Ministério da Educação: como despedir trabalhadores necessários

pblico 1set2012A notícia já tem alguns dias, mas vale a pena, ainda, comentá-la: desde 2009, o concelho do Barreiro perdeu 222 professores, enquanto o número de alunos tem aumentado.

As causas para este facto são apontadas na mesma notícia: os mega-agrupamentos, o aumento do número de alunos por turma, a redução da carga horária de algumas disciplinas e a redução de pessoas nas direcções.

Se se tivesse a certeza de que alguma dessas medidas serviria para melhorar as condições de trabalho das escolas, ainda poderia concluir-se que havia professores a mais. A verdade é que são prejudiciais para aquilo que é essencial: as aprendizagens dos alunos.

Pelo meio, esta situação torna ainda mais risível a propaganda que aponta a baixa de natalidade como causa para a dispensa de milhares de professores: mesmo admitindo que na maioria dos concelhos o número de alunos possa ter diminuído, ao contrário do que acontece no Barreiro, a diminuição de nascimentos está muito longe de justificar o despedimento maciço dos últimos anos.

A repartição do Ministério das Finanças a que chamam Ministério da Educação soube inventar maneiras de despedir trabalhadores fundamentais, prejudicando, desse modo, o país. Com uma opinião pública desinteressada, qualquer declaração vaga sobre natalidade ou rácios constituem bacalhau bastante.

Comments

  1. SÃO TUDO TRUQUES E ESQUEMAS PARA LIXAR O POVO . NÃO FAÇO PARTE DO ENSINO , MAS NÃO ACREDITO NUM PAÍS SEM UMA BOA ESCOLARIDADE .

  2. Jota says:

    Parece que Socrates já terminou a licenciatura de Filosofia em Paris, Agora tem intenções de concorrer no próximo concurso de professores, ingressará automaticamente no topo da carreira (por equivalências obtidas e experiência detida a malhar nos professores).

Trackbacks

  1. […] para o despedimento de cerca de 40000 professores nos últimos quatro anos. Mesmo sabendo que as verdadeiras razões são outras, note-se, ainda assim, a contradição: o número de alunos com necessidades educativas especiais […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.