O elogio

O porta voz do governo – um tal Luís Marques Guedes, se não erro – hoje, em conferência de imprensa, verberou severamente a CGTP por não querer assinar o “acordo” do salário mínimo e, pertencendo à “concertação social”, criticar sistematicamente os amorosos entendimentos entre patrões, governo e UGT.

Ena! Começar o dia recebendo um elogio destes, Arménio! Boa continuação.

Vai dar Merda

Espingardar na 25-Salazar.

A esquerda e a fossilização do homem pelo homem

A alma de paleontólogo do meu amigo Joaquim permite-lhe descobrir fósseis com uma aparente facilidade. Diz ele que a esquerda portuguesa é, toda ela, um fóssil babando uma revolta e uma ira anacrónicas.

Apesar de eu ser de esquerda, tenho de concordar que o Joaquim parece ter razão: a esquerda continua a defender as mesmas causas de há dezenas ou centenas de anos. No entanto, se analisarmos mais de perto, acabamos por descobrir que o fóssil é outro.

O problema é que a história que deu vida à esquerda está longe do fim. A esquerda existe e age, porque continua a selvajaria dos que, há milhares de anos, se alambazam com o trabalho alheio, negando-lhe, o mais possível, valor, considerando-o apenas despesa, ao mesmo tempo que usa a globalização para levar uma maioria a considerar que um emprego é uma benesse, mesmo que implique apenas direito a sobreviver, que viver é outra coisa. [Read more…]

O Terrorismo da Incerteza

Ainda alimento a esperança de que o fundamentalista Arménio leve a grande ganadaria minoritária de protestantes para uma avenida habitual de Lisboa, em vez de arriscar chatices e incidentes na Ponte 25 de Abril-Salazar. Se calhar chovem picaretas no dia 19 e lá irão eles, os camaradas, todos molhados, cuecas molhadas, bigode molhado, ventre rotundo molhado a pingar pela ponte, apanhando uma tosse, uma gripe, uma maleita qualquer. Se alguém se constipar, de quem será a culpa? Do Arménio, pá! Quis espingardar contra tudo e contra todos. Agora que se amanhe enquanto chove a cântaros. Se qualquer lugar serve para espingardar, por que motivo tem de ser na Ponte, sujeitos a uma rabanada de vento derruba-camaradas, asa delta à força o camarada gordo agarrado à tarja a pique no Tejo, pá?! A CGTP-PCP continua muito caprichosa e insiste em aterrorizar-nos com a incerteza de uma manif pachorrenta ou incendiada pelas endorfinas eufóricas da travessia Almada-Lisboa. É um escândalo que algumas entidades se acovardem e não digam o óbvio: a marcha é uma criancice tola. E não pode acontecer.

Dou-me conta, e digo-o muitas vezes, que não vale a pena procurar com uma lanterna uma só voz autorizada, forte, liderante, digna de respeito em Portugal. É o deserto. Um Primeiro-Ministro fraquinho. Um Presidente fraquinho cheio de medo de ser mal-interpretado e indirectamente conspurcado com as aselhices do amigo Machete, todos os ex-Presidentes irrelevantérrimos, com excepção não-rapace de Eanes, pontificando nesse triste friso III-republicano Zero Soares e Zero Sampaio; uma Oposição indescritivelmente fraca, submissa e incapaz de mobilizar convincentemente um átomo de gente. [Read more…]

Derrota Técnica, Sucesso em Seco

Arménio FóssilPor imperativos de bom senso e mínimos de segurança, a propalada manif-marcha do próximo dia 19 de Outubro não poderá decorrer na Ponte Salazar-25 de Abril.

Não será, mas já é um sucesso. Não acontecerá, mas já é uma vitória. Após pareceres negativos de duas entidades, Conselho de Segurança da Ponte Salazar-25 de Abril e PSP, a manif na Ponte foi interditada. Inconvenientes técnicos ditam o fim da fantasia, da pose em grande, coisa que não se coloca à alternativa, a pista n.º 1 do Aeroporto da Portela, com a anuência de todas as entidades, incluindo o Observatório de Aves em instalações aeroportuárias e os caçadores de gambuzinos.

Entretanto, o secretário-geral da CGTP-PCP, Fóssil Espingardante Camarada Arménio, considera virtuais os pareceres negativos do Conselho de Segurança da Ponte e da PSP: não os recebeu nem por carta, telex, telegrama, ou e-mail, nada. Já o ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, garante que dois pareceres contrários é muita areia para as pretensões desafiadoras da CGTP-PCP e que os comunicados técnicos negativos já foram devidamente remetidos ao PCP-CGTP, tendo mesmo as câmaras municipais de Lisboa e de Almada manifestado a sua completa incompetência para quaisquer pronunciamentos pela autorização ou não da realização da marcha pontifícia que-era-para-ser.

