PSD: Mais uma derrota

Nas últimas 5 Eleições Legislativas, o PSD só ganhou uma, e mesmo assim à tangente e com um PS esfrangalhado. Desde 1995, já teve como líderes Fernando Nogueira, Marcelo Rebelo de Sousa, Durão Barroso, Santana Lopes, Marques Mendes, Luis Filipe Meneses e Manuela Ferreira Leite. Nenhum se impôs. O verdadeiro deserto provocado por Cavaco Silva, que durante 10 anos secou tudo à sua volta, é o responsável pelo actual estado daquele que já foi o maior Partido português.
Manuela Ferreira Leite é a última vítima. Neste caso concreto, foi também vítima dela própria. Desde o primeiro dia, não parou de falar da Verdade e da sua Política de Verdade. Como se fosse a única pessoa séria no país. E quem conhece o seu percurso político sabe que ela só é séria quando não se ri. Começou na constituição das listas e foi por aí fora.
A derrota de ontem foi ainda maior do que a de 2005. É certo que teve mais votos e elegeu mais deputados. Mas manteve-se nos 29%. E em 2005, como se lembram, o PSD vinha de um Governo caótico e Santana Lopes estava completamente desacreditado como primeiro-ministro. Com um PSD minimamente competente, o PSD tinha vencido estas eleições.
Neste momento, os barões já estão a movimentar-se para fazer o funeral de Manuela Ferreira Leite depois das Autárquicas. Resta agora saber quem será o próximo líder.
Candidatos? Tentar não custa: Pedro Passos Coelho, Rui Rio, Paulo Rangel, Santana Lopes, Luís Filipe Menses, Marques Mendes, Marcelo Rebelo de Sousa ou Marco António, sendo que este apela ao fim do cavaquismo. Quanto ao ferreiraleitismo, uma «reprise» do cavaquismo, parece que nunca existiu.
Um daqueles nomes será certamente o próximo Presidente do PSD. Um Presidente que tanto pode arder na Oposição durante 4 anos como, mais provável, pode ser chamado a governar já nos próximos dois anos.