Subsídios para uma teoria geral da resistência silenciosa

duran adam

http://bit.ly/1035x9Q

O conceito “resistência silenciosa” voltou à ordem do dia, com o duran adam.

Como podemos ler no Público (via agências), o protesto mais visível

[F]oi protagonizado na segunda-feira pelo artista Erdem Gunduz, que, durante várias horas, ficou, de pé e em silêncio, frente ao retrato de Kemal Ataturk, fundador da moderna Turquia, na Praça Taksim. Centenas de pessoas juntaram-se ao mudo protesto, antes de serem dispersadas pela polícia, mas nesta terça-feira dezenas de outros turcos seguiram-lhe o exemplo, permanecendo de pé, e em silêncio, na emblemática praça que se tornou símbolo da revolta.

Para a resistência silenciosa ter impacto, precisa de ser perceptível ou, em última análise, visível. Contudo, como sabemos, há quem prefira pôr o Tarnhelm e deturpar o campo semântico de “manifesta apatia”, confundindo-o com o de “silenciosa resistência”.

Como exemplo prático de resistência silenciosa, desaconselha-se, obviamente, o da direcção d’A Bola e recomenda-se, vivamente, o de Erdem Gündüz. Como epígrafe, sugere-se este parágrafo do Marx in Soho:

HZ Marx in Soho

Post scriptum: Outro potencial contributo para uma teoria geral da resistência silenciosa será o “we are past the point where silence is passive consent — when a crime reaches these proportions, silence is complicity” deste texto, cuja autoria costuma ser atribuída a Noam Chomsky, Edward Herman, Edward Said e Howard Zinn. Contudo, leiamos os esclarecimentos de Chomsky:

As is commonly true, in this case too the people who do the real work and deserve the credit are generally unknown, more’s the pity. I presume I’m speaking for the other signers too in saying that we agreed to sign for the usual ugly reasons: unless there are familiar names, it won’t be picked up (as it has been) by newspapers abroad, occasionally here, and recirculated by lots of others. Profound flaw in the culture and society, but we have to live with that while addressing immediate issues.


Comments

  1. nightwishpt says:

    Não me parece que a resistência pacífica tenha alguma vez levado a alguma mudança. Só com medo é que os líderes fazem pelos cidadãos.
    Nem o Ghandi nem o Mandela teriam tido sucesso sem outros a serem os ‘terroristas’.

Trackbacks


  1. […] derrotou os All Blacks, o jornal da resistência silenciosa em tempos de liberdade (efectivamente, A Bola) deu-nos mais um exemplo quer da diferença entre crer e perceber, quer do espectáculo […]


  2. […] vez, Nabais, a culpa não é do árbitro: é do João Mendes. Siga. Viva o Benfica. […]


  3. […] Depois de ter reagido à proibição de exibir uma tarja com «O espírito de campeão vive? Apenas nos nossos adeptos», espero que esta claque exija uma retractação ao jornal da resistência silenciosa em tempos de liberdade. […]


  4. […] igualmente pelo primado da liberdade de expressão sobre a resistência silenciosa que Abril (com maiúscula, sempre) se fez. Todavia, há quem prefira resistir silenciosamente. E há […]


  5. […] diria Hollande, há sempre «des rechutes possibles»), eis que surge ortografia no jornal da silenciosa resistência, da grafia rasca, da […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.