O Diabo veste crescimento económico

está aí a confirmação do INE: no primeiro trimestre, a economia portuguesa cresceu mesmo 2,8% em termos homólogos, o melhor resultado dos últimos 10 anos, e 1% em cadeia. O próximo resgate segue dentre de momentos.

Um banho de realidade

Temos novos santos, temos velhos santos e até heróis verdadeiros. Somos imensamente bons, vivemos num país belíssimo, seguro o bastante (até ver) e, numa escala apreciável, materialmente (estou a ser benévolo) indigente.

Efectivamente, de acordo com os últimos dados do INE, mais de 25% da população residente em Portugal no ano de 2016 – cerca de 2,6 milhões de pessoas – estava em risco de pobreza ou de exclusão social.

Para a aferição deste risco definiu-se, no âmbito da estratégia económica de crescimento (estratégia Europa 2020), um indicador relativo à população em risco de pobreza ou exclusão social que conjuga os conceitos de risco de pobreza relativa – pessoas com rendimentos anuais por adulto inferior ao limiar de pobreza – e de privação material severa, com o conceito de intensidade laboral per capita muito reduzida.

Considera-se no limiar da pobreza o cidadão europeu que não obtenha 60% do rendimento médio por adulto equivalente no seu país, correspondendo a proporção dos que não atingem esse limiar à taxa de risco de pobreza.

Sem querer retomar agora a discussão sobre se é legítimo padronizar desta forma a pobreza, introduzindo uma medida da qualidade de vida das pessoas que não leva em devida conta o custo de vida de cada país – uma vez que o rendimento médio pode, como sucede em Portugal, indiciar já a carência dos recursos financeiros necessários para assegurar aquela qualidade de vida, visto ser muito inferior ao rendimento médio, não dos países mais ricos da Europa, mas da média dos países da UE a 28 -, o facto é que mesmo os dados assim obtidos são de tal modo graves e socialmente insuportáveis que não podem deixar de requerer uma permanente e consequente mobilização política e social contra a pobreza.

[Read more…]

Mas que raio de números são estes?

Perante os resultados ontem conhecidos do crescimento económico, revelados pelo INE, várias são as análises que podem ser feitas. Deixo-as para os economistas. A mim interessa-me mais olhar para este crescimento de 2,8%, que se saúda, e tentar interpretá-lo à luz do culto apocalíptico que surgiu no final de 2015, que anunciava o fogo do Inferno e a danação eterna. O tal conto para crianças que nos foram contando, até o ridículo se tornar insustentável, que garantia que nada de bom poderia vir de um acordo de incidência parlamentar entre o PS e os hereges de esquerda. O desemprego subia em flecha, o investimento estrangeiro a fugia a sete pés, não fosse o imposto sobre o património apanhá-lo, o défice descontrolado como nunca, profetizava a matemática infalível de Maria Luís Albuquerque, e as sanções, meu Deus, as sanções, tantas e tão tenebrosas, mas que nunca deram o ar da sua graça. As sanções e o Dr. Belzebu, que continua em parte incerta, possivelmente alojado num hotel da Baixa do Porto, a aproveitar o que o melhor destino europeu de 2017 tem para oferecer.  [Read more…]

Revisão em alta do ressabiamento à direita

após revisão em baixa do valor do défice de 2016. Façam barulho para a aritmética da Dra. Maria Luís!

É oficial: a aritmética do défice de Maria Luís Albuquerque é uma treta

Recuemos até Novembro passado. Em entrevista ao insuspeito José Gomes Ferreira, Maria Luís Albuquerque afirmava categoricamente que não era “de todo possível” que o défice de 2016 cumprisse a meta europeia. Peremptória, a ex-ministra concluia que “aritmeticamente não é possível. [Read more…]

Breaking news: PSD elogia a Geringonça

koala

É o drama, o horror e a tragédia para os milhares de apoiantes radicalizados do PSD. Pela voz de Luís Montenegro, o maior – apesar de cada vez mais pequeno – partido da oposição reagiu aos números do INE que revelam um crescimento económico de 1,6% no terceiro trimestre de 2016. E a reacção, dado o histórico recente de paranóia e demagogia, era tudo menos expectável:

Há uma boa notícia para o país, que de alguma forma surpreende todos aqueles que perspetivavam nas últimas semanas um crescimento inferior

Claro que, convenhamos, quem perspectivou um crescimento inferior ao agora conhecido foi precisamente o PSD, que em conjunto com o partido liderado pela sua candidata à CM de Lisboa, continua a apostar todas as fichas nas potenciais desgraças disponíveis. Contudo, a retórica catastrofista não só já não colhe frutos como estará, especulo eu, relacionada com os sucessivos trambolhões que todas as sondagens têm proporcionado ao PSD. Vai daí convém trocar a cassete, gasta e sem conteúdo, e substituí-la por uma outra com maior adesão à realidade. Afinal de contas, não é todos os dias que Portugal lidera o que quer que seja na zona euro.