A comunicação social veiculou a novidade mas, segundo Fóssil Camarada Espingardante Arménio, isso não chega. Nada lhe chegou às mãos. Importante é que alternativas existem: a Pista n.º 1 da Portela. O problema deixou de ser rodoviário. Passou a aéreo. Os aviões podem esperar.

Arménio, o Espingardador Radical

A hora oportunista da CGTP, isto é, do PCP, chegou e é a da radicalização, seja na ponte Salazar-25 de Abril, seja em outra ponte qualquer. Radicalizar o risco. Erigir o patético. Criar espectáculo. Imitar a escala brasileira do protesto e talvez do descontrolo. Eis tudo. E porquê esta sanha nova, fase seguinte, do PCP-CGTP pelo patético e a pantomina nas manifestações rotineiras de Outubro-Novembro-Dezembro? O que é possível mudar nas Políticas Europeias e do Governo em Funções sem o poder de ruptura de uma invasão extraterrestre, sem a força transformadora de um assassínio político, sem o virar de tabuleiros de uma guerra continental?! Nada. Porém as coisas correram muito bem ao PCP nas autárquicas. Portanto, a manif rotineira de 19 de Outubro quererá subir de tom, provocar o Governo, confrontar as polícias, engendrar vitimas involuntárias, levar o protesto minoritário ao patético e ao truque da maioria minúscula que tornou célebre o desvanecente Bloco. Em suma, Arménio passou-se e aí vai ele, de peito feito, na sua fantasia vã e caprichoso aventureirismo. A tradicional disciplina manifestante da CGTP-PCP não é um dogma religioso nem uma fatalidade papal.

A Ponte é um Symbolo. Foi na Ponte e graças à Ponte que o último Governo Cavaco tombou fragorosamente graças a um erro do animal ávido-BPN Dias Loureiro. Portanto, nada mais auspicioso que o PCP regressar à Ponte em nome das massas populares, dos trabalhadores contra as Políticas de Direita. [Read more…]

O 2 de Março e a CGTP

O Tiago Mota Saraiva queixou-se, mui justamente, de como passou em sepulcral silêncio, na comunicação social, um facto inédito: Arménio Carlos “apelou a que nenhum trabalhador ficasse em casa no dia 2 de Março“. Eventualmente a CGTP terá nos idos de 75 “apelado de uma forma tão clara à participação de todos os trabalhadores numa manifestação em que aquela central sindical e/ou sindicatos filiados não fizessem parte da sua organização“, mas não também não me recordo que o tenha repetido.

Pois em silêncio absoluto, não fica. Agora é espalhar o vídeo, não chegamos a todos mas chegamos a muitos. E o que depois anda de boca em boca, é esse o segredo ó Relvas, a todo o povo entretanto chega.

O Berlusconi da CGTP

Há uns dois ou três anos, uma graçola daquelas em que Berlusconi se tornou perito consagrado, colocou toda a gauche em polvorosa. Referindo-se a Obama, o berluscas dizia algo a respeito do habitante da Casa Branca e logo acrescentava que “ainda por cima já vem bronzeado”. Unidas as câncias e oliveiras de todo o comentadeirismo nacional, o italiano foi justamente arrastado para onde se sabe.

Parece que ontem o sr. Arménio proferiu um desabafo a respeito de Suas Majestades os Reis Magos, tomando como alvo o seu simulacro agora em portuguesa labuta. Oriundo da Etiópia e de imperial nome Selassié, foi topado como escurinho. Pelos vistos, o PC e os seus seguem á risca os prestimonsos ensinamentos dos tempos em que os estudantes negros na extinta URSS sofriam tratos de polé nas universidades, institutos e residências estudantis. É que isto das fraternidades não é para todos.

O Sr Arménio Acusa o Governo de Usar a Polícia de Choque para Intimidar os Grevistas

.

(video antigo)
Terá o sr Arménio razão nas suas acusações?
Para que servem e a quem servem os piquetes de greve?
E haverá quem não adira à greve? A que custo?
Que pensam as pessoas nas ruas?
A GREVE NA EUROPA
Tumultos por todo o mundo grevista.

Arménio Carlos adere (?) a posições da Causa Real

Isto, a propósito da questão dos limites ao défice a colocar na Constituição.
Colocar qualquer tipo de limites na Constituição, é por si só, um abuso de poder e um despautério de arrogância que roça o insuportável, pois até pode ser apontado o facto de existirem países onde nem sequer existe um texto constitucional e que para azar da gente da toga, são democracias muito mais refinadas que este simulacro vigente. Ora, os constituintes de 1976 assim o fizeram sem pejo e ainda hoje esses limites de implícita aura pretensamente divina, são o produto de aturada defesa por parte de Jorge Miranda e anexos. São os chamados Limites Materiais que pelos vistos, a Intersindical indirectamente acaba de reconhecer serem monstruosos. São-no de facto e a sua pura e simples eliminação é uma das exigências da Causa Real. Decerto todos percebem porquê, embora haja um ou outro estarola da mesa do Estado que pretenda o contrário, recorrendo aos habituais rodriguinhos jurídicos. Aliás, a existência do Artigo 288, é um convite à ruptura, ao recurso à força. Como em 1910, 1926 e 1974, por exemplo. Para ficarmos por aqui.

