Não gosto do 1 de Abril

Porquê? Porque é o dia das mentiras. E eu não gosto de ser enganado ou que me mintam. Para isso já contribuíram anos e anos de políticas sociais neste país. Chega de mentiras. É que nem a brincar. Eu próprio pensei em fazer uma piadita sobre isso. “Vou dizer que me vou filiar num partido político para o destruir de dentro para fora!” – pensei eu para o teclado. E a veracidade deste pensamento é de que pesquisei pelos sites dos partidos políticos para procurar as propostas para militante e tudo… depois desisti
…mas depois pensei novamente: em 1983 a Associated Press publicou um artigo falso sobre a própria origem do dia 1 de Abril e teve de mais tarde desmentir toda a notícia porque dezenas de jornais acreditaram na notícia e começaram a publicá-la como verdadeira. Ainda hoje na internet permanece a história e começa a diluir-se nas histórias (supostamente) verdadeiras da origem do 1 de Abril. Pensei também: em 1974, em Portugal, contaram muito mal uma história de democracia ao povo português, que (supostamente) faria com que as pessoas tivessem boa qualidade de vida, justiça e liberdade…e ainda hoje essas pessoas (e entretanto, outras mais recentes) continuam a enganar as pessoas com as mesmas histórias falsas… A informação perde-se com demasiada facilidade para brincarmos com ela…

E então deixei de pensar no dia das mentiras e apaguei tudo o que tinha escrito com graçolas sobre este dia… Se quiserem mudar o nome da festividade para dia das piadas ou dos sketches, tudo bem! Dia das mentiras, para mim é que não! Basta de treta! Isto não quer dizer que não goste de soltar umas gargalhadas. Sou multifacetado. Tanto posso ser um parvalhão insultuoso como um pateta cheio de graçolas. E para provar isso sugiro – contraditoriamente à minha própria opinião e até porque em alguns sítios, o 1 de Abril é o dia dos parvos – uma personagem que passou tanto tempo da sua vida a mentir e a enganar os outros, que quando morreu, os fãs pensaram que era mentira… e era mesmo! Quer dizer, não se sabe ao certo. E prova também que tudo tem utilidade neste mundo, nem que seja para servir de mau exemplo: Andy Kaufman.

Comments


  1. Estou de acordo. O melhor mesmo é acabar com este dia das mentiras. Por norma, os dias de… são reservados para algo que mereça ser ressalvado, protegido, lembrado, tipo o Dia Mundial da Paz. A mentira é algo tão presente no dia-a-dia, tão utilizado, com tantos frequentadores, que não precisa de um dia especial. Mesmo que não seja reconhecido pela Unesco.

  2. Snail says:

    E o dia das mentiras “não é sempre que um político quiser?”

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.