Meia-dúzia de cambalhotas e tudo pior

A CGTP reuniu hoje o seu Conselho nacional e não descarta o agendamento de uma nova Greve Geral, a par de outras formas de luta. Obviamente que, com o circo que o país viveu durante 21 dias, com o morto em passeio com as cagarras, coitadinhas, exige-se uma resposta dos trabalhadores e do povo. Depois de 21 dias, duas demissões, uma irrevogável, mais duas que estavam prontas a ser entregues e ficaram na gaveta, um Portas sem espinha e um Passos invertebrado, é imprescindível que o povo volte a ter a palavra. O morto não nos dá as urnas, nós damos-lhe com as ruas.

Depois dos dias do surrealismo, o morto ergueu-se e veio anunciar-nos a moção de confiança ao seu governo. Um país tricéfalo. Não me enganei, é mesmo tricéfalo. Cavaco, Passos e Portas estão longe de ser burros. O primeiro cumpre o sonho de menino salazarento e tem medo que o povo coloque um ponto final naquilo que há décadas ajudou a destruir, enquanto ocupou a cadeira de Passos. Passos, por sua vez, é um miúdo que, às vezes, parece desnorteado, às cabeçadas a Portas. Já Portas é o um rato de esgoto; move-se no lodo e sobrevive às custas dele.

Pelo meio, uma moção de censura de que o PS não gostou, assumindo-se como alvo – mas votou a favor -, e as tão falas conversas que serviram para coisa nenhuma com o partido das alternadeiras e alternantes. Sobre isto, deixei passar uns dias para ver no que dava. Genuinamente. Gostava de ver o que o PS teria para dizer ao Bloco, que fez o que sabe fazer, convidando a malta do Rato para conversar um dia depois de o PCP ter convidado o Bloco: marcar a agenda mediática.

Ora, evidentemente que o PS não teve coisa alguma a dizer. Não pode, assinou o mesmo tratado de liquidação que os outros dois, mas fez-se de esquisito e não assinou o Pacto de Salvação Nacional – momento para respirar fundo depois de uma enorme gargalhada. Era evidente para todos que o PS não iria assinar, formalmente, qualquer tratado com PSD e CDS e perder a esperança de voltar ao poder depois das eleições, caso continuemos a votar em males menores e nas mesmas políticas, com rostos diferentes.

O PS pisca o olho não à Esquerda, mas ao eleitorado que continua a achar que o PS é esquerda, ao não assinar o pacto. Entretanto, passam despercebidos os pontos em que houve convergência entre o PS, PSD e CDS durante as conversas em família. Agora, a remodelação, com um futuro ministro que podia ser qualquer pessoa, o Portas contente quando se vê ao espelho, e nós continuamos a fazer furos nas calças, para quem as tem.

Portas vai mandar no governo e Passos será o bonequinho falante, como o do Ribeirinho n’O Grande Elias, com o braço do CDS enfiado pelo cu até à goela, fazendo de ventríloquo.

Evidentemente, sairemos à rua outra vez e outra e outra, até que caia esta gente. Faremos as greves necessárias, com ou sem pressão e represálias, como sucedeu no Mini Preço.Podem depois vir dizer que quem fez greve foram os funcionários públicos e os trabalhadores dos transportes. Podem continuar a enganar-se a eles próprios, que nós faremos o que nos compete: continuaremos a lutar pela vida a que temos direito e não pela vida que quem nela está bem acha que é a nossa.

Ah! E se o que vier a seguir fizer o mesmo, seja ele qual for, cairá também.

Comments

  1. luis says:

    Este governo esteve prestes a cair, só não caiu porque a esquerda não se une. Cada partido (BE e PCP) fazem as suas arruadas (como partido ou através do que se lixe a troika, o BE, da CGTP o PCP). Porque não se unem o BE e o PCP, para criar unidade de esquerda contra a direita? Obviamente que assim a maioria dos portugueses não vê com bons olhos a convocação de eleições, de tão óbvio que é que o Seguro as irá vencer. E as pessoas sabem que Seguro, pouco fará de diferente em relação a este governo.

    • Ricardo M Santos says:

      Se o povo quer esquerda, que vote na esquerda. Dizer que o povo não vota na esquerda porque sabe que Seguro vai vencer, não faz sentido.

      • luis says:

        Mas quem disse que o povo não vota na esquerda porque sabe que o Seguro vai ganhar? O que eu disse é que se não houver união da esquerda, o Seguro tem a vitória garantida e por isso muita gente não quer eleições. Como justifica que não haja união entre o BE e o PCP?

        • Ricardo M Santos says:

          Porque são partidos diferentes com visões diferentes sobre muita coisa. De outro modo, não havia Bloco, havia apenas PCP. Disseste aqui: Obviamente que assim a maioria dos portugueses não vê com bons olhos a convocação de eleições, de tão óbvio que é que o Seguro as irá vencer.

  2. Zero says:

    Se a CGTP ja faz tantas greves agora e o governo ainda nem sequer comecou a cortar os 10 mil milhoes de Euros necessarios, nem sei o que fara quando os cortarem

  3. edgar says:

    Afinal, não houve salvação nem ressurreição. Foi tudo para inglês ver. Aliás, como poderiam salvar fosse o que fosse os mesmos que representam a teia de interesses que nos enterraram e querem continuar a enterrar.
    Passos Coelho, que fala de mais, até afirmou que já tinha anunciado antes de tudo isto Portas como Vice “com autorização do Senhor Presidente da República”.
    E que não se rejubilem os que pensam que poderá ter melhorado alguma coisa: Portas ganhou uma estrela mas engoliu mais um sapo ao ser avisado, “publicamente e em tom categórico”, que não manda nada no novo Vítor Gaspar travestido (ou seja, as políticas vão continuar).
    Ainda o governo remodelado não tomou posse, ainda a estrutura e funções não são oficiais e é como … a pescada.
    Mas a história não acaba aqui; os cadáveres cheiram cada vez pior com a putrefacção; o buraco vai-se agravando; e, principalmente, o principal protagonista (o povo) é que tem sempre a última palavra.

  4. eleitor says:

    Acontece que o Povo elegeu este governo;
    As sondagens indicam que a maioria prefere que este governo acabe a legislatura embora não lhe dê os votos;
    Que a “esquerda” de que fala é minoritária;
    A CGTP é uma apêndice do PCP (já toda a gente sabe disto) e representa uma minoria dos sindicalizados os quais, por sua vez, são uma minoria dos portugueses;
    O Povo sabe que BE e PCP não são alternativa para nada;
    Podia continuar, mas seria chover no molhado.

  5. eleitor says:

    A greve do Minipreço foi tramada; tive que ir ao Pingo Doce!

  6. estica says:

    Desde quando o pcp é de esquerda ?é um partido de dogmas soviéticos,estalinista e bolchevique que não foi extinto graças a Mário Soares.

  7. adelinoferreira says:

    O governo morto, agora conta com a contribuição
    da experiência e sabedoria do dr Rui Machete.
    Convém lembrar que este pardal fez parte
    do grupo que liderava o BPN a SLN.


  8. O Aventar devia pensar em fazer uma lista, com os contactos de alguns dos “dealers” de certos “consumidores” que aqui têm, para poderem “partilhar” com os outros…, é que há aqui pessoal que anda a fumar uma “merda” mesmo boa… Também quero…


  9. “E se o que vier a seguir fizer o mesmo, seja ele qual for, cairá também.”

    Pelo menos acaba o texto a dizer que não curte isto da democracia. Normalmente são mais dissimulados.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.