Mais más notícias(*). Será que isto não pára?

Moody’s aplaude Governo pela aprovação do Orçamento. (*) Para a direita que continua com a narrativa “não estraguem [que isso é connosco]”.

Comments

  1. José Peralta says:

    Estás a ver, passos ? Facínora pulhítico, aldrabão demencial, criminoso social ! Estás a ver como se “concretizam” as tuas previsões catastrofistas e as dos pafiosos que contigo fazem coro ? Onde está agora a “brincadeira de crianças” da cristas, (a marcar território lá no partido, “como as gatas”…) ! O revoltado “não estraguem o que nós fizemos” da cecília…zinha ! E a “ausência” estratégica e cobarde do portas (“eu não tenho culpa, eu não tenho culpa ! Foi o outro menino quem fez cócó na coelheira !” ) O descaramento risonho do oleoso nuno magalhães ! A raiva canídea do nuno melo ! A traição europeia desse batráquio, paulo rangel ! E a besta gorda amorim ! E o falsário marcantóniocosta ? Estás a ver, passos ? Como tu tinhas “razão” ! E como tarda a hora de teres o “merecido” agradecimento dos Portugueses !!!

  2. Antero Seguro says:

    PASSOS, PORQUE NÃO TE CALAS?
    A “débacle” da direita não pára, insistindo na intriga ao mais alto nível para duma forma antipatriótica combater no estrangeiro um governo legítimo que trouxe de novo a Esperança aos portugueses. Portas, um autêntico “príncipe” maquiavélico, desapareceu prudentemente de cena deixando o adiantado mental do Passos a fazer o papel de bobo da corte que numa autêntica fuga para a frente ensandeceu definitivamente. A margem de manobra continua muito apertada. Neste momento devia à razia que todos aqueles que governaram nos últimos 40 anos, para além de uma dívida impagável nestas condições já só existem migalhas para redistribuir. O PS agora partilhando responsabilidades com uma esquerda responsável retomou seu verdadeiro papel assumindo claramente o socialismo programático que tem ofendido e vilipendiado ao longo dos últimos anos. Estão agora criadas condições para, cautelosamente percorrermos o caminho das pedras, estando sempre atento às emboscadas que um direita sem pudor, sem honra, sem dignidade e cumprindo o seu papel histórico, depois de ter roubado os reformados, empurrou os portugueses para o desespero obrigando a geração mais bem preparada de sempre a fugir do país em busca do pão num êxodo sem precedentes. Acossado por um bando de agiotas sem alma que nos aprisionou, devido a sucessivos e clamorosos erros políticos temos que ter a clarividência de lhes saber responder, honrando a dívida, tendo de no entanto de lhes dizer como e em que condições a podem pagar. Como o nosso povo costuma dizer, a necessidade aguça o engenho. Saibamos pois, trilhar esta ciclópica aventura, não entrando na ilusão do canto da sereia duma maquiavélica direita que a um país já de tanga, não teve escrúpulos em o deixar completamente nu, vendendo ao desbarato o pouco que restava. Finalmente, dei comigo a cogitar, como tudo seria diferente e muito mais fácil se este actual governo tivesse tomado posse há trinta anos.