Portas ” oferece ” lugar de vice primeiro-ministro a António Costa.

foto@tvi

foto@tvi

A noite passada Paulo Portas deu à TVI uma memorável entrevista. Foi notório o esforço de mostrar à saciedade a sua humildade. Aliás, se existe virtude que Portas tem é sem dúvida a humildade. Os portugueses devem ter ficado deveras convencidos e até comovidos com o líder do CDS. Todos ainda nos recordamos de uma famosa entrevista que deu a uma estação de televisão na época em que ainda era jornalista e director do célebre semanário ” Independente “. Nessa entrevista ficamos com a ideia absoluta que estávamos perante um homem de uma humildade singular e uma vida dedicada ao serviço público.

Na entrevista de ontem deu mais uma exemplo de uma humildade fora do comum. Não é que Paulo Portas até nos disse que estaria disponível, para em nome da estabilidade governativa e do superior interesse público, para ceder os seu lugar de número dois do governo a António Costa. Das três uma: ou está a gozar com os portugueses ou perdeu a completa noção do ridículo ou então no seu enorme ego avança o velho sonho de ser líder no PSD.

Num governo de uma eventual coligação entre PSD, PS e CDS, que defendi que seria aquele que melhor defenderia os interesses do nosso país durante os próximos quatro anos, estes três partidos, totalizariam na Assembleia da República 193 deputados, em que o PSD teria 89 deputados, o PS ficaria com 86 deputados e o CDS com apenas 18. Estes dados traduzidos em termos percentuais corresponderiam a uma representação parlamentar de 46,11% do PSD, de 44,56% do PS, ficando o CDS com apenas 9,33% de representatividade na Assembleia da República.

Este governo teria obviamente Pedro Passos Coelho, como primeiro-ministro, e muito provavelmente mais 14 ministros,  sendo que estes teriam que ser proporcionalmente distribuídos em função da representação parlamentar de cada um dos partidos, que daria 7 ministérios ao PSD, 6 ministérios ao PS e ao CDS apenas um ministério.

Perante estas dados estatísticos, assentes em critérios objectivos, ficamos com uma noção ainda mais perfeita da humildade que caracteriza Paulo Portas, o ” eterno líder do CDS.

Comments

  1. Jaculina says:

    Se o PS se entender com o PSD, o CDS estará no governo a fazer o quê?

  2. alexandre barreira says:

    …a fazer de……porteiro….da AR……..!!!!!!!!


  3. Durante o dia de hoje possivelmente o Páf ainda vai convidar o PCP para o Governo. #desespero

  4. JgMenos says:

    O PS só precisa da esquerda para chegar ao poleiro..
    Quando lá chegar, em menos de um mês vai virar à direita e fazer acordos com a direita em nome da estabilidade.
    No caminho, é o país quem perde.
    No final retoma-se a austeridade, agravada pelo descrédito e pela desconfiança do investimento que vai travar às quatro rodas.
    Grande vitória da esquerda!
    O Costa tem a pensão de 1º ministro!

  5. Hugo says:

    Então qual foi o motivo escabroso e maquiavélico por detrás destas declarações?

    Se de facto alguma coisa se pode retirar desta entrevista é a explicação para o estado alterado da Assunção Cristas contra o Costa. Se o CDS só vai ficar com um ministério, adivinhem quem vai ficar sem pasta.

  6. demo says:

    Marco António Costa para ministro, já !!!

  7. Helder P. says:

    O CDS neste momento está em risco de se tornar o partido mais descartável num futuro governo. As coligações dissolvem-se nos grupos parlamentares de cada partido.
    Ou teremos uma maioria PS, BE, PCP ou uma maioria PSD, PS.
    O CDS não entraria nestas contas.