Um dia de greve são 150 milhões de euros… na Mota Engil?

Ter razão antes do tempo é uma coisa que acontece com frequência no Aventar. Desta vez o JJC teve a lucidez de sugerir que Sérgio Monteiro deveria ser levado em conta…

Na altura, confesso, não lhe dei a devida atenção, mas nos últimos dias fiquei com pena do professor de matemática do senhor secretário de estado, que em tempos terá andado pela Mota Engil.

Diz ele que o dia de greve custa ao país 150 milhões de euros.

Vejamos: com 22 dias úteis por mês, temos 264 dias no ano. Isto a multiplicar por 150 milhões dá qualquer coisa como 39600 milhões de euros. Atentendo a que o nosso PIB é o que é, há aqui algo que não bate certo nas contas do governo…

Arménio Carlos e bem, teve o cuidado de assinalar esta dificuldade contabilística do Sr. Secretário de Estado.

No entanto, esta  nota de admiração pelo erro do Sr. Secretário de Estado não apaga o falhanço da CGTP na liderança desta luta nos transportes: está em causa o trabalho e o serviço público. Todos o sabemos.

Mas, esta longa e complicada relação entre quem trabalha e quem usa os transportes é do ponto de vista de quem luta uma questão central. E Arménio Carlos e os restantes sindicalistas têm que perceber que este não é o caminho. A luta só faz sentido se for aceite pelo povo. Aliás, basta ver que foi por aí que José Sócrates andou quando tentou virar o país contra os Juízes, os Professores…

Temo, aliás, que este processo seja mais um argumento a juntar a outros: vamos privatizar os transportes, porque nas empresas privadas quase não há greves.

No entanto e ao contrário do que diz Carlos Osório o Direito à GREVE é de facto um direito e só é pena que seja tão pouco exercido em Portugal.

Os dados disponíveis mostram que em Portugal o número de Greves tem descido de forma inacreditável e que somos dos países europeus com menos greves.

Comments

  1. Pisca says:

    Não garanto, mas parece que o Sindicato dos Maquinistas não subscreveu o pré-aviso de greve, terás “as suas razões”

    Um pouco de historia, este Sindicato foi criado pelo PS/PPD, no ambito da Carta Aberta ou semelhante, para esvaziar o Sindicato dos Ferroviários nos anos 70

    Tal como lembrou há dias o Pacheco Pereira

  2. um dia de greve..dá na soflusa 10 a 15 mil que metem baixa…e uns 20 mil que chegam atrasados 15 mil baixas a 20 eurros em média…300 mil eurros
    tendo em conta que um quinto são funcionários públicos…custa quase zero
    20 mil atrasados 1hora ou duas em serviços variados e repartições dá digamos 20 euros a menos de receitas 400 mil eurros

    metro parado 300 mil atrasos de meia-hora…50 mil putos deixam de ter uma hora de aula em lisboa e outros 50 mil nem sequer aparecem…tamém custa pouco

    sujam menos o chão e poupa-se 3000 litros de lexívia e detergentes vários

    carris a meio gás…pouca coisa meio-milhão de bilhetame a 1,10 que não se vende..
    até porque quem comprou passe para um mês com 17 dias úteis e 3 de greve foi parvo

    passes da cp…idem quem vem do pinhal novo passa para a fertagus

    quem vem do barreiro tira o passe por coina… coisa banal para quem vive em Santo António..até porque os transportes colectivos do Barreiro tamém fazem greve

    cada dia dá uns 2 milhões de prejuízo às públicas empresas mas em contrapartida
    3500 lugares a 1600 a 2300 ao mês com um dia de greve…a 40 e 60 euros…
    3500 que fazem greve total x 40 e tal dá uns 150 mil em poupanças…

    assinado: gajo que andou de graça em dia de greve….
    como 2 milhões de outros que encheram tudo o que aparecia

    cá por mim era fazerem um mês de greve

  3. a partir dagora só ando na cp e na carris em dia de greve é muy mais barato…

    tem é mais romenos da cova da moura às carteiras

    felizmente os da zona j tamém encheram as carreiras…é um bom dia pra comprar ouro….

    na feira do relógio tamém vão aparecer cartões de cidadão para venda…e carteiras de pele…acho que a economia ainda ganha…

    em Lisboa o comércio até fica a ganhar havia tanta gente a andar à pata…

    prejudica é os centros de fitness e as farmácias do colesterol…

    são só 20 quilómetros até ao dafundo…faz-se em 3 horas
    cortando pelas avenidas novas fica em 2 horas e meia

    acabe-se com os transportes em lisboa…andem à pata como na covilhã….

  4. Olha, uma boa ideia: em vez de se trabalhar nos quatro feriados, trabalhava-se nos dias de greve, isso é que era dar lucro ao pais!
    Palhaçada.

  5. o país já tem lucro?

    é vendÊ-lo que amanhã ninguém o compra

  6. Um prejuizo desses… nem no Dubai!!!

Trackbacks

  1. […] Aventar: o Carlos Garcês Osório acha que o direito à greve não faz sentido nos dias de hoje, o João Paulo acha que faz, o Fernando Moreira de Sá pensa que a história de Pedro Rosa Mendes está mal […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.