POEMAS DO SER E NÃO SER

Senta-te e lê com calma.
Enquanto lês
deixa pousar nos lábios
o tal beijo pequenino.
A partir de hoje
somos donos de um segredo bonito.
Se algum dia
a chama-menina crescer
ao sopro de um vento suave
diz-me
que eu saberei dar-lhe o tamanho
da chama que acendi.
Tu não és vulgar.
Na tua cabeça e no teu peito bonito
há imensas flores brancas
adormecidas
tu não és de letras nem de artes
és de asas que anseiam por abrir-se
não de asas que rastejam por aí
tu és simples
feita de natureza e ternura
leve como a brisa da manhã
és uma flor que nasceu ao calhas
no meio da erva seca
e precisa de ser regada
com água pura e cristalina.
Só eu sei tratar de flores assim
por isso me deixei envolver
no teu perfume de terra molhada.
Contigo sonhei
Tudo te ensinei
levei-te a Roma a comprar lindos vestidos
fizemos amor
numa noite prenhe de luar.

                            (adão cruz)

(adão cruz)

Comments

  1. Belina Moura says:

    Lindo poema.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.