Quarta-Feira: O dia da campanha

Queimam-se os últimos cartuchos. É a recta final de uma campanha que, valha a verdade, nada esclareceu e nenhuma dúvida tirou. Quem estava indeciso, indeciso continuou. Felizmente, já só faltam dois dias para tudo acabar. Que os nossos políticos reflictam, no Sábado, sobre tudo o que andaram a (não) fazer nos últimos quinze dias.
José Sócrates esteve em Trás-os-Montes a desfiar tudo o que de bom fez pela região. Esqueceu-se do futuro desmantelamento da Linha do Tua, única ligação ferroviária do Nordeste Transmontano. Esquecimento inocente, que raio!, o homem não se pode lembrar de tudo! Pedro Silva Pereira ainda teve tempo para dizer que acedita em nova maioria absoluta, mas estava a brincar.
Por terras do Minho, Manuela Ferreira Leite esforça-se por afastar as acusações de salazarista, que ainda ontem lhe foram dirigidas por José Junqueiro (não é irmão daquele que ficou com uma prisão do Estado quse de borla?). Paulo Rangel, que ganhou as Eleições Europeias e os debates do «Gato Fedorento», começa a ser «pau para toda a obra». Ou muito me engano muito ou, daqui a dois anos, depois do descalabro do Governo minoritário de Sócrates acabado a meio, será o primeiro-ministro de Portugal.
Quem rejubila com o fracasso do Bloco Central é Francisco Louçã, que vai amealhando votos. Será que chega aos 15%? Hoje, na margem sul, voltou a referir-se ao tema que domina a campanha, mas acabou a «meter tudo no mesmo saco», Cavaco e Sócrates.
Jerónimo de Sousa mostrou mais uma vez o seu «fair-play» ao recusar dizer que a vitória de Manuela Ferreira Leite seria o regresso ao 24 de Abril. A hombridade deste homem não é comparável à de mais ninguém nesta campanha. Curiosamente, disse-o em Santarém, a cidade de onde partiram as tropas comandadas por Salgueiro Maia rumo ao Terreiro do Paço.
O CDS, por fim, com Pauo Portas a usar, como é costume, os velhinhos e os deficientes. Também esteve em Santarém e quase se encontrava com Jerónimo de Sousa. Sempre podia pedir-lhe um autógrafo.

Comments


  1. ELEJO JÁ ESTE O ARTIGO POST MAIS FODIDO DE SECA TOTAL DA ÉPOCA BALNEAR ELEITORAL..DEU-ME TANTO SONO QUE «OH MARIA, TOMA TU AQUELE XANAX POIS JA ESTOU MIJADINHO DE SONO, NÃO PRECISO DO COMPRIMIDO HOJE» TRÁS-ME ANTES UMA GRADE DE COISA E TAL QUE VOU DAR ALI UM SALTITO A V D CONDE..ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ


  2. COM TANTO SONO QUE ATÉ DISSE TRÁS POR TRAZ…A PARTE DE TRÁS E O QUE TRAZ POR AQUI..POIS É… O TRAZ o traste o de trás …E O TRASEIRO …e…A LINGUA PORTUGUESA É TRAISSSUEIRA!!!!!

  3. Luis Moreira says:

    Dalby, porque não entras em estado de sonolência total induzida?

  4. Belina Moura says:

    Ele nem precisava de Xanax, basta ler estes posts sobre as eleições para ficar logo KO.


  5. beli é por isso que te amo!

  6. carlos fonseca says:

    A inoportuna decisão de Cavaco sobre as “escutas”, em plena campanha, beneficiou claramente Sócrates e o PS. Conheceremos a extensão dos benefícios, e dos subsequentes prejuízos para terceiros, no próximo domingo. Porém, uma coisa é certa: Cavaco provou, uma vez mais, não ter perfil pessoal e político requerido para o desempenho do cargo de PR. No ‘Aventar’, em tempo oportuno, denunciei a despropositada intervenção pública de Cavaco, no caso “PT-TVI”, então em socorro de MFL. Estes e outros casos são exemplos eloquentes de mediocridade de um homem que não sabe comportar-se devidamente no lugar institucional e suprapartidário a que está vinculado. É, de longe, o pior dos PR’s da Democracia, com prejuízos efectivos para a maioria dos cidadãos portugueses… e com a agravante de benefíciar quem lesa o interesse público. Veremos os episódios seguintes.


  7. ZZZZZZZ E MAIS ZZZZ E DDDDDS E SPBRETUDO MAIS ZZZZ MUITOS ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