e demasiada desigualdade no país, havemos de ter esse direito, não?
    E se alguém já tiver percebido para onde vamos e quiser impedi-lo, tem obrigação de comer e calar até a chegar ao inevitável desastre e bancarrota?

  12. Pisca says:

    Gosto sempre deste tipo de análises, tanto como tirar sangue, mas estas são mais interessantes, só não consigo entender algumas coisas a ver:

    – Greve justificada ? É quando o Sr.da CIP diz que sim ou quando o Relvinhas deixa ?
    – Greve sem causar problemas ? É feita onde ? Na ilha do Pessegueiro ou nas Selvagens ?
    – Direito à Greve ? – Apenas e quando o Patrão/Governo e o Autor deste Post admite ?

    É cada um que enfim, só quero lembrar que quem faz Greve, DESCONTA NO SALÁRIO, custa dinheiro, perceberam ou tenho que fazer um desenho

    Uma coisa do tipo, gosto muito de futebol, mas se tirassem a bola e aquela coisa de andar a correr é que ficava bem, e já agora aquelas redes antes que alguém se magoe

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.