Morrer da Austeridade e Morrer da Greve

Não acredito de todo nesta Greve ‘Geral’, embora acredite no Protesto, se for justo, focado, bem explicado e viral, para ter o máximo de sucesso transformador. Por exemplo, sem protesto e sem luta firme contra corruptos e processos criminosos de governação também não há grande moral para nos queixarmos do que temos e amargamos, consequência a jusante do Mal que consentimos.

Por que se não protesta contra a por enquanto notória fraqueza governamental diante de contratos assassinos do presente e do futuro nas PPP recentes, cuja face é a do Mal Cívico Absoluto? Quem os negociou ou tolerou comportou-se de modo Obsceno, Imoral, contrário à Ética e ao Zelo pela res publica. É também isto que apressa a morte dos nossos velhos, nos angustia a nós e deprime a nossa Pólis.

A somar aos males depositados no colo inocente dos cidadãos, o Arménio arma mais uma castrada e castrante Greve ‘Geral’ que só servirá para nos matar ainda mais, ainda mais agachados contra o beco sem saída do Nada, subordinados ao Nada sem Nada a contrapor aos que nos emprestam ou não dinheiro. O Protesto Impotente do Mendigo não resolverá jamais a sua mendicidade.

Nesta fase tardia de apodrecimento, e já mortos pelo braço da Austeridade, morreremos ainda mais depressa pela mão apertada do Protesto-Paralisação Estéril. Hoje, a prometida Paralisia Geral a que se chama Greve será o que sempre foi. Folclore Macabro. Nulidade Prática. Havia outros caminhos que esta gritante e sôfrega falta de criatividade.

Na comida, no sexo, em tudo, falta de criatividade sempre representou muito pouco amor.

Carta Aberta ao Fóssil Arménio

Meu caro Arménio Fóssil Carlos, o meu caro não pense que este que lhe escreve está incondicionalmente do lado das políticas de direita deste Governo como muito menos esteve aquando do desgoverno UltraDireita patrulheiro-trauliteiro socialista. Não. O que nos separa é o facto de eu pensar pela minha cabeça e o camarada Fóssil pela do Comité Central Ortodoxo milenarista. Mas, nesta carta aberta, a minha mensagem é muito simples e resume-se nisto: ainda está a tempo de desconvocar a peregrina Paralisia PseudoGeral de Quinta-feira. [Read more…]

Um velho caminho para CGTP

A CGTP mudou!

Uma história que vai para o terceiro acto: congresso, manifestação e greve  geral!

Carvalho da Silva foi durante algum tempo – especialmente no último mandato – um dirigente que parecia valer mais que sua organização. Talvez por isso o PCP o tenha “suportado”, até porque os estatutos da Inter resolveriam o problema.

Entrou Arménio Carlos e chegou a hora de afirmar a diferença. A estratégia política da CGTP é hoje muito clara: mostrar que a CGTP voltou à casa mãe. Mais uma Greve Geral mostra bem essa realidade onde parece haver muito pouco (nenhum!) cuidado em ouvir quem trabalha. Alguém decide, marca-se e ponto final! Um erro porque leva a única organização de trabalhadores do nosso país para um canto que não é o seu!

 

Um dia de greve são 150 milhões de euros… na Mota Engil?

Ter razão antes do tempo é uma coisa que acontece com frequência no Aventar. Desta vez o JJC teve a lucidez de sugerir que Sérgio Monteiro deveria ser levado em conta…

Na altura, confesso, não lhe dei a devida atenção, mas nos últimos dias fiquei com pena do professor de matemática do senhor secretário de estado, que em tempos terá andado pela Mota Engil.

Diz ele que o dia de greve custa ao país 150 milhões de euros.

Vejamos: com 22 dias úteis por mês, temos 264 dias no ano. Isto a multiplicar por 150 milhões dá qualquer coisa como 39600 milhões de euros. Atentendo a que o nosso PIB é o que é, há aqui algo que não bate certo nas contas do governo… [Read more…]

Como ouvir a esquerda?

Posso sentir uma alergia burguesa a à dureza repetitiva da retórica comunista ou uma aversão provinciana aos tiques lisboetas de muitos bloquistas, posso não gostar que alguma esquerda consiga descobrir virtudes em regimes tenebrosos como o da Coreia do Norte ou de Cuba, posso detestar o conservadorismo sindical na escolha das formas de luta, posso, até, ver com desagrado a promiscuidade entre partidos e sindicatos (que, apesar de tudo, me parece mais legítima do que aquela que ocorre entre governo e empresas).

