25 poemas de Abril (V)

 
O Viandante
 
Trago notícias da fome
que corre nos campos tristes:
soltou-se a fúria do vento
e tu,miséria, persistes.
Tristes notícias vos dou:
caíram espigas da haste,
foi-se o galope do vento
e tu, miséria, ficaste.
Foi-se a noite,foi-se o dia,
fugiu a cor às estrelas:
e, estrela nos campos tristes,
só tu, miséria, nos velas.
 

Carlos de Oliveira

Comments

  1. O seu aluno do 8ªE says:

    Quem roubou o comando?

  2. Gajo Republicano Laico e Mação... says:

    O Vi Cavaleiro andante e ia apeado e a fugir dos tudescus ou do carlos cruz?

    Trago notícias da fome
    Por aqui inda se come
    e quem corre nos campos tristes:
    é porque nã veio prá cidade
    quiçá falta d’oportuna idade
    ou tenha na mioleira uns quistes

    soltou-se a fúria do vento
    apesar das altas pressões estacionadas
    e de momento a momento
    chegarem umas pingas molhadas

    e tu,miséria, persistes.
    em falar da gorda miséria
    gordura és tudo e existes
    na pobreza desta histéria

    Tristes notícias vos dou:
    caíram espigas da haste,
    pois a terra nem se molhou
    e nã há agricultura que baste

    foi-se o galope do vento
    no anticiclone parado
    ficou-nos apenas s.bento
    e muito gaijo marado

    foram-se os mestres velhos
    e tirando o pedagógico traste
    e sem relhos nem trabelhos
    tu, miséria, ficaste.

    Foi-se a noite,foi-se o dia,
    ficou-nos o lusco fusco
    e a mioleira se perdia
    vendo a série do crepúsculo

    fugiu a cor às estrelas:
    e, estrela nos campos tristes,
    tu que és tudo quanto existes
    só tu, miséria, nos velas.

    e já há 900 anos…
    somos cretinos inumanos

    Carlos de Oliveira

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.