Não levantarás falso testemunho

Os números divulgados hoje pelo INE, relativos ao Inquérito de Conjuntura ao Investimento, apontam para um crescimento do investimento empresarial, em 2016, de 6%. Estes números do organismo oficial de Estatística não confirmam a propaganda negativa da direita.

CRISTAS

A culpa é do acordo de esquerda VIII

INE confirma estagnação da economia no 3º trimestre” [DN] Ainda o governo de esquerda não existia e já causava estragos. Esta esquerdalhada…

O ciclo interminável da manipulação dos números do desemprego

centro de emprego

Foi notícia no final da passada semana que o governo estava furioso com o INE devido a uma actualização que o instituto fez nos números do desemprego relativos ao mês de Maio. É irónico que o governo fique furioso com supostas manipulações destes valores quando se dedica permanentemente às mesmas. Nós por cá temos aventado bastante sobre essas manipulações, do esquema dos estágios à omissão do impacto da emigração, passando pelas alterações nas regras de contabilização do IEFP ou pela recente patranha de Bruno Maçães. É a engenharia política do desemprego em todo o seu esplendor.  [Read more…]

VEM para onde?

Lomba

Foto@Arrastão

Há umas semanas atrás,  o Secretário de Estado dos saudosos briefings veio apresentar o programa VEM, programa que pretende atrair meia dúzia (vá lá, 40 ou 50, estava a ser mauzinho) de emigrantes da vaga passista que, formados e bem preparados, não tiveram alternativa que não fosse seguir o conselho de Pedro Passos Coelho e abandonar o país. Importa frisar que, a julgar pelas palavras de Pedro Lomba, esta medida atingirá cerca de 0,02% do total de emigrados durante a era Passos Coelho. Não havia memória de tamanho altruísmo.

[Read more…]

A pobreza de Passos Coelho

Pedir esmolaDados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram que o risco de pobreza aumentou em 2013, informação desvalorizada por Passos Coelho, sempre pronto a imitar exemplos como o de Luís Montenegro. Segundo o primeiro-ministro, esses dados correspondem a “um eco daquilo por que passámos, não é a situação que vivemos hoje. reporta aquilo que foi a circunstância que vivemos, nomeadamente em 2013, que foi, talvez, o ano mais difícil em que o reflexo de medidas muito duras tomadas ao longo do ano de 2012 acabaram por ter consequências.”

Convém relembrar, muito a propósito, que 2012 e 2013 foram considerados anos de viragem por Passos Coelho.

Em 2015, ano-mesmo-mesmo-de-viragem-agora-é-que-é, o risco de pobreza, segundo o ainda primeiro-ministro, diminuiu, o que, mesmo que fosse verdade, faria uma enorme diferença a quem continuasse pobre ou em risco de empobrecer.

Entretanto, o valor das penhoras da Segurança Social subiu 11% em relação a 2013 e foram cobrados coercivamente mais 68,8 milhões de euros que em 2011, o que só pode ser sinal de enriquecimento dos portugueses.

Quem tem medo do salário mínimo mau?

Salário Mínimo

Disposto a correr o risco de questionar o distinto “economista, consultor de gestão e comentador de coisas” Carlos Guimarães Pinto (CGP), devo confessar que fiquei surpreendido pela superficialidade dos argumentos usados para literalmente responsabilizar o modesto e eleitoralista aumento do salário mínimo pela inversão da trajectória “mágica” dos números do desemprego em Portugal. Leigo que sou, estava convencido que tivesse sido obra das forças obscuras que se movem por trás dos arbustos para armadilhar a cruzada heróica e patriótica de Passos Coelho e entregar de novo o poder aos sinistros socialistas.

[Read more…]

Sobre a fábula do milagre da descida do desemprego

Hugo Soares Passos Arrastão“Birds of a feather flock lie together” 

(foto: blogue Arrastão)

Há um mês atrás, o dispendioso Hugo Soares citava o INE para, no âmbito das habituais manobras de manipulação e propaganda ao serviço do seu querido líder e respectiva corte, nos informar sobre o milagre da descida do desemprego, essa fábula social-democrata de enorme aceitação em algumas zonas agrícolas dedicadas à criação de gado ovino da raça jota lusitana.

