O Expresso e o relatório-fantasma de Tancos

Na edição impressa desta semana, o Expresso lança a polémica que promete marcar a narrativa da máquina de propaganda da direita nos próximos dias, com uma manchete onde se pode ler que “Relatório das secretas sobre Tancos arrasa ministro e militares”.

Tem início um incêndio nas redes sociais. Spin masters da direita a carburar a todo o gás. O Gorjão a ter orgasmos múltiplos. Pedro Passos Coelho, indignado, a cuspir nos pratos onde come desde 2011 e a questionar quem ainda o ouve – e o Expresso até lhe fez o frete de lhe dar destaque durante toda a tarde de ontem na edição online – se é preciso comprar o Expresso para saber o que se passa no país. [Read more…]

Tem a certeza que quer falar sobre ligeireza e irresponsabilidade, deputada Cristas?

A ex-ministra que aprovou o projecto de resolução do BES sem saber muito bem do que se tratava, assinando de cruz com a própria admitiu, veio por estes dias acusar o primeiro-ministro de ligeireza e irresponsabilidade no que toca aos temas da Segurança e da Educação. Sobre o primeiro, com o foco de Assunção Cristas a apontar para o impasse nas secretas e para a ameaça terrorista, desconheço a existência de motivos para alarme. Aliás, a falta de notícias sobre o tema leva-me a crer que, das duas uma: ou os serviços de segurança têm sido extremamente eficazes a antecipar e desmontar potenciais ameaças, ou serão os terroristas que não têm grande interesse em gastar os seus parcos recursos no Rectângulo. A ausência de chefia nas secretas, por si só, não me parece motivo de grande preocupação. Com certeza que as suas funções estão asseguradas, ainda que de forma interina. [Read more…]

Respostas para a crise no Brasil?

87_1280

Escrevi, há dias, um post sobre a crise no Brasil que, mais do que respostas, fornecia perguntas. A minha ignorância, a distância, o desconhecimento de muitos dos protagonistas e dos seus interesses e ligações, a não verificação da verdade ou da mentira nos “factos” mediáticos, a velocidade dos acontecimentos e a minha própria estupefacção, tudo isso me aconselhava a ter mais dúvidas do que certezas.

Nestes dias vertiginosos fui procurando entender melhor a situação. Avancei pouco e, separado o joio, quase não me sobra  trigo.

Duas ou três certezas,  tenho: o país está divido, a Política e a Justiça não estão devidamente separadas (e ambas albergam muita gente pouco recomendável), o regime (não me refiro ao governo) precisa de refundar-se, a corrupção é transversal e endémica – chegando-se ao ponto de indiciados e pronunciados por corrupção se atreverem, sem um pingo de vergonha ou de oposição no interior dos seus próprios partidos, a acusar, apreciar, votar e pertencer a comissões de investigação de corrupção (aqui chegados, estamos no grau zero da credibilidade)-, a democracia corre riscos evidentes de sequestro. [Read more…]

Ui que indignação se isto tivesse acontecido na Rússia ou na Venezuela…

jornalista da Time agredido com extrema violência por elemento dos serviços secretos norte-americanos quando tentava furar o perímetro de uma manifestação anti-Trump. O que vale é que eles por lá são muito democratas.

Quem nos protege dos nossos protectores?

O João Miranda enumera várias das razões porque as secretas devem muito simplesmente acabar. E nem sequer pede a sua privatização.  É certo que tanto o Ricardo Alves como o João Lisboa têm feito a mesma demonstração exaustiva. Mas faltava a cereja para compor o bolo.

Silva Carvalho queria ordem para escutar

O caso do espião que se passou para a Ongoing, foi espiado a espiar por fora e agora meteu o seu advogado, Nuno Morais Sarmento, a ponderar uma queixa por violação de correspondência, abre a temporada do fascinante mundo do PSD, que já não se via desde o tempo do desaparecido Lopes.

Já o ano passado dizia o artista que Passos agora quer meter a chefe das secretas, antecipando a suspensão da democracia em tempos ironizada pela chanceler Manuela Ferreira Leite:

.

Portugal não é uma democracia mais aprofundada do que é o Reino Unido. Não quero achar que os ingleses são menos democráticos que nos, ou os espanhóis, ou os alemães. Em Inglaterra os serviços de informações até podem fazer escutas administrativas, autorizadas por entidades não judiciárias.

Entrevista ao DN, via Ricardo Alves.

.

Haverá melhor ocasião para aprender com os ingleses umas coisas sobre escutas?