Braga: por este Ricardo abaixo


[Costa Guimarães]

Os últimos comportamentos do presidente da Câmara Municipal demonstram o estertor ético da actividade político-partidária da maioria PSD/CDS/PPM em Braga. O povo diz, na sua secular sabedoria, que Ricardo Rio devia olhar por ele abaixo e, quando quer ser mais acutilante, sente pena do seu pai porque deve sentir-se envergonhado com o filho que tem.

Vamos aos factos.

  1. É conhecida de todos os bracarenses obsessão pela fotografia, fazendo com que a Câmara Municipal de Braga, nos últimos oito anos, gaste rios de dinheiro com publicidade nos jornais e rádios de Braga, do Porto e de Lisboa. Basta consultuar o site http://www.base.gov.pt/Base/pt/ResultadosPesquisa?type=contratos&query=adjudicanteid%3D3773, sempre por ajuste directo.

[Read more…]

Prémios de Turismo: Paga Zé….

Primeiro foi o Elidérico Viegas que denunciou o esquema e entretanto foi corrido (disso já se falou no Aventar)

Já se sabe que a brincadeira com o nosso dinheiro custou mais de 80 mil euros em Braga. E como foi no Porto (e em Lisboa sem esquecer a Madeira e o Algarve)? Só para a malta saber e perceber. Sobretudo, perceber como se criam mitos de génios da gestão, como se justificam salários milionários de certos gestores públicos e como os responsáveis do Turismo de Portugal nos vendem a banha da cobra.

Junta de Boys ou a Intolerância Política à Lactose

Em 2018 um conjunto de bracarenses criou um programa de autor na RUM – Rádio Universidade do Minho, chamado “Junta de Boys”. Sublinhe-se a originalidade do nome para um programa divertido com o fito de analisar a realidade local. Segundo sei, um (ou mais) dos seus autores pertenceram, nos idos de 90/00, ao blogue “Avenida Central”, um dos melhores blogues locais/regionais da época e que foi uma enorme dor de cabeça para a Câmara Municipal de Braga liderada, à época, por Mesquita Machado (PS). Aliás, sobre isso, cito um dos autores:

Já não é primeira que um projeto de discussão da política local em que participo é objeto de censura súbita… O primeiro caso teve a ver com as Conversas Desbragadas, do ProjetoBragaTempo, em 2001. O objetivo era debater a cidade de Braga com especialistas, de forma informal, com entrada livre e participação do público. Parece simples mas gerou – e ainda hoje geraria – imensa animação que foi bem aproveitada pelos muitos jornais que tinham sede ou delegação em Braga em tempos de cinzentismo mesquitista. As Conversas realizaram-se no salão do Ferreira Capa e, no dia da 3ª Conversa, avisaram-nos que seria a última. Claro que as Conversas não pararam e mudaram-se logo para o antigo Nosso Café [que nunca pôs quaisquer entraves]. Muitos anos depois foi a vez da Revista Rua. Com o propósito assumido da polémica nascia a rubrica Avenida da Liberdade. Eu escrevia à esquerda e o Rui Moreira à direita. Escrevemos o que entendemos sobre o mesmo tema durante várias edições até que a direção nos pediu uma pequena pausa… Até hoje! Coincidência: logo depois, a Rua entrevistou com grande destaque o Presidente da Câmara e passou a celebrar contratos com o Município… (Luís Tarroso Gomes, Junta de Boys)

Ora, nestas coisas o poder político lida sempre muito mal com a crítica. E nestas matérias, nenhum partido é virgem. O mesmo Luís Tarroso Gomes explica: “A origem da censura também é difusa, e normalmente, radica em interesses económicos indiretos. Por exemplo, a Câmara de Braga não dá dinheiro à imprensa, através das mais diversas vias e contratos, para que a imprensa se cale. O que faz é dar quantias suficientemente generosas para que esses órgãos de comunicação, frágeis pela quebra de receitas publicitárias, fiquem agarrados a esse apoio. E por sua vez estes tornam-se mansinhos para assegurar a renovação do apoio assim pondo em causa a fiscalização democrática. Se fosse num governo seria um escândalo. Mas a nível local pode fazer-se quase tudo sempre em perfeita impunidade“. Nesse aspecto, o chamado “Poder Local” aplica a censura com uma facilidade impressionante. O caso de Braga não é único nem novo. E nem tão pouco é distinto do que se passa em autarquias rosa, laranja, azuis ou vermelhas.

