Sim, é este imbecil que vai reinar no planeta Terra nos próximos anos

dt

Donald Trump lançou uma espécie de ultimato à General Motors:

A General Motors está a enviar carros do modelo Chevy Cruze fabricados no México para vendedores norte-americanos isentos de taxas alfandegárias. Fabriquem nos Estados Unidos da América ou paguem pesadas taxas alfandegárias

Um belo momento de patriotismo, não haja dúvida. Os tolos que ainda acreditam que Trump é diferente de outros que o antecederam ou da escumalha que se diverte e enriquece a destruir a economia mundial rejubilam! Os manipuladores que usam argumentos como este para fazer comparações idiotas com a esquerda esfregam as mãos. Já o liberal selvagem Trump, o tal que agora sentencia a General Motors a pagar pesadas taxas alfandegárias se não quiser produzir nos EUA, é o mesmo que usou esquemas igualmente trapaceiros para fugir aos impostos durante duas décadas. Sim, é este imbecil que vai reinar no planeta Terra nos próximos anos. Tem tudo para correr bem, não acham?

Foto: Joe Raedle/Getty Images@Business Insider

Como a Apple e o resto do Silicon Valley fogem aos impostos


A ler na Wired.

Fazer mal, especialidade governativa

Finalmente, o governo tornou pública a lista de fundações a abater. É de salutar o fim dos apoios a essa enormidade chamada Fundação para as Comunicações Móveis. Mas é pouco. Muito pouco.

Fundações que não terão qualquer corte: (…) Belmiro de Azevedo, BIAL (…), Fundação Social Democrata da Madeira. Com 30% de corte: Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva, Fundação Mário Soares, Fundação Inês de Castro (…). A extinguir: Fundação Paula Rêgo (…).


[Read more…]

Fundações ou como fugir aos impostos e obter dinheiro do estado

Houve tempos em que as fundações eram a forma adoptada por pessoas de posses para devolver à sociedade alguma da riqueza acumulada ao longo das suas vidas. Já não é assim. Os governos das últimas décadas transformaram as fundações em veículos de fuga aos impostos e, ainda por cima, em vez de contarem com o seu próprio património muitas delas são financiadas pelo estado (mil milhões em três anos). Para além disto as fundações públicas ou financiadas com dinheiros públicos são lugares óptimos para arranjar “tachos” para os amigos (ver o caso da fundação Cidade de Guimarães)

[Read more…]

E o parvo sou eu?

Eu explico de-va-ga-ri-nho: comparar salários entre função pública e privado terá sempre de se basear em números oficiais. E os números oficiais dos salários no privado não correspondem à realidade: ele é cartões, telefones, carros, prémios não declarados, toda a gente sabe que uma empresa privada pode pagar na prática bem mais o que o salário declarado. Em muitos casos só ganha com isso, e o assalariado agradece quando paga menos IRS.

Bastou que o esbulho chegasse ao privado para vir ao de cima esta realidade: Nuno Branco enumera uma série de hipóteses de as empresas ultrapassarem a situação, pagando por fora:

A primeira medida seria pedir uma redução do vencimento base bruto à entidade empregadora, como contra-partida negociar vencimentos variaveis atribuídos em ajudas de deslocação ou despesas de representação (we’re all salesmen now!). Apesar de estes rendimentos estarem sujeitos a pagamento de IRS estão isentos de SS e portanto passam ao lado das medidas ontem anunciadas. Poderá ser possível em alguns casos até levar mais para casa líquidos do que anteriormente.

Se anda frequentemente de carro em alternativa ao mencionado acima poderá tentar negociar um cartão GALP Frota ou similar. Mais uma vez pagamentos neste cartão estarão isentos de SS.

Outro subterfugio que muitos portugueses já conhecem é o cartão À la card. Este permite que a entidade empregadora aumente a quantia relacionada com os subsídios de almoço com um menor agravamento fiscal. Tem o inconveniente que o cartão só pode ser usado em restaurantes e supermercados.

Ele chama-lhe desobediência civil. Eu digo que essa desobediência existe, sempre existiu, e provavelmente aumentará para o ano. Claro que tem outro nome, que desobediência civil é coisa nobre, chama-se enganar o estado fugindo aos impostos. É legal, mas é criminoso, por estas e por outras depois dizem que não há dinheiro. É o pão nosso de cada dia.