Ultrapassando as críticas e as embirrações, como é possível não ouvir com atenção as palavras de Arménio Carlos nesta entrevista? É um comunista empedernido? Partilhará, com os seus camaradas, de uma estranha admiração por ditadores sinistros? Convive mal com a queda do Muro de Berlim? Talvez sim, mas não é verdade que os trabalhadores têm perdido direitos? Não é verdade que os problemas do défice se devem a uma gestão incompetente e corrupta dos dinheiros públicos, pela mão de sucessivos governos? Não é verdade que, em muitos casos, os prejuízos do Estado se devem, por exemplo, a contratos leoninos que favorecem privados, como é o caso da Fertagus? Insistir em retirar direitos aos trabalhadores, injustificadamente, poderá ter outro nome que não seja “exploração”, mesmo que isso incomode Mário Crespo? [Read more…]

CGTP – E agora?

Carvalho da Silva, CGTP

Uma imagem da RTP, por Tiago Petinga, Lusa

Está a decorrer o Congresso dos Trabalhadores Portugueses, isto porque considero que a CGTP é a única organização que realmente representa quem trabalha!

Com uma cobertura mediática nunca antes vista, milhares de sindicalistas estão reunidos em Lisboa para, entre outras coisas, assistirem à passagem de testemunho entre Carvalho da Silva e Arménio Carlos, sendo que, como todos têm afirmado, a CGTP é muito mais do que uma só pessoa. Mas, ao contrário sou dos que pensa que o Carvalho da Silva dos últimos anos, valeu sempre mais que a Central.

Já escrevi sobre esta questão antes, mas há ainda algo mais por dizer. [Read more…]

Um Comunista Seguidista e Ortodoxo à Frente da CGTP

CARVALHO DA SILVA VAI DEIXAR SAUDADES
CGTP PERDE AUTONOMIA FACE AO PCP
Vai ser desta que a CGTP se reforma e reformula. 69 membros dos seus conselho nacional, comissão executiva e secretariado, saem por força do novo regulamento, prevendo-se que sejam substituidos por membros mais afectos à linha comunista seguidista e ortodoxa do PCP, a começar pelo novo líder, Arménio Carlos.
Ao longo dos últimos quatro anos, a autonomia face ao partido comunista conseguida durante mais de vinte anos por Carvalho da Silva, tem vindo a esmorecer, por via do aumento de protagonismo do novo líder a eleger entre hoje e amanhã no XII congresso da CGTP, conhecido por ser obstinado, rigoroso, competente e exigente e pelas suas fortes ligações à linha ortodoxa do PCP.
A julgar pelas últimas declarações ouvidas, a CGTP prepara-se para endurecer a luta dos trabalhadores, de uma forma que se traduzirá num enorme erro que a médio prazo dará os seus frutos.
Os trabalhadores Portugueses não embarcam facilmente em lutas obstinadas que, em defesa de certos princípios, lhes faça perder os poucos empregos que ainda há.
Os trabalhadores Portugueses procuram estabilidade, coisa que a CGTP nunca conseguiu ver muito bem, e se prepara para ver ainda pior.

Secretário-Geral da CGTP

Carvalho da Silva e Mário Nogueira

Carvalho da Silva e Mário Nogueira, via Jumento

A CGTP – Intersindical Nacional é a Confederação que em Portugual representa quem trabalha. E esta afirmação assim, solta, faz todo o sentido no contexto do acordo de (des)concertação social. De facto, quem assinou foram os patrões, o governo e o PSD, com a mão do João Proença. Se é dito à boca cheia que a CGTP é controlada pelo PCP também todos o sabem, o PSD domina a UGT!

A luta dos trabalhadores, no seu sentido mais nobre, é feita, no plano sindical, apenas pela CGTP. Haverá certamente leitores que já desistiram de continuar a leitura deste post, mas importa dizer que enquanto a distribuição da riqueza continuar a cair, cada vez mais, para o lado do capital, faz todo o sentido a existência de sindicatos, por natureza, um colectivo de quem trabalha.

Feita esta introdução sobre o verdadeiro significado da CGTP, será interessante pensar o que vai ser a CENTRAL nos próximos anos. Carvalho da Silva sai no próximo fim-de-semana e Arménio Carlos será eleito Secretário – Geral da CGTP. Dentro do movimento sindical todos o sabem e fora também: vermelhos.net, Expresso, Sol,etc… Colocou-se em alguns espaços a possibilidade de Mário Nogueira ascender à liderança da CGTP, mas quem conhece a INTER sabe que um “não – operário” nunca poderia, nos tempos que correm, ser o Secretário – Geral. Sim, ainda é assim! [Read more…]