Catarina Martins e João Semedo à frente do Bloco

Pelo menos é o que se diz na comunicação social.

No texto do Francisco Louça podemos ler

“Para pensar esse novo modelo de direção fiz uma única sugestão: que a nova representação do Bloco seja assegurada por um homem e uma mulher. Sei que aparecerá o argumento de que isto não é tradicional e que este modelo, que entre nós foi proposto pelo Miguel Portas, é demasiado inovador. Penso o contrário: a renovação de estilos de liderança com a representação de homens e mulheres – já estamos no século XXI -, é o caminho normal da esquerda. Temos quem assegure esta capacidade de liderança. Como noutros partidos europeus, este modelo acentua o trabalho coletivo na direção e no movimento e é assim que nos fazemos mais fortes.”

No Expresso e no Público não há dúvidas: Catarina Martins e João Semedo são os eleitos, pelo menos no que ao Louça diz respeito porque me parece que haverá um Congresso para os eleger, certo?

Mas como primeira ideia subscrever por inteiro a proposta, sendo que me agradaria mais a Ana Drago e o João, mas mais importante do que discutir as pessoas importa perceber o que é que o BE quer fazer com a força que tem: ser apenas parte da análise ou também parte da solução? Quer ser só oposição ou também quer ser governo?

Comments

  1. maria celeste ramos says:

    Pois João Semedo sem dúvida – Ana Drago tem fibra e não diz disparates mas a outra senhora não sei se sei quem é – mas o BE não tem “anormais” pelo contrário tem gente inteligente e de grande cultura e compromisso e fala das coisas importantes para o país – não engonham não falam vazio nem fazem que andam e afinal nunca dão um passo, nem certo nem errado – não há fantochada – se qurem ou não ser governo não sei até onde lá poderão chegar e sobretudo fazer sem serem siderados pela “quantidade” (vazia inculta e manhosa e de jogos indecentes)

  2. Konigvs says:

    Acho que Louça foi clarividente e sai num momento oportuno. O Bloco andou muito mal durante os dois anos cometendo vários erros fazendo crer a todos que não quer ser governo mas sim lutar com o PCP para ver quem ganha o título de partido mais à esquerda. E é por culpa de ambos que temos hoje, o governo de direita mais incompetente de sempre.

    As pessoas cansam-se de ver sempre os mesmos rostos, gostam de variar, gostam de se esquecer das trapalhadas dos políticos para os porem de novo no poder. Esqueceram a vergonha que foi a governação de Cavaco, os polícias contra polícias, as cargas sobre os estudantes e vergonha da ponte e puseram-no depois na presidência, esqueceram a modernaça e os submarinos e deram depois, ao senhor das feiras e da lavoura o melhor resultado de sempre do CDS. Louça, pelo simples facto de ser o líder político no ativo há mais tempo está desgastado e as pessoas já se cansaram por ver a sua cara nas televisões. E já agora que esta mudança, traga também novidades no comportamento do partido perante o cenário político atual.
    Eu,se voto em partidos, apesar de não acreditar nesta oligarquia, é porque quero que sejam governo, só para ser voz de protesto então risco o meu boletim e insulto-os do pioro. Faz-me sentir melhor.

  3. luis says:

    Louçã já havia de ter saido, após a “coça” que levou nas legislativas. Ninguém acha estranho esta sugestão do Louçã? O Bloco vive numa dinastia, onde as sucessões são nomeadas pelo anterior coordenador? Estas movimentações levam à descredibilização do partido, parece um conjunto de amigos que se juntou e vai rodando a cadeira. Era bom que o Bloco saisse forte deste processo, mas tenho muitas dúvidas.

  4. art.almeida says:

    Pois, Pois. Faltará apenas um menino por comparação com a “sagrada” Família. Se Tudo isso se passar num qualquer curral,não faltarão os burrinhos à volta da manjedoura

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.