[Read more…]

Pulseiras electrónicas nos funcionários da CM de Braga

Não que Ricardo Rio alguma vez me tenha enganado. A personagem, toda ela conservadorismo sisudo, pouco dada à grande maçada que é a social-democracia, essa reclusa de uma qualquer gaveta coberta de teias de aranha, algures numa cave escura  da São Caetano à Lapa, sempre foi por demais evidente. Mas uma coisa é o que eu acho dele. Outra, bem diferente, é vir o senhor dizer, em plena Assembleia Municipal de Braga, que, se pudesse, colocaria pulseiras electrónicas a alguns funcionários da CM de Braga. [Read more…]

Legalidade à moda de Braga

Ricardo-Rio-a-frente-da-Camara-de-Braga

Ludo Sousa

A propósito das recentes notícias sobre a implementação de um regulamento de controle de consumo de álcool aos trabalhadores da Câmara Municipal de Braga:
Dão a entender as notícias sobre o assunto que os sindicatos aceitaram a implementação do regulamento. Nada mais falso! O STAL emitiu parecer desfavorável que não foi tido em conta.
Refere também a notícia que os testes de álcool se encontram em vigor na AGERE e na TUB. Nada mais falso!
“Esqueceu-se” a comunicação social de dizer que um Administrador da AGERE foi, há anos, condenado a seis meses de prisão, remíveis a multa, por aplicação dos testes aos trabalhadores nos termos do regulamento, que é ILEGAL:

Aliás, o regulamento da CM de Braga viola a Lei (várias) em quase todo o seu articulado contraria todas as disposições/recomendações acerca deste tipo de regulamentos como forma de prevenção de controle excessivo de álcool e substâncias psicotrópicas nos locais de trabalho. É um regulamento proibitivo, penalizador e não preventivo. Feito para “tramar” alguns “por” encomenda!

Tenha vergonha a Câmara Municipal de Braga!
Tenha vergonha o senhor Ricardo Rio!
A autarquia de Braga não tem sequer um Regulamento de Saúde e Segurança no Trabalho!
A Autarquia de Braga tem uns estaleiros municipais pragados de Ratazanas!
A Autarquia de Braga tem os trabalhadores do sector operacional num estaleiro com coberturas de amianto, com infltrações, com tectos escorados para não derrubarem!

Haja VERGONHA!

Nota: sintam-se avisadas as autarquias que no Distrito de Viana do Castelo intentem tal proeza!

Estátuas que se inauguram em Braga

inaug_garrafa_coca_cola

Sim, é uma estátua de uma garrafa de Coca-Cola.
Tão ridículo e tão ridícula como a do cónego.

A Braga dos segredos de Batista da Costa

tub-monologo_batista_da_costa
Um “Encontro” ocultado, secreto, sem plateia, sem perguntas, sem respostas, apenas com jornalistas a segurar o microfone.

O administrador dos TUB Batista da Costa não tem tempo para responder a cartas registadas dirigidas à empresa municipal que administra mas – e é bom sabê-lo, – tem tempo para dar palestras em salas vazias. Com a conivência, claro, da imprensa da cidade.
Absolutamente mantida secreta e ocultada a conferência-monólogo que ontem “aconteceu”, o administrador da empresa municipal entende que os Transportes da cidade não são para serem debatidos: são para serem monologados.
Na melhor das hipóteses, debitados: o administrador debita, os jornalistas transcrevem.

Não há direito a perguntas. Os TUB não respondem a perguntas. O Batista da Costa manda dizer ao telefone que não responde a perguntas.
De positivo deste Encontro (há foto da plateia??) há a registar o facto de os autocarros virem, em breve a entrar no campus de Gualtar da Universidade do Minho, uma micro-cidade com umas 15 mil almas.

Como termo de comparação (e Braga é incomparável), o serviço concessionado de transportes urbanos CORGOBUS (Vila Real) entra no campus da UTAD desde a data da criação da empresa, 2004.
Já vamos com 13 anos de atraso.

É o autarca Ricardo Rio conivente com o silêncio em torno deste Encontro secreto, sem plateia? E porquê?

Braga às escuras

cidade-braga-iluminacao
António Ferreira

Braga, centro da cidade, 17h30m de sábado, 3 de Dezembro.

Já não é só a periferia que está votada ao abandono.
O centro da cidade, dita cidade do comércio, está como se (não) vê. As grandes superfícies comerciais continuam a proliferar enquanto o comércio tradicional definha na escuridão.
Acresce a isto a não existência de uma comunicação social independente na cidade. Os casos, os acasos, as situações avolumam-se e a vergonhosa classe de jornalistas dos dois diários da cidade olham para o lado enquanto assobiam e fotografam todas as inúmeras aparições do fotogénico Ricardo Rio, seu putativo patrão.
Foram precisos apenas 3 anos para a Câmara Municipal de Braga transformar a cidade numa amostra triste, gélida e escura daquilo que já foi.
Foto © Ana Silva