Mas o parvo sou eu. E pensando bem no assunto até sou, por ser funcionário público, é claro.

O último a sair apaga a porta e fecha a luz

Coitado do Soares dos Santos afinal não é só ele, os nossos grandes capitalistas, perdão, os nossos grandes empreen-dedores estão a dar de frosques e as nossas (salvo seja) grandes empresas há muito que beneficiam das Holandas e Luxemburgos destas Europa e outros locais sossegados nos impostos do resto do mundo.

Esta última parte sempre se soube mas finalmente fica clara: a pátria deles é o dinheiro e a fuga legal e ilegal aos impostos mera rotina, um pecado remissível com uma esmola aos pobrezinhos coitadinhos que também não são tributados. Então não se pode ser rico? perguntam como se o problema fosse esse.

O desinvestimento em Portugal já é uma novidade. Significa que sabem muito bem ser hora de fechar a loja, começando pelos hiperrmercados que vão ficar às moscas, fazer as malas ao dinheiro e partir. Quando têm o governo mais à direita de sempre assumem que a austeridade rebenta com a economia e a direita não sabe governar, dando razão à esquerda pelos seus actos, embora continuem a negá-lo nos sermões aos seus devotos.

Façam boa viagem. Já vi este filme em  1974-75, não foi por isso que Portugal deixou de existir, e alguns bem souberam aproveitar a sua ausência (Belmiro que o diga). Esta é a emigração de que precisamos e que nos pode salvar. Mas façam-nos um grande favor: levem os vossos políticos convosco, inventem um governo no exílio. A malta agradece e cá se há-de amanhar a pátria com os que ficarem.

As menstruações de Américo Amorim e o problema estrutural da economia portuguesa

Crise internacional à parte, é sabido que a economia portuguesa tem um problema estrutural: a fuga aos impostos e os benefícios fiscais às empresas, permitindo falcatruas que se transformam em prejuízo para o estado. Depois dizem que este gasta mais do que tem, pudera.

O regabofe é de tal ordem que a impunidade é  assumida como regra, levando agora, gloriosa excepção, Américo Amorim a ter de descalçar 3,1 milhões de despesas bizarras para a sua principal holding: viagens dos netos, despesas com pensos higiénicos, cintos de crocodilo ou massagens. Prejuízo: 750 000 euros.

Que injustiça: o homem nem sequer é rico mas apenas um trabalhador sujeito a menstruações no local de trabalho. Fazer isto a um grande accionista do sacrificado BIC que dentro de dias receberá o BPN a quem deverá 1600 milhões (quando é que esta golpada será esclarecida?), está mal, muito mal, assim o país não anda para a frente e nunca mais saímos desta crise.

Fonte do gráfico e leitura proveitosa: resistir.info

Empresas sociopatas

Público on-line - clique na imagem para obter o artigo

Esta história da engenharia financeira usada como forma de fugir aos impostos afigura-se-me como qualquer coisa fundamentalmente injusta. Afinal, se os lucros são obtidos num determinado local, sob um conjunto de regras de negócio previamente estabelecidas, usufruindo dos recursos humanos e materiais desse local, apenas seria justo que esses impostos fossem pagos no sitio onde os lucros são gerados.

[Read more…]

Ainda Diogo Leite de Campos, vice-presidente do PSD, e os ricos

.

Este vídeo cá da casa tem tido algum sucesso: 78º mais comentado, na sua categoria, na semana passada (contas do Youtube).

Desses comentários destaco este, de resto o mais votado, assinado por d3kay:

Houve alguém que disse que bom era este gajo levar 10000 chapadas por mês. Mas se levarmos em conta que sobre estas 10000 chapadas incidem 42% isto significa que este gajo fica reduzido a 5800 chapadas. Será que se pode dizer que 5800 chapadas por mês, em casa, de roupa lavada, com comida, por instrução dos filhos, e isso tudo, é muito? Largar 5800 chapadas por mês, em qualquer país europeu é de classe média baixa, será que são estes os costumes portugueses? Isto… não chega sequer pró kim sung.

E já agora, quem quiser ver a reportagem completa da SIC de onde foi retirado este tesourinho, pode fazê-lo aqui. Ainda há mais momentos épicos, como uma lição de fuga aos impostos, na condição de advogado, que vos deixo: [Read more…]