Um mês depois, o mesmo INE, citado apenas e só quando conveniente, revela-nos dados sobre a emigração desde 2011: 100 mil em 2011, 121,5 mil em 2012 e 128 mil em 2013. Não existem dados oficiais para 2014, até porque o ano ainda não acabou, mas a cifra poderá atingir os 500 mil, se considerarmos o valor acumulado desde 2011.

E assim vai o mundo de contos para crianças que querem vir a ser governantes do país que está melhor com pessoas que estão cada vez pior. Excepto se formos um Hugo Soares claro, aí só haverão razões para sorrir que as ajudas de custo do Parlamento, não sendo as da Tecnoforma, chegam e sobram para viver – à grande – por cá.

Os números do défice, a dívida e os cidadãos

A comunicação social em geral, ‘Jornal de Negócios’, ‘Diário Económico’, DN e ‘Público’, seleccionou hoje como manchete a notícia de que em Setembro, final do 3.º T, Portugal tinha registado o défice de 5,9% do PIB, números do INE, e melhorado em 0,2% o resultado do período homólogo de 2012 (- 6,1%) – uma melhoria de 3,28%, se o PIB este ano fosse igual ao do ano precedente, mas não é.

Ainda prosseguindo a saga dos números, temos de considerar a recapitalização do Banif – número que os títulos dos jornais omitem – e a ‘engenharia financeira’ que rendeu mais de 700 milhões de euros da operação fiscal, com perdão de juros e coimas.

Com números e dados expressivos das ‘contas públicas’, gostaríamos de encerrar este capítulo da nossa reflexão. Passos Coelho inviabilizou tal objectivo. Na comunicação de Natal, do anúncio da redução da dívida pública, esqueceu-se de referir o valor actualizado dessa dívida – sei pelo Eurostat, isso sim, que em Set.º – 2013 o nosso débito público se fixava em 131,3% do PIB. Mas, agora, perto do final do ano, a informação é ocultada pelo PM.

[Read more…]

INE – a triagem da informação publicitada

Os jornais, ‘Público’ e ‘Jornal de Negócios’ por exemplo, divulgaram a informação do INE de que o indicador de ‘actividade económica’ atingiu o máximo desde Abril de 2011.

A notícia é positiva. Todavia, impõe-se fazer um juízo rigoroso. Comecemos por lembrar o conceito de ‘actividade económica’:

A expressão Actividade Económica designa o conjunto de relacionamentos e de tarefas realizadas pelos diferentes agentes económicos com vista à obtenção dos bens necessários à satisfação das suas necessidades através da utilização racional e eficiente dos recursos produtivos disponíveis. Neste conceito de actividade económica estão incluídas actividades como a produção (incluindo a transformação, a distribuição e a prestação de serviços), o consumo, a regulamentação, a repartição do rendimento, a exportação, a importação, entre outras.

Teoricamente e como se prova no documento ‘Comportamento Conjuntural da Economia’, acessível através do Google, o próprio INE não se afasta do conceito descrito. [Read more…]

Números do emprego e fraude intelectual

Zan_Zig_performing_with_rabbit_and_roses,_magician_poster,_1899-2

Por qualquer razão tinha Pedro Romano em conta de alguém com alguma honestidade intelectual. Tinha. Escrever um relambório, para não lhe chamar vomitório, sobre uma anunciada descida do desemprego está ao nível do milagre económico de S. Pires de Lima.

No 3º trimestre de 2012 tínhamos, segundo as estimativas do INE, 4 656 300 empregados. Em 2013 e para o mesmo período são 4 505 600, menos 2,2%. Claro que entretanto a taxa de desemprego baixou porque a emigração cresceu, num país onde a economia tem sido meticulosamente destruída por devotos do deus mercado, uma religião que tem por prática a crucificação dos outros. Pior ainda: subiu o emprego em 9,4 % numa categoria que diz tudo: trabalhadores familiares não remunerados e noutra, subemprego de trabalhadores a tempo parcial cresceu 5,5%. Estamos no bom caminho, temos mais escravos e donas de casa. [Read more…]

Que merda de país é este?

A almofada da desculpa é o ‘memorando da troika’, negociado e firmado pelo governo de Sócrates e ainda ratificado – e zelosamente excedido – pelo duo PSD+CDS, detentores do poder que nos (des)governa.

