31 de Agosto ou recomeçar de novo

Recomeçar de novo… sempre gostei desta frase.

O realizador Joachim Trier (1974) coloca-a em questão no seu filme Oslo, 31 de Agosto que deve estar a estrear por estes dias: esta é a história de um homem novo, 34 anos, que se pergunta se ainda é possível recomeçar de novo.

J.T. pergunta ainda: «Tínhamos obrigação de ser felizes. Porque é que não somos?»

Porque é que não somos felizes, não obstante termos vidas confortáveis?

As críticas são muitas boas. Talvez seja uma boa sugestão para Sair de casa!

Agora que acabaram as férias e voltamos ao trabalho, recomeçamos de novo, de certa forma.

Mas há outros recomeços importantes a implementar… É positivo termos este sentimento de que nos são dadas outras oportunidades…

E outra coisa: «a obrigação de sermos felizes»…

Comments

  1. maria celeste ramos says:

    O que seria do homem sem ciclos – o do seu aniversário, o do dia e noite, o das 4 estações, mesmo que solstícios e equinócios andem atrapalhados – o de trabalho e férias – os ciclos que nos acordam e recordam — tudo – o dos feriados e dias santos – ciclos e rimos para conservação da memória e memórias

  2. maria celeste ramos says:

    Ritmos em lugar de rimos – estou a ouivir na SICÂngelo Correia e Jorge Silva – ciclos tão penosamente repetidos no conteúdo e forma – a repetição indesejável

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.