Hoje dá na net: Zeca Afonso – Ao Vivo no Coliseu, 1983

Em 29 de Janeiro de 1983 realiza-se o espectáculo no Coliseu com José Afonso já em dificuldades. Participam Octávio Sérgio, António Sérgio, Lopes de Almeida, Durval Moreirinhas, Rui Pato, Fausto, Júlio Pereira, Guilherme Inês, Rui Castro, Rui Júnior, Sérgio Mestre e Janita Salomé.

Este a RTP lá teve de gravar. Sabia-se que a doença era irreversível e já parecia mal. Não havia um único grande concerto de José Afonso gravado pela televisão portuguesa.

Comments

  1. Joao Calado says:

    Vai ser exibido as 15h24 de 5ª feira (dia 23/Fev) e repete as 23h17 do mesmo dia.

  2. Carlos Lacerda says:

    O Coliseu é o do Porto, não é o de Lisboa, apesar de não aparecer qualquer menção na gravação. O funil à beira-Tejo plantado é mesmo assim, acha que ainda é capital do império decrépito. Suga tudo, apascenta-se com o trabalho do povo que está entre o Minho e o Algarve e vive à grande, entre Lisboa e Cascais.


  3. Lamento Carlos, mas é o Coliseu dos Recreios. Foi um espectáculo único, e se fosse no Porto a RTP dizia logo que era muito caro deslocar meios para o gravar. Pode comprovar aqui:
    http://www.aja.pt/jose-afonso-editado-em-dvd/

  4. Carlos Lacerda says:

    Tem razão. Confundi com o concerto que José Afonso deu em 25 de Maio de 1983, no Porto, e que foi o último espectáculo em que participou. A RTP de então tinha meios, no Porto, para o gravar o que provavelmente não acontece hoje, porque está centralizada em Lisboa (o tal funil, ou sugadouro).
    O ambiente do concerto no Porto está descrito num artigo de Nuno Corvacho, publicado no semanário Grande Porto em 2009, reproduzido aqui:
    http://www.aja.pt/despedida-de-zeca-afonso-aconteceu-no-coliseu-do-porto-ha-26-anos/

  5. Joao Calado says:

    a RTP continua a ter meios no Porto e em Lisboa e em Coimbra e em Faro e em Évora em… e continua a produzir programas portugueses em todo o país. A RTP não fala nem decide. A RTP é uma empresa, não é uma gaja.


  6. A RTP que só filmou um concerto do Zeca Afonso nem era uma empresa nem uma gaja: sempre foi a primeira puta do regime. E nem no PREC o fez, foi a meretriz de um partido do regime, que não gostava nada do Zeca quando ele parava de cantar e falava sobre a revolução,

    • Joao Calado says:

      é precisamente essa ideia que repudio não apenas pela ordinarice das palavras escolhidas mas tambem pela assuncao de que a RTP é uma coisa má ou que faz mal às pessoas. Identifiquemos quem estava em posição de decidir e decidiu mal mas não falemos mal dessa “coisa” imprescindivel à nossa cultura que nem ela nem os que lá dão o seu melhor terão qualquer culpa. E, já agora, postemos comentários sem ordinarices, ok?


  7. A RTP sempre foi ordinariamente órdinária (sim, com dois acentos), enquanto teve o monopólio da televisão em Portugal. Depois melhorou, em parte, sem dúvida.
    Identificar quem decidia na RTP? tanta gente, que até por lá passaram bons profissionais, duraram foi pouco.
    Note que eu nem tenho nada contra a RTP, a cuja privatização até me oponho, mas que é o espelho do poder, outra coisa não seria de esperar.
    Quanto a ordinarices nos comentários aos meus posts, desculpe lá, mas aqui o estado é meu.

  8. Joao Calado says:

    esta apresentado! fique lá com o seu estado ressabiado


  9. Gosto de ressabiado. Sempre me fez lembrar por alguma estranha homofonia as vassouras de piaçá, um objecto bem mais simpático do que os aspiradores.

  10. Victor Piedade says:

    Fiquei emocionadíssimo! Lembrei quase que cada dia do sonho da “revolução”. E já se lá vão tantos anos.. e tantos sonhos desfeitos…
    Que outras vozes se levantem!!
    Victor Piedade
    Manaus – Brasil
    Eternamente Português!!

  11. anonymous says:
  12. Carlos says:

    Deixo aqui o meu agradecimento por este concerto tão especial! Muito obrigado!!!


  13. quero ter amisade

Trackbacks


  1. […] Hoje dá na net: Zeca Afonso – Ao Vivo no Coliseu, 1983 […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.