Almofada, do ponto de vista etimológico, é uma palavra de origem árabe. Nós, portugueses, e fiéis às origens do ‘al-gharb’, conservámos o vocábulo. Usamos a definição linguística e naturalmente do objecto de repouso sobre o qual descansamos e dormimos. Com menor ou menor comodidade. Tudo depende do recheio. Suma-a-uma, espuma ou outros materiais sintéticos que nos amparam ou massacram o atlas, sim o atlas, ligado ao osso hioide – fonte de inspiração, quem sabe, do conhecido “Hirudoid’.

Todavia, passou a haver outro conceito aplicado a almofada; o conceito político-financeiro, ora usado por Seguro – há almofada – ora recusado por Passos e Coelho – não há almofada.

Mais do que a oposição reclama, o importante é que o governo diz:

Não há folgas, nem almofadas

para acomodar, deduzo eu e milhões de outros cidadãos, a anulação do corte, mesmo parcial, dos subsídios de Natal e de férias nos rendimentos de funcionários e reformados da função pública, bem como de pensionistas privados em 2012 e 2013.

[Read more…]

O mistério das 3 PPP – II

Apesar de termos estado numas mini-férias,  o INE não parou, demonstrando simultaneamente um grande sentido patriótico e um ainda maior sentido de oportunidade pela criteriosa escolha do momento do anúncio. Como se sabe, tal não poderia ter esperado por hoje, ou défice iria muito além dos anunciados 9.1%.

O que eu não percebo é que, apesar do fim-de-semana prolongado, foram abundantes as notícias sobre o caso mas continuamos sem saber quais são esses três contratos (“dois dos quais correspondendo a contratos renegociados de ex-SCUT”, diz o INE).

Não sou jornalista, logo talvez não seja a pessoa mais indicada para opinar, mas parece-me que este aspecto tem muito mais interesse jornalístico do que o desviar de atenções lançados pelo útil Lello com as suas declarações foleiras.

Adenda 1: confirma-se que o caso Lello é para continuar a desviar atenções. Tristes.

Adenda 2: Graças a um comentário neste post, deixo a informação que me havia escapado sobre quais são esses contratos.

Os investimentos em causa são, por um lado, as concessões Scut do Norte Litoral (concessão Euroscut/Ferrovial, com investimento de 318 milhões de euros) e da Costa de Prata (concessão Ascendi/Mota Engil, com investimento de 320 milhões), em que entretanto foram introduzidas portagens e onde se registam elevados volumes de tráfego. Por outro lado, está também a concessão do Túnel do Marão, uma auto-estrada com cerca de 30 km de extensão, situada entre Amarante e Vila Real e que inclui um túnel de 5,6 km, que será o maior túnel rodoviário nacional. Esta obra, orçada em cerca de 350 milhões de euros e concessionada à Somague, apenas deverá estar concluída entre o terceiro e o quarto trimestre de 2012.» Público

O mistério das 3 PPP

Hoje, mesmo a meio de um fim de semana invulgarmente longo, soube-se que o balanço das contas do engenheiro que mais fez pelo défice voltou a agravar-se. O INE fez saber que as  contas públicas têm agora um défice de 9.1% do PIB.

A justificação é enrolada mas tem um aspecto curioso. Diz o INE que dos contratos analisados,  “três deles (dois dos quais correspondendo a contratos renegociados de ex-SCUT) não têm a natureza de contratos PPP em que o investimento realizado é registado no activo do parceiro privado.”

Duas ex-SCUT? Quais? E qual é o terceiro contrato? Procurei no INE e na comunicação social mas não encontrei resposta. Devo ser eu que sou picuínhas.

Dados Públicos

Nos anos mais recentes uma das tendências da web, e particularmente da web social, tem sido a criação de uma cultura de abertura no que diz respeito ao acesso a dados.

O principal objectivo por detrás de grande parte destas iniciativas, que se agrupam na expressão “open data“,  é aumentar a transparência de algumas instituições e torná-las mais escrutinaveis bem como permitir que outras instituições e individuos possam, de uma forma “século-21-simples”, aceder e explorar essa informação.

Algumas das primeiras iniciativas deste género com maior visibilidade foram levadas a cabo de uma forma estruturada pela Sunlight Foundation por exemplo com as iniciativas Open Congress / Money Trail ou MapLight e, como se percebe, o principal domínio de actuação eram os dados recolhidos por ou relacionados com a administração pública.
O principal argumento que justifica esta opção é o facto de, na grande maioria dos casos, estarmos a referir-nos a informação que diz respeito aos próprios cidadãos e suas actividades e que inclusivamente foi recolhida usando meios fornecidos pelos próprios cidadãos, através dos seus impostos, sendo por isso expectável que essa informação seja devolvida aos seus proprietários.


[Read more…]