Acordo ortográfico: mas então não íamos todos escrever da mesma maneira?

Pedro Almeida é um cidadão brasileiro que se apresenta profissionalmente como “Editor-representante de autores e obras”. Neste texto, com base na sua experiência profissional (nos últimos dois anos, trabalhou numa editora “cuja matriz é portuguesa”) transmite uma visão arguta sobre a inutilidade do chamado acordo ortográfico (AO90) como meio para melhorar a comunicação entre brasileiros e portugueses, desmontando, mais uma vez, a ideia de que, com o AO90, passaríamos todos a escrever da mesma maneira e que, portanto, seria possível publicar uma edição única do mesmo livro no Brasil e em Portugal. Repita-se e relembre-se: não há uniformização da escrita, para além de não haver sequer uniformização ortográfica.

Aqui fica uma citação: “No trabalho editorial, muitas vezes tive de traduzir livros de autores portugueses ou, ao adquirir a tradução portuguesa de um livro escrito em inglês, traduzir esta versão para o português brasileiro.  Novamente, hifens e acentos não representavam nem 10% das diferenças.  Vocabulário, ordem e encadeamento das frases, expressões, essas sim, eram importantes para a compreensão do texto.”

Comments

  1. maria celeste d'oliveira ramos says:

    Não há acordo – o que não presta cairá por si – e os lulas que vão para a casa deles que nem isso ganharam – tratem lá dos favelados e vão xatiar para outro reino – ai que foram mesmo invadir angola e se nem nunca foram colónia são agora aprendizes de colonizadores – a puta que os pariu – levem também as casas de alterne e também a AR que é a maior casa de alterne que já fala brasilês

  2. Pedro Marques says:

    O que é que o amendoin tem a ver com cebolas? Alguém que me explique. Não me parece que cebola no Brasil queira dizer amendoin.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.